quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Brasileiros que contratam timeshare em viagens são surpreendidos

Fábio C. Azevedo

Quando o brasileiro compra um timeshare, ele passa a ser um sócio da propriedade. Obviamente, isso engloba diversas questões que vão além de uma simples hospedagem.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Apesar de amar o seu país, por natureza o brasileiro gosta de viajar ao exterior. A cada ano cresce o número de canarinhos espalhados pelo mundo, principalmente como turistas nos Estados Unidos.

Enquanto os brasileiros aproveitam as férias, as agências de turismo e hotéis também aproveitam a oportunidade para vender "uma promoção irresistível". Esse método de negócios se chama timeshare e não para de atrair os brasileiros.

O timeshare é um pacote turístico global por meio do qual o comprador pode se hospedar, por um certo período de tempo, em qualquer hotel da rede, além de gozar de outros benefícios.

Entretanto, essa prática pode não ser o sonho tão esperado. Na verdade, muitos brasileiros vivem um pesadelo quando o assunto é timeshare.

Acontece que quando o brasileiro compra um timeshare, ele passa a ser um sócio da propriedade. Obviamente, isso engloba diversas questões que vão além de uma simples hospedagem.

Mas não é só isso. Os brasileiros que têm poder de compra, movidos pela euforia e ansiedade de viajar, fecham o contrato sem pestanejar, o que logo depois vira motivo de frustração e arrependimento. Normalmente, já será tarde demais.

Segundo o advogado americano Greg Barnett, "Revogar um contrato nos Estados Unidos é difícil, pois normalmente não existe um direito automático de cancelamento. Por isso, é extremamente importante ler e saber o que será acordado antes de fechar um contrato." Barnett é autor do blog Lei do Gringo e escreve bastante sobre o assunto de timeshares na Flórida.

Não obstante, na Flórida, estado para onde a maioria dos brasileiros vão todos os anos devido ao parque temático da Disney, existe uma lei estadual para a compra de timeshare que exige um período de cancelamento de até dez dias.

O problema é que, muitas vezes, o tempo é insuficiente para uma família que faz uma viagem internacional. Sempre ocorre a mesma coisa: os dez dias passam e só depois de voltar ao Brasil a família se dá conta de que já não é mais possível cancelar o contrato.

Para evitar problemas jurídicos, é importante sempre revisar os termos de um contrato. O conselho é ainda mais relevante caso o contrato não seja na sua língua materna. E é claro: é sempre melhor se precaver do que ter dores de cabeça futuramente. Não perca o seu tempo com essas questões burocráticas que podem arruinar o seu passeio.

_____

*Fábio C. Azevedo é advogado do escritório Angélico Advogados.


Atualizado em: 7/7/2015 12:39

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Publicidade