quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O que é isso, companheiro?

As reportagens editadas por Gabeira constituem algo inédito no dia a dia da TV, sempre ocupada com o país macro, as grandes cidades e seus problemas, a política nacional e a economia, as massas urbanas e suas carências, as catástrofes naturais ou viárias, crimes, escândalos rocambolescos de corrupção, etc.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Na Internet está anotado a respeito do livro de Fernando Gabeira com o título acima: "Livro de 1979 em que o autor busca compreender o sentido de suas experiências na luta armada, a militância na organização clandestina, a prisão, a tortura, o exílio."

Em seguida acrescenta a nota que o livro é um "clássico do romance-depoimento", filmado por Bruno Barreto.

O autor da nota vai direto ao ponto ao salientar que Gabeira "busca compreender o sentido de suas experiências" nisso ou naquilo. Não foram palavras ocasionais. Pois a tônica da personalidade de Fernando Gabeira, o eixo de sua personalidade, está na capacidade de refletir a fundo sobre as experiências colhidas ao longo de sua vida. Índice de obstinada responsabilidade para com sua própria pessoa e para com a sociedade em que vive, traço raríssimo no desenho da personalidade nacional brasileira.

Mineiro de Juiz de Fora, Gabeira é carioca por opção. Como carioca ele é borbulhante de generosidade, adere de pronto a uma causa que lhe parece nobre e digna de ser adotada. Como mineiro, após a decisão por impulso, ele se volta para sua intimidade e se interroga, revendo aquela decisão ou confirmando-a se ela merece.

Jornalista por vocação, durante seu exílio, passando por vários países, graduou-se em antropologia na Universidade de Estocolmo, o que poucos sabem. Derrotado, sucessivamente, nas eleições para prefeito do Rio e depois para governador, querido pelo povo, perdeu por estreitíssima margem de votos, enfrentando candidatos fortemente apoiados por Lula.

Foi pena? Difícil saber. Particularmente, avalio que após a derrota para Sérgio Cabral, Gabeira, ao se dedicar de corpo e alma, na TV Globo, às reportagens sobre o Brasil profundo, renovadas a cada semana, está fazendo muito mais para nosso enriquecimento nacional, cultural, histórico e político, do que poderia fazer congelado na posição de prefeito ou governador.

As reportagens editadas por Gabeira constituem algo inédito no dia-a-dia da TV, sempre ocupada com o país macro, as grandes cidades e seus problemas, a política nacional e a economia, as massas urbanas e suas carências, as catástrofes naturais ou viárias, crimes, escândalos rocambolescos de corrupção, etc. Muito diferente é o clima das incursões de Gabeira no país que se esconde dos olhos profanos da publicidade e da curiosidade ligeira da mídia. Tais incursões Brasil adentro ganham ar de iniciação. Porque são aventuras por regiões afastadas, sem estradas nem caminhos transitáveis, rumo a populações que não constam do mapa, festivais arcaicos, personagens fantásticos, cultos desaparecidos, cidades históricas como São João Del Rey, "onde os sinos falam", a entrevista com Frei Cláudio, o presídio da Ilha Grande, a Ilha de Marajó, onde entrevista o xamã, o primeiro Mosteiro Zen da América Latina, o Morro do Bumba, onde Deus está vivo, o rio Madeira na sua cheia histórica, as consequências da seca no rio Piracicaba e muito mais.

O Brasil profundo é o país da "longa duração", conceito chave da nova historiografia francesa, representada pela famosa Escola dos Annales (Marc Bloch, Lucien Febvre, Fernand Braudel). O historiador Jacques Le Goff, acabado de falecer (abril 2014), marca seu avanço sobre o positivismo e o marxismo, enriquecendo a leitura da história com novo parâmetro, o estudo das "mentalidades", o imaginário dos homens através do tempo. Esta nova leitura da história revalorizou a compreensão da Idade Média, até agora caluniada como "idade das trevas", hoje revelada como dez séculos de luz, não um período sombrio, mas alegre, festivo e criador como poucos.

Fernando Gabeira, nas suas incursões Brasil adentro, lembra um peregrino medieval da Estrada de Santiago, descobrindo maravilhas ocultas ao trocar o tempo urbano, da urgência febril, pelo tempo esotérico da "longa duração" no qual a vida assume a forma e o ritmo sereno do eterno retorno do mesmo.

______________

* Gilberto de Mello Kujawski é procurador de Justiça aposentado, escritor e jornalista.

 

 

 

 











 

Atualizado em: 8/4/2014 13:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade