quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Outubro Rosa: a leitura genética de Angelina Jolie

Mesmo sem a comprovação da doença justifica-se a intervenção médica preventiva, com a confiança no provável desenvolvimento das células cancerosas?

domingo, 13 de outubro de 2013

Angelina Jolie submeteu-se a uma mastectomia dupla (retirada dos seios) porque, segundo os médicos, carregava 87% de chances de desenvolver o mesmo câncer que vitimou sua mãe. É uma atitude inusitada e que causou repercussão mundial. A decisão foi tomada após a realização de um mapeamento genético capaz de detectar o crescimento das células defeituosas com o consequente viciamento do DNA. Sua iniciativa fez com que muitas mulheres investigassem seus históricos genéticos para avaliar a possibilidade de se submeterem a uma mastectomia preventiva.

A indagação que se faz é no sentido de que, mesmo sem a comprovação da doença, mas pela potencialidade genética, justifica-se a intervenção médica preventiva, com a confiança no provável desenvolvimento das células cancerosas? Quer dizer, a cirurgia será realizada em um paciente saudável, que não apresenta a doença e nem mesmo os sintomas, mas há possibilidade de desenvolvê-la.

O patrimônio genético é aquele que assegura a própria sobrevivência da espécie, por isso rotulado de patrimônio genético da humanidade. O Conselho da Europa, preocupado com os procedimentos inescrupulosos, recomendou a intangibilidade da herança genética levando em consideração as intervenções artificiais. "O patrimônio genético, como o próprio nome diz, afirma Oliveira Júnior, é a somatória das conquistas do homem, no plano físico, psíquico e cultural, que o acompanha através de seus registros biológicos, faz parte de sua história e evolução e, como tal, merece a proteção legal. É o relato e o retrato da raça humana, desde o homem de Neandertal. Passa a ser objeto de tutela pessoal e estatal e qualquer ofensa a ele é desrespeito à própria humanidade. A proteção desloca-se da individualidade do ser humano já formado, com personalidade própria, para aquele que ainda vem a ser, com personalidade jurídica"1.

A decifração do código genético é uma das maiores conquistas da humanidade. Conhecer a função que cada gene exerce no interior do DNA significa ler a informação genética e descobrir o código da vida. O homem, no entanto, não é apenas resultado do mapeamento genético, mas também dotado de potencialidade genética que, em sintonia com o meio onde vive, poderá diferenciá-lo dos demais, formando uma unidade exclusiva. A ciência inclina-se para desvendar os genes responsáveis por determinadas moléstias, como Alzheimer, síndrome de Down, Parkinson e outras, com a intenção de alterar o código genético e possibilitar a erradicação da doença.

Parte-se para uma medicina preventiva, estruturada no genoma para garantir a saúde das pessoas. Comercialmente é possível fazer a leitura do DNA, não completa, mas que garimpa informações importantes para que a pessoa conheça seu código genético e, principalmente, para evitar a ocorrência de doenças de que tenha predisposição genética. É o verdadeiro nosce te ipsum do pensamento do grego Sócrates, que apregoava o conhecimento de si mesmo para organizar racionalmente sua vida.

Em artigo publicado recentemente pelo periódico "Science Translational Medicine", pela equipe liderada pelos cientistas Jay Shendure e Jacob Kitzman, foi possível determinar pela primeira vez, sem qualquer risco, todo o genoma do feto humano, a partir de amostras do sangue da mãe grávida e da saliva paterna. Assim, se ambos os genitores tinham a mesma versão de um gene, o feto carregava a herança deste gene2.

O princípio da intocabilidade do embrião, é bom que se diga, já não tem aplicação plena, em razão dos avanços científicos na seleção dos embriões. Permanece sim a proibição de selecionar sexo ou qualquer outra característica biológica do futuro filho, mas não se questiona a realização do exame para diagnóstico pré-implantatório e testes genéticos visando verificar se o embrião é portador de alterações cromossômicas ou genéticas. Se a constatação for positiva, admite-se o procedimento corretivo3. Em sentido contrário é a proposta de uma empresa americana que registrou a patente de um teste de DNA com o objetivo de permitir que receptores de óvulos e espermas doados escolham as características do bebê, tais como, a cor dos olhos, porte atlético, longevidade, estatura e outras mais4.

Na tentativa de responder à dúvida levantada, parece que não há dúvida com relação à resposta afirmativa. A tecnologia revela novos contornos que trazem benefícios para o homem, no sentido de proporcionar-lhe uma vida com melhor qualidade, evitando doenças incuráveis e sofrimentos dolorosos, sem qualquer ofensa ao princípio da dignidade humana. A decisão de Angelina marca uma nova etapa na história da humanidade e demonstra cada vez mais que o homem fica refém de sua própria tecnologia, quando desenvolvida em favor da vida. É o princípio da beneficência da Bioética.

A discussão erudita e bem-humorada entre os escritores Eco e Carrière oferece um quadro da renovação constante da tecnologia e a adaptação do homem em acompanhá-la. Diz Eco:

"É o presente que realiza os sonhos dos homens que nos precederam. Você tem toda razão. Estamos, por exemplo, prestes a tornar real a fonte da juventude. Vivemos cada vez mais e temos a possibilidade de terminar nossos dias numa forma insolente".

Responde Carrière:

"Daqui a cinquenta anos seremos todos criaturas biônicas. Vejo-o, por exemplo, Umberto, com os olhos artificiais. Fiz uma cirurgia do cristalino há três anos, no momento em que se anunciava uma catarata, o que me dispensa agora de usar óculos, pela primeira vez na minha vida. E o resultado da operação tem uma garantia de cinquenta anos! Hoje meus olhos funcionam como um filtro, mas um dos meus joelhos anda me traindo. Cabe-me decidir se o troco ou não. Uma prótese me espera em algum lugar. Pelo menos uma"5.

__________

1Oliveira Júnior, Eudes Quintino de. As condutas e responsabilidades médicas em face do princípio da autonomia do paciente. Tese de Doutorado. Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - Famerp - São José do Rio Preto, 2010, p. 120.

2Jornal Folha de São Paulo, edição de 08 de junho de 2012, Caderno Ciência + Saúde.

3Resolução Conselho Federal de Medicina, nº 1957/2010, item VI.

4Jornal Folha de São Paulo, edição de 4 de outubro de 2013, Caderno Ciência+Saúde.

5Eco, Umberto; Carrière, Jean-Claude. Não contem com o fim do livro. Tradução: Telles A. Rio de Janeiro: Record, 2010.

_____________

* Eudes Quintino de Oliveira Júnior é promotor de Justiça aposentado, mestre em Direito Público, doutorado e pós-doutorado em Ciências da Saúde. Advogado e reitor da Unorp.



Atualizado em: 9/10/2013 07:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade