sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Das provas obtidas ilicitamente

Salvador Ceglia Neto

Porque a interpretação e a aplicação da lei não são feitas em conformidade ao interesse social? Diz o parágrafo único do artigo 1.º da Constituição Federal que "todo o poder emana do povo" e em seu nome deve ser exercido.

quarta-feira, 4 de junho de 2003

                  

                       Das provas obtidas ilicitamente

- Porque a interpretação e a aplicação da lei não são feitas em conformidade ao interesse social?

Salvador Ceglia Neto*

 

Diz o parágrafo único do artigo 1.º, cláusula pétrea maior, da Constituição Federal que "todo o poder emana do povo" e em seu nome deve ser exercido.

 

Isso, obviamente se aplica inclusive ao Poder Judiciário, principal destinatário das críticas destas considerações.

 

Nos dias presentes, à conta das transformações sociais que se almeja para o País, diversas instituições estão sendo postas em xeque. Os Tribunais da República e dos Estados às voltas com o controle externo da magistratura; a advocacia acusada de desejar a procrastinação interminável dos processos judiciais e de ter elementos que se constituem importantes elos do crime organizado; o Ministério Público acusado de invadir a esfera de competência da Polícia e de obter provas ilicitamente, desperdiçando o dinheiro público.

 

Situada a crise em linhas gerais e pouco precisas, nas dimensões em que interessam para a breve análise deste artigo, no qual nos deteremos na questão atinente à obtenção ilícita de provas e as conseqüências trazidas por este procedimento, na interpretação que invariavelmente vem sendo dada pelos nossos Tribunais, em nome de um suposto "devido processo legal" e a também supostos "direitos e garantias individuais", cláusulas pétreas também inseridas na Constituição da República.

 

Como este artigo é destinado majoritariamente a leigos tentaremos explicitar de forma simplificada os vícios éticos e contrários ao interesse social, que a nosso ver, embasam as referidas decisões.

 

Esclareça-se, de pronto, que cláusulas pétreas são aquelas consideradas imutáveis por meio de emendas constitucionais, só podendo sê-lo através da convocação de nova Assembléia Nacional Constituinte.

 

Saber distinguir que cláusulas são ou não pétreas é discussão interminável, importando interpretá-las harmonicamente, umas com as outras.

 

Para se avaliar a gravidade e o alcance do problema de que estamos tratando, basta lembrar que um Presidente da República e um séqüito de ministros e outros auxiliares deixaram de ser criminalmente condenados em razão das provas contra eles coligidas terem sido obtidas ilicitamente, razão pela qual o processo foi considerado nulo.

 

As justificativas para a desconsideração das referidas provas (ilícitas, porém verdadeiras, diga-se) são no sentido de "educar" os agentes públicos ou particulares que as obtiveram (muitas vezes com o patrocínio de recursos públicos) para que, nas próximas investigações, ajam dentro da lei e, de preferência, com prévia autorização judicial.

 

Ou seja, deixam-se culpados impunes, e qual a professora, na pré-escola, os Tribunais procuram ensinar, docemente, os agentes públicos a fazerem o seu dever de casa.

 

E o interesse público? Às favas, os interesses público e social, já que o devido processo legal deve ser obedecido e os agentes públicos levemente admoestados.

 

Só que o tecido social brasileiro está gravemente esgarçado; o crime organizado está fortemente infiltrado nas diversas camadas do poder e a sociedade, acuada, ainda se vê às voltas com demagógicos "movimentos antiterror", que fazem frente a não menos demagógicos movimentos que distorcem o problema e as suas soluções.

 

Isso, em última análise, propicía, se não favorece, a que agentes públicos inescrupulosos façam acordos inconfessáveis com quem deveriam investigar, fiscalizar e propiciar meios a que fossem punidos, de forma a que, fingindo investigar com vigor e rigor, cometam, voluntariamente, arbitrariedades e ilegalidades com o fim de nulificar o processo e propiciar a absolvição ou a impunidade de culpados devidamente defendidos por advogados competentes.

 

O que deveria fazer a Justiça, então?

 

Simples: aproveitar as provas verdadeiras, embora obtidas ilicitamente, para punir e condenar os culpados, e de outro lado, para desincentivar a obtenção de provas naquelas condições, processar e punir os agentes públicos ou privados que transgredirem a lei na obtenção de tais provas, inclusive fazendo-os devolver aos cofres públicos os valores que dispendessem indevidamente.

 

Agindo assim os Tribunais estariam exercendo o poder que lhes é delegado pelo POVO, em nome do interesse social, e não, muitas vezes, de supostas garantias de direitos individuais e interesses excusos e inconfessáveis, escondidos atrás de um enigmático, devido processo legal.

 

____________

 

* do escritório Ceglia Neto, Advogados

 

 

 

 

____________

Atualizado em: 4/6/2003 09:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Publicidade