domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Bolsa Estupro

Projeto traz o nascituro como foco de proteção e pretende ofertar à mulher vítima de estupro a opção de gerar o filho com a tutela estatal.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

O Estatuto do Nascituro foi aprovado na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara Federal e agora também recebeu sinal verde da Comissão de Finanças e Tributação. Necessita, ainda, do aval da Comissão de Constituição e Justiça para ser encaminhado para o Senado.

Referido projeto, que tramita desde 2007, traz o nascituro como foco de proteção. Dentre outras garantias conferidas a ele, pretende ofertar à mulher vítima de estupro a opção de gerar o filho com a tutela estatal, sem a realização do abortamento previsto em lei. Para tanto, assegura o direito à assistência pré-natal, com acompanhamento psicológico da mãe; o direito de ser encaminhado para adoção, com a concordância da genitora; a obrigatoriedade do Estado de arcar com os custos da saúde, do desenvolvimento e da educação da criança, a não ser que seja identificado o genitor do nascituro ou da criança já nascida, que passará a ser o responsável pela pensão alimentícia, nos termos da lei.

Enquanto a lei estiver contida no interior do tubo de ensaio como projeto, é o momento propício para amadurecê-la e colocá-la na pauta dos debates, visando a encontrar uma solução que seja coerente com o ambiente social e que espelhe, pelo menos, a maioria das faces da vontade popular. A proposta reacendeu polêmicas rotineiras a respeito de tema tão turbulento. Não como um fogo que arde e rapidamente se apaga, mas sim como uma chama crepitante. Daí que, com o dizia Platão, precisamos seguir até onde o vento dos argumentos nos leva.

Percebe-se, numa análise até superficial, que a intenção é oferecer à mulher estuprada a opção de gerar o filho, com a assistência do Estado, que contribuirá com uma espécie de "bolsa-estupro", assim já batizada no projeto. Tal medida visa a impedir a realização do aborto legal. Prevê também que, se o estuprador for identificado, a ele recairá a responsabilidade pela inserção do nome na certidão de nascimento e a prestação de alimentos. Se não for, a responsabilidade alimentar continua com o patrocínio estatal.

Aparentemente, a prática carrega um argumento de sedução social, pois possibilita também o encaminhamento da criança para adoção. Porém, o entrave maior, sem qualquer confrontação com grupos religiosos e feministas, reside na intimidade da mulher estuprada. Será que terá ela condições de registrar o filho em nome do pai estuprador que, a partir daí, terá a obrigatoriedade de bancar os alimentos e, consequentemente, exercer, mesmo que distante, a guarda do filho, podendo, dependendo da situação, até mesmo pleiteá-la judicialmente?

É uma indagação que encontra um obstáculo instransponível para a decisão da mulher, vez que o filho foi gerado com violência ou grave ameaça e não concebido pela vontade dos genitores. É um sofrimento que carregará para o resto da vida, com todos os traumas decorrentes.

Ainda quando exercia as funções de promotor de justiça, atendi uma mulher recém-casada que havia sido estuprada por um homem não identificado que, sorrateiramente, durante a noite, na ausência de seu marido que trabalhava, entrou na casa, imobilizou-a e manteve conjunção carnal, que resultou em sua gravidez. Desesperada, presa nas barreiras de ordem moral e religiosa, viu-se como uma assassina e não como vítima ao optar pelo aborto legal.

O Ministério da Saúde, voltado para as ações norteadoras éticas e jurídicas dos direitos sexuais e reprodutivos ditados nos planos internacional e nacional dos direitos humanos, normatizou os procedimentos para o abortamento em caso de gravidez com violência sexual, através dos documentos "Norma Técnica de Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes de Violência Sexual contra Mulheres e Adolescentes" e "Atenção Humanizada ao Abortamento", ambas publicadas em 2005.1

Assim, quando se tratar de abortamento proveniente de estupro, a mulher não se vê obrigada a noticiar o fato à polícia e muito menos exigir qualquer providência judicial. Basta narrar o fato a uma junta médica credenciada, que inicialmente observará a ela a possibilidade de levar adiante a gestação, com os cuidados pré-natais adequados e as alternativas após o nascimento, que incluem a permanência com o filho ou a inserção em lar adotivo. Esgotadas as opções, a junta médica decidirá sobre a realização do ato cirúrgico, que deverá vir acompanhado do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e, ainda, neste ato, a orientará a respeito das providências policiais e judiciais cabíveis, se forem do seu interesse.

Os documentos médicos referidos conferem à palavra da mulher a presunção de veracidade. Em Direito, nos crimes sexuais, em regra, também a palavra dela vem revestida de importância vital, pois ninguém se exibirá publicamente fazendo denúncia de violência sexual, submetendo-se a exame de conjunção carnal e sujeitando-se a uma série de perguntas que, no mínimo, afrontam a privacidade pessoal. Se, no entanto, a mulher relatar inverdade para a junta médica encarregada, no sentido de que não foi vítima de estupro, a responsabilidade criminal recairá somente sobre ela, isentando os profissionais da saúde de qualquer ilícito, pois o erro foi justificado uma vez que, se realmente existisse a situação de fato narrada, a ação seria legítima.

O CP, por sua vez, pela reforma introduzida pela lei 12.015/09, criou em seu Título VI a denominação de Crimes contra a Dignidade Sexual e estabeleceu para o estupro a persecução penal intentada pela representação da vítima, por se tratar de ação pública condicionada. Vale dizer que a mulher vítima oferecerá a condição de procedibilidade se for de seu interesse e conveniência. Será, no entanto, incondicionada se tratar de vítima menor de 18 anos ou pessoa vulnerável.2

O STF, a título de argumentação concorrente, por oito votos contra dois, decidiu que as mulheres grávidas de feto anencéfalo, assim clinicamente comprovado, podem optar pela interrupção da gestação, por acarretar risco à saúde física e psicológica. Isto porque o anencéfalo, apesar de biologicamente vivo, juridicamente pode ser considerado morto, por não ter vida em potencial, a spes vitae dos romanos.

Finalizando, o assunto aborto vem carregado de força e peso e deve ser moldado sob o ângulo da dignidade da pessoa humana. O espaço é densamente povoado de ideias a serem depuradas e reequacionadas à realidade da mulher brasileira, que deve ser prestigiada no exercício do seu direito à saúde sexual e reprodutiva. Mas é sempre bom lembrar que nem sempre as propostas que carregam incentivo financeiro apagam as marcas de uma agressão.

Resta uma derradeira observação a fazer: o nome da lei, com de nominação incoerente e incompatível com a natureza humana, deve ser alterado para bolsa-embrião ou bolsa-nascituro, pois se prevalecer a denominação atual, a tutela será conferida ao estuprador.

___________

1 Referidos documentos são apresentados na série sobre Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, de responsabilidade do Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas do Ministério.
2 Artigo 225 e seu parágrafo único do CP.

___________

* Eudes Quintino de Oliveira Júnior é promotor de Justiça aposentado e advogado; Pedro Bellentani Quintino de Oliveira é advogado.

Atualizado em: 18/6/2013 14:37

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Publicidade