segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O início do fim dos lixões?

Menos da metade dos municípios brasileiros tomaram medidas tempestivas para garantir a destinação adequada do lixo.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Terminou este ano o prazo para que os municípios brasileiros adequarem a gestão municipal do lixo às regras da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Em 2 de agosto de 2010, foi sancionada a lei 12.305, trazendo diversas obrigações para os municípios, entre elas a determinação prevista no artigo 54, qual seja, a extinção dos lixões, pela obrigação de se dar disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.

Os quatro anos se passaram rapidamente e, a partir de 3/8, as prefeituras que ainda tenham lixões poderão sofrer investigação no âmbito administrativo, com aplicação de multas de até R$ 50 milhões, além do risco de não receberem mais verbas do governo federal, conforme determina o artigo 18 da lei 12.305. Os prefeitos das cidades brasileiras, por sua vez, correm o risco de perder o mandato e serem condenados por crime ambiental, com base no que diz o inciso II do artigo 56 da lei 9.605/98, que acrescentou ao crime de poluição a conduta de manipular, acondicionar, armazenar, coletar, transportar, reutilizar, reciclar ou dar destinação final a resíduos perigosos de forma diversa da estabelecida em lei ou regulamento.

Menos da metade dos municípios brasileiros tomaram medidas tempestivas para garantir a destinação adequada do lixo e muitos municípios, principalmente no último dos 4 (quatro) anos do prazo previsto, começaram a pleitear a prorrogação do prazo estabelecido para a eliminação dos lixões. O governo Federal disse que não prorrogará os prazos previstos pela lei 12.305, o que vem gerando algum temor por parte dos prefeitos municipais, sentindo-se ameaçados pela possibilidade de serem processados por crime ambiental, ações de iniciativa exclusiva do Ministério Público. Caberá ao órgão ministerial executar o seu múnus, oferecendo denúncias por crime ambiental no momento próprio. Trabalho não falta. Por lado dos prefeitos, caberá a defesa que lhes é de direito.

Poderão ainda, Ministério Público e prefeitos, fazer uso do termo de ajustamento de conduta, prorrogando-se o prazo para o cumprimento das obrigações, como já lançado nos órgãos de imprensa. Recomenda-se, tanto na defesa nas ações penais, quanto na assinatura dos TACs que os Prefeitos estejam bem assessorados por advogados especializados em Direito Ambiental.

O que não se pode admitir é a utilização dos argumentos já conhecidos, tais como a falta de recursos, a falta de capacidade técnica, para o descumprimento de quaisquer leis, praxe no Brasil, principalmente porque o prazo estabelecido no artigo 54 da lei 12.305 já venceu. Além do mais, Houve tempo suficiente para que os lixões fossem eliminados ou ao menos, tivesse sido iniciada a eliminação, o que a maioria dos Prefeitos sequer o fez. Feito isso, aí sim terá sido o passo inicial para a destinação final ambientalmente adequada, conforme determina o artigo 3º da lei 12.305, de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos.

A novidade, triste novidade para o meio ambiente, foi a votação da Câmara dos Deputados, que aprovou no dia 14/10 a ampliação em quatro anos do prazo para que as prefeituras acabem com os lixões. Ressalte-se que O PV, o PSOL, o PP e o Pros foram os únicos partidos que discordaram da ampliação do prazo que terminou em agosto. O novo prazo está no texto da Medida Provisória 651, que trata de medidas de incentivo à economia, entre as quais a que desonera a folha de pagamento de vários setores. gora a MP seguirá para votação no Senado, onde terá de ser aprovada até 6 de novembro deste ano. Aprovado no Senado, o texto será enviado para sanção presidencial. A presidente poderá, sancionar o texto ou vetar pontos específicos, como o da ampliação do prazo para o fim dos lixões. Mas os senadores também poderão modificar o texto - o que obrigaria que voltasse para nova deliberação pela Câmara.

__________

*Leandro Eustaquio é coordenador do departamento de Direito Ambiental do escritório Décio Freire e Associados. Professor e mestre em Direito Público.





Atualizado em: 23/10/2014 14:41

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Publicidade