quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O empresário rural e o Código de Defesa do Consumidor

Os empresários rurais não são os destinatários finais dos produtos adquiridos para implemento de sua lavoura e rebanho e, por isso, não podem ser beneficiados pelas disposições do CDC. Afinal, para eles não existe hipossuficiência técnica e nem financeira.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O agronegócio é uma das atividades econômicas mais importantes do país e atualmente é responsável por cerca de 20% do PIB, de acordo com o ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Definido como um conjunto de atividades associadas que garantem a produção, transformação, distribuição e consumo de produtos originários da agropecuária, é um setor da economia que movimenta no Brasil mais de R$ 900 bilhões em riquezas, grande parte em razão da atividade de grandes produtores rurais, verdadeiros empresários do campo.

Diferentemente dos pequenos produtores rurais, que geralmente cultivam a terra para sua subsistência, o empresário rural explora sua propriedade de forma organizada e em busca do lucro, adquirindo grandes quantidades de insumos agrícolas (defensivos, sementes, etc.) e aplicando as mais modernas tecnologias para cultivo do solo e criação de animais.

Por exemplo, é cada vez mais comum a aquisição de máquinas agrícolas dotadas de sistema localização georreferencial (GPS) e piloto automático, que permitem o mapeamento do solo e a inspeção da colheita de maneira rápida e eficaz, com mais produtividade.

Enfim, além da capacidade financeira para suportar as elevadas despesas do negócio, o empresário rural também se vale da assessoria de técnicos agrícolas, agrônomos e administradores especializados para gerir seu negócio.

E tais empresários do agronegócio, diante de sua musculatura financeira e do seu conhecimento técnico do ramo que explora, não têm direito às regras protetivas do CDC, especialmente aquelas que reconhecem a hipossuficiência e a facilitação de sua defesa em ações judiciais, como geralmente ocorre com o pequeno produtor.

Isso porque o destino dado às sementes, defensivos e maquinários agrícolas adquiridos pelo pequeno produtor rural não é o mesmo atribuído pelo grande produtor.

De fato, o fungicida ou o carrapaticida, por exemplo, comprados pelo pequeno agricultor, serão aplicados em sua plantação ou rebanho, que posteriormente serão consumidos por ele e sua família. A situação é muito próxima da agricultura de subsistência.

Por outro lado, o grande produtor rural conta em sua grande maioria com uma equipe técnica dedicada ao acompanhamento de sua lavoura ou rebanho, e os insumos são destinados ao aumento da produção e a obtenção de maior lucro.

Não há, pois, como se admitir que o grande produtor rural possa ser enquadrado na condição de hipossuficiente prevista no CDC, seja sob o aspecto econômico, da técnica, ou mesmo jurídico, haja vista que desenvolve atividade de risco, típica de empresário, e por isso não poderia se considerar hipossuficiente quando sofre algum prejuízo que seria decorrente dos insumos utilizados em seu negócio.

O Poder Judiciário por muito tempo adotou entendimento de que produtor rural, seja o agricultor de subsistência, seja o empresário rural, deveria receber tratamento especial previsto na legislação consumerista, face à hipossuficiência de ambos frente aos fornecedores e fabricantes dos produtos agrícolas. Esse posicionamento era mais comum em tribunais onde o agronegócio representa parcela importante na economia local, como o Estado do Mato Grosso (grande produtor de soja), por exemplo.

Entretanto, os juízes têm modificado seu posicionamento e o STJ recentemente firmou o entendimento de que o produtor rural de grande porte não se enquadra na condição de consumidor, justamente por não ser o destinatário final dos produtos (AgRg no REsp 1381181/MT, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 03/06/2014, DJe 09/06/2014).

O fato é que os empresários rurais não são os destinatários finais dos produtos adquiridos para implemento de sua lavoura e rebanho, e por isso não podem ser beneficiados pelas disposições do CDC. Afinal, para eles não existe hipossuficiência técnica e nem financeira.

Não há dúvidas que o homem do campo merece proteção do Direito, sobretudo em relação ao uso da propriedade rural e os recursos nela empregados para torná-la produtiva e alcançar sua função social.

É preciso, porém, que o grande produtor rural compreenda a natureza empresarial da atividade que desenvolve em sua propriedade e, como não é o destinatário final dos insumos e tecnologias utilizados para a produção e circulação de riquezas, não pode ser classificado como hipossuficiente e merecedor das proteções previstas no CDC, como, por exemplo, a inversão do ônus da prova.

_______________________

*Rodrigo Afonso Machado é advogado do escritório Rocha e Barcellos Advogados.


Atualizado em: 24/10/2014 11:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade