quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A nova lei sobre arbitragem

Novo PL encontra-se agora em discussão no Congresso, suscitando pontos controversos entre juristas e advogados.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

O art. 1º da lei 9.307, que instituiu a arbitragem no Brasil, dispôs que "as pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis". O art. 4º da lei, por sua vez, define a arbitragem: "a clausula compromissória é a convenção através da qual as partes em um contrato comprometem-se a submeter à arbitragem os litígios que possam vir a surgir, relativamente a tal contrato".

Aos poucos, então, o instituto foi se consolidando entre nós, tendo surgido várias câmaras arbitrais no país, ligadas a entidades, bem como muitos contratos passaram a inserir em seu texto clausulas arbitrais para resolver conflitos.

Decorridos quase 20 anos da promulgação da lei, um projeto de lei novo encontra-se agora em discussão no congresso, suscitando em alguns pontos controversos entre juristas e advogados. Vamos mencionar o que consideramos os três aspectos mais controversos do projeto.

Aplicação no âmbito da administração pública

O artigo 1º do projeto admite aplicação no âmbito da administração pública direta e indireta para dirimir conflitos relativos a direito patrimonial disponíveis, desde que prevista a cláusulas no edital ou nos contratos da administração nos termos do regulamento.

Aplicação na área trabalhista

O artigo 4º trata da arbitragem sobre relação de emprego, com a concordância do empregado. A cláusula, entretanto, limita a aplicação ao empregado que ocupa ou venha a ocupar cargo ou função administrativa e terá eficácia se o empregado tomar a iniciativa de instituir a arbitragem ou se concordar expressamente com ela.

Poder Judiciário

O terceiro ponto, talvez o mais controvertido, trata da possibilidade prevista no § 4º do art. 33 do projeto, de que a parte interessada poderá ingressar em juízo também para requerer prolação de sentença arbitral complementar, caso o árbitro não decida todas as questões submetidas à arbitragem.

Modesto Carvalhosa se insurge contra esse dispositivo afirmando:

"Tal interpretação leva a uma situação absurda. As partes que escolherem a arbitragem pretendem justamente substituir a jurisdição estatal pela privada, e não que a matéria de mérito seja na sequência, julgada pelo poder judiciário."


E complementa afirmando que a lei atual já contém previsão para que o próprio tribunal arbitral complemente a sentença no § 2º do art. 32 que transcrevemos em seguida:

Art. 33

§ 2º - A sentença que julgar procedente o pedido de nulidade da sentença arbitral nos casos do art. 32 determinará, se for o caso, que o arbitro profira nova sentença.


A nulidade da sentença mencionada no art. 32 da atual lei dar-se-á, porém, apenas quando for nulo o compromisso; emanar de quem não podia ser árbitro; for prolatada fora dos limites da convenção de arbitragem; proferida por concussão ou corrupção passiva, etc.
__________________

*Leslie Amendolara é advogado, árbitro da Câmara de Arbitragem de São Paulo e sócio do Forum Cebefi.

Atualizado em: 3/11/2014 14:29

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Leonardo Quintiliano

Leonardo Quintiliano

Informativo Migalheiro desde 2019
Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Informativo Migalheira desde 2014
Cleanto Farina Weidlich

Cleanto Farina Weidlich

Informativo Migalheiro desde 2007
Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Informativo Migalheiro desde 2004
Giselle Farinhas

Giselle Farinhas

Informativo Migalheira desde 2017
Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Informativo Migalheiro desde 2005
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Informativo Migalheiro desde 2019
Fabricio Soler

Fabricio Soler

Informativo Migalheiro desde 2018
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Informativo Migalheiro desde 2019
Daniele Sampaio

Daniele Sampaio

Informativo Migalheira desde 2020

Publicidade