terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Do abuso da cobrança de corretagem e serviços por parte de construtoras

Rodrigo Abdalla Marcondes

A construtora/incorporadora repassa ao consumidor a responsabilidade que lhe pertence, considerando que o consumidor não é obrigado a contratar dito serviço.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Dois pontos são importantes para entender a abusividade das cobranças de corretagem e serviços por parte de construtoras que vendem unidades residenciais, ainda na planta e/ou em stands de vendas.

O primeiro deles está na aplicação do Código de Defesa do Consumidor nos contratos de promessa de compra e venda de imóvel residencial, celebrado entre a construtora/incorporadora e os promitentes compradores.

O segundo está no espírito que caracteriza a atividade profissional do corretor. Corretagem, basicamente, é o serviço prestado pelo corretor ao cliente, em casos de intermediação imobiliária, cabendo à pessoa que o contratou pagar a comissão.

É necessário que ocorra serviço de intermediação para caracterizar a atividade do corretor, e via de consequência, o direito a comissão.

Da união das duas premissas, destaco o inciso III, do artigo 6º e o inciso I, do artigo 39, ambos do Código de Defesa do Consumidor, eis o que primeiro é imperativo quanto a necessidade de informar ao consumidor e o segundo, proíbe, de forma categórica, a venda casada.

A prática recorrente de algumas construtoras fere de morte os dispositivos legais destacados, configurando abuso, eis que, transferem as despesas de corretagem ao consumidor, quando, em verdade, caberia à mesma tal ônus, considerando que o consumidor comparece diretamente no local de venda (stands), deparando-se com corretor da própria construtora (vendedora) e ou de imobiliária vinculada a mesma empresa ou por ela contratada.

A abusividade nas vendas de imóveis residenciais diretamente em stands da construtora, transborda, ainda mais, quando se nega a fornecer o produto (imóvel), a não ser que o consumidor concorde em adquirir, também, um outro produto ou serviço (serviço de corretagem), que denominado de "SATI" - Serviço de Assessoria Técnica e Jurídica, ferindo a regra do artigo 39, I, do CDC (venda casada).

Não há como negar que, ao menos ao consumidor comum, outro caminho não há para adquirir o imóvel desejado, senão por meio da imobiliária contratada pela incorporadora e que se apresenta nos stands de venda.

Em verdade, a construtora/incorporadora repassa ao consumidor a responsabilidade que lhe pertence, considerando que o consumidor não é obrigado a contratar dito serviço.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, reiteradamente, vem dando ganho de causa aos consumidores, aplicando da mesma forma como já decidido pelo STJ, o CDC, e declarando a abusividade no repasse ao consumidor do valor referente a comissão de corretagem, assim como em relação a cobrança da taxa "Sati".

_________

* Rodrigo Abdalla Marcondes é advogado do escritório Zamari e Marcondes Advogados Associados S/C.

 

 

 

__________________________________________________________________________________

Atualizado em: 27/1/2014 14:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Publicidade