sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Receitas da União

O Governo vem apontando a falta de recursos para pagar os proventos dos que já se aposentaram e dos que estão para se aposentar, como motivo para realizar a reforma previdenciária. Além disso, estão sendo constantemente criadas e majoradas contribuições sociais gerais e contribuição de intervenção no domínio econômico.

segunda-feira, 23 de junho de 2003

 

Receitas da União

Raquel Cavalcanti Ramos Machado*

O Governo vem apontando a falta de recursos para pagar os proventos dos que já se aposentaram e dos que estão para se aposentar, como motivo para realizar a reforma previdenciária. Além disso, estão sendo constantemente criadas e majoradas contribuições sociais gerais e contribuição de intervenção no domínio econômico (CIDE) ao fundamento de que o Governo precisa de verba para realizar algumas atividades e obras de interesse público, tais como a construção de estradas (CIDE dos combustíveis).

Esses fundamentos, normalmente, já são difíceis de aceitar, em face de dados que vêm sendo divulgados na imprensa sobre a sustentabilidade da previdência - nos moldes em que prevista na Constituição -, e em face da certeza que se tem de que a falta de verbas para a realização de obras sociais deve-se mais a questões administrativas do que financeiras. Todavia, o Governo está com intenção de praticar um ato que deixa fora de qualquer dúvida a falácia de seus argumentos, trata-se da tentativa de aumentar o percentual da DRU -Desvinculação das Receitas da União - dos atuais 20% para 30% ou 35% (fonte: jornal Folha de São Paulo, de 10/06/03, seção Folha Brasil, Tributária, e informativo eletrônico Migalhas n.º 695- www.migalhas.com.br). Com isso, o Governo pretende ter liberdade para reduzir gastos na área social - notadamente no setor previdenciário - e aumentar o superávit primário (pagamento de juros).

Se o Governo não tem verbas para fazer funcionar a previdência e realizar as obras e serviços sociais previstos na Constituição, tanto que pretende realizar a reforma da previdência, e está constantemente criando e aumentando 'contribuições', como pode deixar de destinar verbas para esses mesmos fins (já carentes de recursos) para aumentar o superávit primário? A resposta é simples, apesar de inaceitável: para o atual Governo, assim como foi para o anterior, a questão puramente econômica é mais importante que a questão social.

Por outro lado, essa atitude do Governo revela ainda outro dado que deve ser analisado, qual seja, a maneira como a Constituição vem sendo constantemente modificada, em seus menores detalhes, por motivos meramente conjunturais.

O Editorial do Diário do Nordeste de 10.06.2003, oportunamente, trata da necessidade de se reavaliar a Constituição e suas alterações, no momento em que esta completa 15 anos de existência. E fazendo essa reavaliação, constata-se exatamente que, com exceção da emenda constitucional que limitou o poder do chefe do executivo para editar medidas provisórias, em regra, essas emendas foram feitas com a finalidade de dar mais liberdade ao Poder Executivo frente à própria Constituição, sendo importante ressaltar que algumas dessas emendas são de duvidosa validade, na medida em que podem ter sido aprovadas em violação a cláusulas pétreas.

No caso da emenda que majorará ainda mais o percentual da Desvinculação da Receita da União para o aumento do superávit primário, não se pode dizer que seja essa uma vontade da sociedade, mas sim uma vontade do Poder Executivo, que, então, agirá ilegitimamente. E, assim, percebe-se que as alterações na Constituição não estão sendo efetuadas propriamente como tentativa de limitar o Poder do Estado, mas sim, devem-se ao fato de que os governantes, mesmo aqueles eleitos de maneira induvidosamente democrática, têm por tendência a concentração de poder. Não fosse a Constituição, e a rigidez exigida para sua mudança, certamente, os gastos com as receitas da União há muito teriam sido desvinculados de vários dos fins sociais a que o Estado está obrigado a realizar, e mais grave seria a situação daqueles que precisam ser assistidos.

______________

*Advogada e membro do Instituto Cearense de Estudos Tributários.

Atualizado em: 23/6/2003 08:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Publicidade