quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O Museu Guggenheim e o Direito Internacional

Recentemente, o Município do Rio de Janeiro, pessoa jurídica de direito público interno, e o Museu Guggenheim, pessoa jurídica estrangeira, celebraram contrato para a instalação do Guggenheim carioca. A este respeito, a imprensa noticiou duas importantes polêmicas.

segunda-feira, 26 de maio de 2003

O Museu Guggenheim e o Direito Internacional

Carmen Tiburcio*

Recentemente, o Município do Rio de Janeiro, pessoa jurídica de direito público interno, e o Museu Guggenheim, pessoa jurídica estrangeira, celebraram contrato para a instalação do Guggenheim carioca. A este respeito, a imprensa noticiou duas importantes polêmicas:

  1. a escolha de lei estrangeira para reger esse contrato;
  2. a escolha de foro estrangeiro (Nova York) como o competente para julgar eventuais litígios oriundos do contrato. Ambas as questões (escolha da lei aplicável e do foro competente) são típicas dos contratos internacionais.

Pelo que se sabe, a primeira polêmica resolveu-se com a adoção da lei brasileira, sendo abandonada a idéia de escolha de lei estrangeira para reger o contrato, razão pela qual não se tratará aqui do tema.

Porém, noticiou-se que o Município aceitou cláusula que elege o foro de Nova York para julgar os conflitos resultantes do contrato, daí resultando que qualquer controvérsia entre as partes será submetida a autoridades judiciárias nova-iorquinas, o que torna o Judiciário brasileiro, portanto, incompetente para apreciar tais questões.

Neste artigo, tratar-se-á da possibilidade de escolha de foro estrangeiro para solução dos litígios envolvendo contratos administrativos. O tema é bastante controverso, sobretudo em função do atual art. 55, § 2º, da Lei 8.666/93, sobre licitações e contratos administrativos, segundo o qual a cláusula que eleja o foro da sede da Administração é essencial em todo contrato firmado por esta. Assim, há na Lei uma regra imperativa que estabelece como fundamental em tais contratos a eleição de foro do lugar onde está sediada a Administração, o que naturalmente exclui a possibilidade de escolha de outro foro que não aquele indicado pela Lei. Assim, no caso concreto, o contrato deveria, por imposição legal, determinar o foro da cidade do Rio de Janeiro como o competente para apreciar as questões relativas ao mencionado negócio.

Não se diga que tal dispositivo só se aplica aos contratos de direito público, pois a Lei também é clara ao estabelecer que o art. 55, § 2º, também se aplica aos contratos de direto privado celebrados pela Administração (art. 62, § 3º, I, da Lei 8.666/93).

Ademais, há que se considerar o princípio constitucional da legalidade, que significa, em última análise, que os agentes públicos só podem agir por imposição ou autorização legal. Como não há norma legal autorizando a eleição de foro nos contratos administrativos em geral, decorre desse princípio o entendimento de que a escolha de foro estrangeiro é vedada à Administração Pública, pois sem tal autorização específica esta não se poderia submeter a tribunais estrangeiros.

Sendo assim, sob o enfoque do direito brasileiro em matéria de contratos internacionais, vislumbra-se a possibilidade de nulidade desta cláusula, o que poderá contribuir para denegrir a imagem que o Brasil possui na esfera internacional, de que firmou uma cláusula em contradição com o seu direito interno.

_____________

*Professora de Direito Internacional Privado e Processual Internacional da UERJ; Consultora da área internacional do escritório Luís Roberto Barroso & Associados.

 

 

 

 

_________

Atualizado em: 26/5/2003 07:24

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

João Ricardo Tavares

Migalheiro desde 2020

Rose José

Migalheira desde 2020

Geraldo Valentim Neto

Migalheiro desde 2004

Gabriel Nantes Gimenez

Migalheiro desde 2020

Paulo Daniel Cicolin

Migalheiro desde 2020

Felipe Fernandes Reis

Migalheiro desde 2020

Carolina Memran

Migalheira desde 2015

Domingos Alterio

Migalheiro desde 2007

Natalia Biondi Gaggini

Migalheira desde 2020

Marcos de Abreu

Migalheiro desde 2020

Flávio Cheim Jorge

Migalheiro desde 2009

Marcelo Jacinto Andreo

Migalheiro desde 2015

Publicidade