sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Um ano da morte do meu querido amigo Saulo Ramos

Ser seu Amigo foi uma das circunstâncias mais importantes e felizes de minha já longa vida. Saulo foi a mais preciosa vocação de amigo, que conheci.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

No dia 28 de abril faz um ano que Saulo Ramos nos deixou. O mesmo turbilhão de sentimentos, vividos no dia de sua morte, continua a repicar em minh'alma. Se saudade é palavra que não se define, por ser única na língua portuguesa, só sei que ela dói e dói muito.

Faz um ano que estou impossibilitado, no fim de cada tarde, de ir vê-lo e dele ouvir: "Ovídio, entre". De usufruir de sua prosa inteligente, culta, de suas gostosas tiradas de humor e como exímio malabarista a descrever gestos e pronunciar palavras sobre as coisas da vida, como se fossem temas de sua alma de poeta. De conversarmos sobre as lições do velho Ráo, como chamávamos o nosso querido professor Vicente Ráo e do orgulho santo que sentíamos, pela certeza de que em todos os nossos trabalhos jurídicos, elaborados sozinhos ou em parceria, sempre estavam presentes as lições do professor.

Como era bom e gratificante. Faz um ano que não tivemos mais a sua presença nos almoços de sábado em minha casa, cuja presença era motivo constante de alegria e, porque não dizer, de veneração por alguém que sempre foi amigo, bom e generoso, não escondendo sua satisfação de estar entre nós. Um ano se passou e nunca mais tive a oportunidade de beijar suas mãos, em agradecimento pela sua amizade, bondade e generosidade e de poder dizer-lhe, com contida emoção: Bendito e louvado seja o dia em que o conheci. De ser seu Amigo de alma e coração. Ser seu Amigo foi uma das circunstâncias mais importantes e felizes de minha já longa vida. Saulo foi a mais preciosa vocação de amigo, que conheci.

Em dia tão doído, resolvi, mais uma vez, mergulhar em sua poesia, porque sei - e sei bem - que o poeta vive em outra dimensão diferente da nossa, pois sabe ouvir e entender a alma humana, para exprimi-la em versos.

No Poema a meu Pai, exprime que tão grande amor que os unia, levava a certeza: "chegaremos um, na eternidade". Quando da morte de seu irmão Luiz Carlos - ambos formaram um dos mais encantadores amores fraternos que conheci - o sentimento profundo pela perda, levou o Poeta a expressar este verso tão carregado de emoção:

"Teve a piedosa graça da precedência
de acordo com seu antigo desejo
como sempre quis,
bebendo cachaça e rindo.

Mas eu estou condenado à sanção do amargo espanto
de viver sem você
e sobreviver
mata mais do que a morte que o levou de mim".

É encantadora a sua certeza de que "sempre fui menino, menino fui sempre" e o susto: "Havia uma criança em mim, aqui desde que nasci, uma criança, havia sim, onde foi que a perdi?".

Sempre calou fundo em mim, a frase de Borges: "Acreditar no sonho, entregar-se ao sonho, porque só o sonho existe". Em resposta, a carta que lhe escrevi, onde expressava o sentido profundo da frase de Borges, Saulo lembrou outra de Alberto Caeiro: "E posso estar na realidade onde está o que sonho". Também, cultivava "a maravilhosa importância do sonho", recordando que no seu "Recado ao Caseiro" disse: "É possível que eu seja uma fonte de verdade e de existência enquanto sonho e isto tudo seja a vida de outras vidas" - "Deve existir um universo no processo de criar pelo sonho" - "Tantas vidas dependem de mim quando sonho inclusive a vida de meus mortos, que talvez tenham morrido porque alguém parou de sonhá-los antes de mim".

Em Saulo, tudo era grandioso, Sabia ser gente em todos os momentos de sua vida. Era a sentinela pronta e vigilante para cuidar de que a vida vale a pena de ser vivida, com Amor, Bondade e Generosidade, emoldurados por sua fulgurante inteligência, inteligência esta que o Presidente Sarney disse a mim, no dia de sua morte: "No Brasil, foi uma das maiores inteligências que o século XX conheceu".

Para ele, a "morte está de olho na gente" e os poetas abandonados "fecham timidamente os braços crucificados, quando já não cantam mais".

O Poeta já não canta mais, mas a sua alma continua viva, como hino, no coração daqueles que o amaram. Se a vida humana não é eterna, o Amor seguramente é eterno.

Encontrei um verso que diz: "eu morto serei chão, serei terra em minha terra" e no poema dedicado a Brodowiski há uma estrofe que diz:

"bem fez meu pai que morreu
cedo para voltar logo
a encontrar na morte o jeito
de ter sua terra de volta".

Seu filho, também, encontrou um jeito de ter sua terra de volta.

Para mim, para Eunice, a sua querida Santinha, Márcia, Antônio, Fernando, Márcio, minha querida Ana Helena, meus queridos filhos,.minha família, e todos aqueles que o amaram em vida, você é eterno em nosso Amor.

______________

* Ovídio Rocha Barros Sandoval é advogado do escritório Rocha Barros Sandoval & Ronaldo Marzagão Sociedade de Advogados.



Atualizado em: 28/4/2014 09:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Publicidade