segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Cabeças

Como funcionam as cabeças de nossas principais lideranças no campo das decisões políticas e econômicas?

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Com a aproximação do fim do ano, com o Natal e suas festas, talvez fosse interessante divertir o leitor com um texto menos sisudo e menos acadêmico, que apontasse algumas verdades, mas em tom de brincadeira.

Lembrei-me de escrever algo a respeito das cabeças que iluminam nossa vida pública, na política, na economia, na cultura, na mídia?

Como funcionam as cabeças de nossas principais lideranças no campo das decisões políticas e econômicas? Por exemplo,

ANTONIO DELFIM NETTO - Esta é uma cabeça das mais curiosas. Mistura sabedoria com forte tempero de humor, o raciocínio matemático com muitas tintas da cultura, a aceitação do novo aliada às lições permanentes da história, o profissionalismo maduro com a inclinação lúdica, a inesgotável capacidade analítica com a malandragem da ironia. Sua formação teórica é sólida o suficiente para desconfiar dela, descobrindo e ensinando que a teoria é importante, mas que na prática a teoria é outra.

De certa feita atrevi-me a denunciar que a cabeça de Delfim Netto é uma jabulani, a bola de futebol da Copa de 2010, caracterizada por mudar de percurso durante o trajeto. Parece coisa "sobrenatural", no dizer de Luiz Fabiano, pela sua imprevisibilidade.

Não sei se o brilhante economista gostou, nem se entendeu o que eu quis dizer: que sua cabeça se move em várias direções, contando com as variáveis tanto quanto com as permanências, dando prova de agilidade mental superior. Um de seus conselheiros é o "velho Niccolò" (Maquiavel). Mas não é nenhum "pragmático" primário, e sim intelecto dos mais complexos e indevassáveis.

Delfim começou como tecnocrata, mas sua vocação política sempre foi poderosa e o empurrou para a condição de estadista. Sua formação humanística nunca se comparou com a de Roberto Campos, formado na cultura clássica e humanística, com muito latim e grego. Mas Delfim, que tinha uma biblioteca numerosa e variada começou cedo a dedicar-se a outras leituras que não os tratados de matemática (que lê como romances), reduzindo sua diferença com Campos.

LULA - A cabeça de Luís Inácio Lula da Silva é a cabeça de perfeito sindicalista, alimentada com muita testosterona. Cabeça de sindicalista é a que leva o jogo da ação direta às últimas consequências. É cabeça muito violenta, que não admite nenhum obstáculo em seu caminho. Obstáculos tais como a lei, a justiça, a norma, a parte contrária, a oposição, o parlamento, os tribunais, os instrumentos de mediação, em suma, as instâncias indiretas.

É preciso remontar à história. Por volta de 1900, grupos de sindicalistas franceses começaram a guerra contra as instâncias indiretas para resolver conflitos sociais e políticos. Nada de dar a volta pelo que dispõe a lei e a ordem, nada de perder tempo com a mediação do parlamento ou dos tribunais. Todos objetivos se conquistam pela ação direta, sem participação de qualquer outra instância, pela violência, se necessário. Este foi o início da mentalidade sindicalista que se espalhou para os países industrializados e dura até hoje, inclusive no Brasil.

A ação direta é inimiga de todas as instituições, e Lula foi um eversor de instituições: anulou a personalidade do Legislativo à força de cooptação dos parlamentares e das medidas provisórias; minou o Executivo mediante a centralização brutal das decisões; só não conseguiu comprar o Judiciário, que levou a cabo o Mensalão, sob seus protestos de bovino enfurecido.

Cabeça alimentada por abundante irrigação de testosterona, responsável por seu linguajar de caudilho sertanejo, vozeirão arrogante, recheado de lances de mau gosto beirando a obscenidade.

DILMA ROUSSEFF - A "presidenta" não se sabe por onde pegar. Ninguém descobriu ainda o que vai por sua cabeça, nem o que ela pensa, nem o que ela quer, exceto fazer de tudo ("fazer o diabo") para ganhar a reeleição. Na dificuldade de vislumbrar o que vai por sua mente, a solução será descritiva, quer dizer, retratá-la pelo lado de fora, tomar sua cabeça não pelo que encerra, mas pelo que exibe exteriormente.

Comecemos pelo penteado. É uma obra de arte que está a merecer um prêmio internacional. Nem Maria Antonieta, nem Maria de Médici, nem Madame du Barry, com todo o esplendor da corte de Luís XV, ostentaram com tanta galhardia um penteado tão glorioso quanto o da nossa suprema governante.

Seguem-se as orelhas presidenciais, femininas, bem torneadas, sempre atentas às palavras do marqueteiro Santana e de Lula, embora menos atentas às vozes do povo que sucumbe ao peso crescente da inflação, da desordem econômica, do fracasso educacional e da mediocridade de expectativas no futuro. Adeus à utopia de um horizonte incitante.

Finalmente, os cenhos da "presidenta", sempre prontos a se fecharem quando contrariada nas suas expectativas ou por algum ministro mais descuidado.

FERNANDO HENRIQUE - Fernando Henrique Cardoso é uma das cabeças mais bem formadas do país. Em sua fisionomia e em seu porte já demonstra ser o que é - uma soma de qualidades ancestrais e modernas, sugerindo que ele mesmo, sua pessoa, deve seu sucesso à vocação de ser um mestre das somas, e não das divisões. Em sua presença transparece, de longe, o charme do mulato, a energia de seus antepassados militares, o porte dominante, com algo de imperial, e o dom da palavra irresistível, seja em público ou no diálogo familiar com poucos participantes. FHC tem o dom de enxergar sempre um pouco mais à frente do que o comum dos mortais.

O sociólogo, o acadêmico, o intelectual são, apenas, o cartão de visita de sua verdadeira personalidade, o homem de ação, o Executivo da cabeça aos pés, que se serve da formação universitária como o instrumento de sua atividade política original e criativa animada pelo sopro do titanismo dos construtores de nações.

JOSÉ SERRA - Serra é outro superdotado. Tem o mesmo nível intelectual de Fernando Henrique, enorme apetite de leitura, das mais variadas, incluindo muita obra de ficção e poesia. E uma capacidade de trabalho desmedida, que chega às raias do monstruoso. Sua relação com o tempo é muito especial e produtiva. Dêem-lhe um mês e ele faz o trabalho de um ano; dêem-lhe um ano e ele entrega realizações de cinco anos.

Faz parte de sua baixa pulsação com o tempo, aquela calma inalterável de quem vive como se tivesse todo o futuro ao seu dispor. Pode parecer dificuldade de tomar decisões, mas não é o caso. Ele não tem pressa porque está sempre esperando o momento favorável, aquilo que os gregos chamavam khairos. O político tem que agir na hora certa, nem antes, nem depois. Deve estar em sintonia com o khairos se quiser ganhar suas apostas. Aristóteles sabia disso e dizia ser a política uma ciência khairológica. E vá discutir com Aristóteles quem tiver coragem. Tudo na vida tem sua hora. Hora de pedalar calmamente de bicicleta, e hora de arremeter estrada afora na vertigem da velocidade.

_________

* Gilberto de Mello Kujawski é procurador de Justiça aposentado, escritor e jornalista.





Atualizado em: 22/11/2013 14:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Flávia Pereira Ribeiro

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019
Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020
Marco Aurélio Mello

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020
Ricardo Trajano Valente

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020
Carolina Amorim

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020
Edvaldo Barreto Jr.

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019
Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017
João Ibaixe Jr

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020

Publicidade