quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Prejuízo não operacional somente poderá ser compensado com lucro da mesma natureza

Sob a justificativa de adequar a legislação tributária Federal aos novos critérios contábeis adotados por força das leis 11.638/07 e 11.941/09, o governo editou a MP 627/13. Mas o verdadeiro objetivo, qual seja, o de aumentar a carga tributária, tornou-se evidente nos detalhes.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Sob a justificativa de adequar a legislação tributária Federal aos novos critérios contábeis adotados por força das leis 11.638/07 e 11.941/09, o governo editou a MP 627/13. Mas o verdadeiro objetivo, qual seja, o de aumentar a carga tributária, tornou-se evidente nos detalhes.

Vejamos.

À época, chamou a atenção o art. 43 da MP, segundo o qual os prejuízos não operacionais decorrentes da alienação de bens e direitos do ativo imobilizado, investimento e intangível, ainda que reclassificados para o ativo circulante com intenção de venda, poderiam ser compensados somente com lucros de mesma natureza, limitada a 30% dos lucros.

Tudo indicava que a pretensão da MP, neste particular, era a de proibir que lucros operacionais fossem reduzidos por prejuízos não operacionais dentro do mesmo ano.

Como o texto da MP não trazia nenhuma mudança significativa na matéria (art. 31, da lei 9.249/95), a não ser a adequação dos termos contábeis, restou claro o entendimento de que a MP não poderia restringir a compensação entre lucro operacional e prejuízo não operacional ocorridos no mesmo ano, prevalecendo, assim, a orientação contida na IN SRF 11/96.

Porém, a conversão da MP na lei 12.973/14 trouxe uma desagradável surpresa aos contribuintes. Embora o texto continue substancialmente igual (agora tratado no artigo 43, da lei), há previsão expressa no sentido de que o prejuízo não operacional somente poderá ser compensado com lucro não operacional dos períodos seguintes, e observada a "trava" de 30% em tal compensação.

Em outras palavras, no "toma lá, dá cá" com o empresariado quando da tramitação da MP pelo Congresso, o governo proibiu o abatimento de lucros operacionais com prejuízos não operacionais ocorridos no mesmo período.

Importante destacar que tal vedação não se aplica às perdas geradas com a baixa de bens ou direitos por imprestabilidade ou obsolescência, ficando restrita à perda gerada com alienação.

Para os contribuintes que não quiserem se submeter a tal regra, poderão questionar judicialmente esta nova regra, tendo em vista que aumenta artificialmente as bases de cálculo do IRPJ e da CSLL. Além disso, operações realizadas com alguma dose de planejamento podem reduzir os efeitos de tal restrição.

__________________

* César Moreno é advogado do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.


Atualizado em: 30/6/2014 07:14

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Publicidade