quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Reorganizações societárias noBrasil requerem cuidado com o IOF

Toda e qualquer reestruturação no Brasil que envolva empresas com dívidas para com o exterior merece especial atenção, de modo a minimizar ou até mesmo eliminar eventuais impactos relativos ao IOF.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Diversamente do que ocorre em outros países, o Brasil não possui uma lei que proíba a subcapitalização1. Em outras palavras, significa dizer que a legislação societária brasileira não prevê um capital social mínimo a ser subscrito e integralizado pelos sócios, sejam brasileiros ou estrangeiros.

Em decorrência disso, ao investirem no Brasil, muitas empresas estrangeiras optaram por estrutura segundo a qual parte dos recursos é aplicada como capital, e parte como dívida. Em outras palavras, os investidores estrangeiros destinam uma fração dos recursos ao capital social da controlada/coligada brasileira, e outra como empréstimo.

A razão é simples. O empréstimo tem lá suas vantagens quando comparado ao capital social. Em termos de remuneração, o investimento feito na forma de cotas ou ações somente renderá frutos, por assim dizer, se a controlada/coligada brasileira tiver lucros. Por outro lado, em se tratando de empréstimo, os juros podem ser pagos independentemente da existência de lucro ou de prejuízo. Há também a questão da devolução dos recursos ao exterior, que é muito mais fácil quando feita por meio de empréstimo, do que no caso de cotas/ações, estas últimas ligadas a burocracias.

Apesar das vantagens acima, a dívida para com o exterior requer alguns cuidados. Isso porque, no caso de reorganizações societárias (incorporação de uma empresa por outra, na qual a incorporada seja devedora de empréstimo para com o exterior), haverá a substituição do devedor, o que implicará a incidência do IOF sobre o câmbio simbólico daí decorrente2.

Por conta disso, toda e qualquer reestruturação no Brasil que envolva empresas com dívidas para com o exterior merece especial atenção, de modo a minimizar ou até mesmo eliminar eventuais impactos relativos ao IOF.

___________

1 O que existe, no Brasil, é uma norma de cunho tributário que impôs limites à dedução dos juros pagos pela controlada/coligada brasileira à sua controladora estrangeira (lei 12.249/10).
2 Embora a incorporadora suceda a incorporada em todos os direitos e obrigações, nos termos da lei tributária e da societária.

____________

*Marcelo Gayer Diniz é advogado sênior da Divisão de Consultoria Cível do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.

Atualizado em: 27/8/2014 15:10

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Publicidade