sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Copas

Fazendo um relação com a política do pão e com circo, Edson Vidigal comenta sobre a Copa do Mundo no Brasil.

domingo, 13 de julho de 2014

Em principio, são as boas intenções que movem as ações. Interessado em levantar a autoestima dos romanos e assim cativar-lhes o apoio, Vespasiano instituiu como política pública o "Pane et Circense", uma espécie de bolsa pão e circo.

 

O Coliseu foi a grande arena a simbolizar o poderio de Roma. Depois da reforma, bancada com o dinheiro tomado dos judeus, vítimas já naquele tempo da intolerância religiosa, passou a ter lugar para quase 100 (cem) mil pessoas.

 

Por dias e noites, seguidamente, ao longo de quatro séculos o povão se divertiu com as lutas entre gladiadores, caçadas a tigres e leões capturados na África, dentre outros entretenimentos de massas.

 

Hoje há controvérsias quanto a provas conclusivas de martírios de cristãos.

 

O Papa Bento XIV foi quem consagrou o Coliseu à Paixão de Cristo e o declarou lugar sagrado. Daí ser ali uma das paradas da procissão de toda sexta feira santa.

 

Atribui-se aos gregos a invenção das olimpíadas como vacina contra a violência entre os povos.

 

Queimando mais calorias produz-se mais endorfina , aquele neurotransmissor que até vicia.

 

Hoje, a política pública do pão e circo inventada e testada pelos romanos continua. Agora não é com dinheiro roubado dos judeus nem com a mão de obra dos escravos em que eram transformados os vencidos nas guerras romanas.

 

Agora pense numa fatura de R$ 8 (oito) bilhões de reais bancada por todos nós brasileiros insatisfeitos com a saúde pública, com o ensino público, com a segurança pública, com o transporte coletivo, leia-se mobilidade urbana. Não só isso causa insatisfações - a falta de infraestrutura e de seriedade na execução do que foi planejado.

 

O País carece de estradas, de hidrovias, de ferrovias, de aeroportos pequenos e médios no interior. O modelo político vigente está vencido e o Estado não pode se alhear mais do que tem se mantido alheio às legitimas aspirações sociais.

 

Por conta de 07 (sete) estádios, que a FIFA prefere chamar de arenas, que os romanos chamavam de Coliseu, os Estados, por seus atuais governos, tiveram que se endividar com empréstimos ao BNDES num total de R$ 2, 3 bilhões.

 

Segundo a ONG Contas Abertas, só o custo com os estádios, ou arenas, equivale a dois anos de investimentos federais em saúde ou, se preferirem, à instalação de 2.263 escolas.

 

O mais grave é que ninguém consegue fechar a conta real dos gastos com a Copa. Sabe-se que no Portal da Transparência constam R$ 25,6 bilhões, excluídas as despesas com publicidade, com as estruturas temporárias, com os centros de treinamento e com os subsídios à FIFA.

 

Estima-se em R$ 10 bilhões as receitas da FIFA com a Copa no Brasil. Não obstante, coitadinha, não pagará impostos calculados em R$ 1, 1 bilhão. Nossos Deputados Federais e Senadores votaram, a toque de caixa, como se diz, essas isenções todas.

 

Quanto às vaias, dizia Carlos Imperial - "só a vaia consagra o artista. Para aplaudir ninguém precisa de coragem. Aplaude-se por qualquer coisa. A vaia, não. Depende de consciência, de certeza. Quem aplaude nem sempre sabe porque aplaude. Mas quem vaia, sim. Sabe porque vaia."

 

Guardemo-nos, irmãs e irmãos, para as urnas. Nesse campeonato é que, pelo voto, valerá a pena vaiar. E por favor, nada de xingar.

 

______________

 

*Edson Vidigal é ex-presidente do STJ e professor de Direito na UFMA.

Atualizado em: 11/7/2014 16:29

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Publicidade