quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Cenário promissor para a Justiça

A posse do Ministro Ricardo Lewandowski na chefia do Judiciário brasileiro prenuncia um período promissor para o sistema de Justiça.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

A posse do Ministro Ricardo Lewandowski na chefia do Judiciário brasileiro prenuncia um período promissor para o sistema de Justiça. Experiência e erudição ele possui. Advogou, integrou a Administração Pública, foi Juiz Criminal no extinto Tacrim, depois Desembargador no Tribunal de Justiça Paulista. Sempre atuou no associativismo, dirigindo entidades de classe da Magistratura, conheceu o funcionamento da Justiça em todo o mundo, pois é cosmopolita e fluente em vários idiomas. Tudo isso, a par de uma exitosa carreira no Magistério superior. Assistente do legendário Prof. Dalmo de Abreu Dallari, figura de proa na Democracia Brasileira, galgou todos os postos reservados a docente na USP e mesmo hoje não abandonou a Cátedra.

Saberá presidir o STF e, melhor ainda, fazer com que o CNJ - Conselho Nacional de Justiça, atue prioritariamente naquilo que lhe é reclamado: órgão de planejamento do Poder Judiciário. Terá ali a figura emblemática da Ministra Fátima Nancy Andrighi, primeira Corregedora Nacional de Justiça oriunda do Judiciário Estadual, aquele que carrega a imensa maioria das ações deste caótico demandismo pátrio e, paradoxalmente, subrepresentado nesse colegiado.

A esperança dos que já estavam quase descrentes é grande. E ela recebe um reforço ante a manifestação de Ministros que participaram do Encontro "Justiça & Imprensa", realizado na sede da Academia Paulista de Letras na última sexta-feira, 5 de setembro. Número considerável de magistrados e advogados ouviram a mensagem auspiciosa dos Ministros Luis Roberto Barroso e José Antonio Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal e dos Ministros Ricardo Villas Boas Cueva, Paulo Dias de Moura Ribeiro, Sebastião Alves dos Reis Júnior, Paulo de Tarso Sanseverino e Sidnei Berneti, do Superior Tribunal de Justiça.

Todos eles concordam que a Justiça precisa acordar e responder a tempo e a hora à reivindicação da sociedade. Instrumentos normativos já existem e estão disponíveis. A reforma ainda necessária é a de mentalidade. A cultura do conflito precisa ser substituída pela ideia de pacificação. O advogado como arquiteto de soluções negociadas, o juiz atento ao consequencialismo e decidindo com sensatez, ante a complexidade contemporânea.

Há muito a ser feito. O Tribunal de Justiça de São Paulo está desperto e consciente de sua responsabilidade como o maior colegiado do Planeta. E fará a sua "lição de casa" para tornar a Justiça mais eficiente. Conta com a colaboração e compreensão de todos.

_________________

*José Renato Nalini é presidente do TJ/SP.


Atualizado em: 8/9/2014 11:40

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Publicidade