sexta-feira, 30 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Efeitos do parcelamento e do pagamento integral da dívida nos crimes tributários

O legislador editou leis com o propósito de beneficiar o agente que sonegou tributo, como a possibilidade de parcelamento de dívida.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Ao se falar sobre crimes contra a ordem tributária, é preciso pensar, de logo, acerca dos possíveis "benefícios" legais oferecidos para aquelas pessoas jurídicas (e físicas) que praticaram delito dessa natureza. Aqui, far-se-á destaque aos dois mais importantes institutos "despenalizadores" (que excluem o sujeito de pena) - 1. O parcelamento da dívida e 2. O pagamento integral dos débitos tributários -, analisando, sobretudo, os efeitos deles decorrentes.

É certo que o objetivo maior do Estado no âmbito do Direito Penal Tributário não é - principalmente - a punição penal do agente, mas sim receber o valor do tributo tido por sonegado, mantendo o padrão satisfatório da arrecadação.

Foi partindo dessa premissa que o legislador editou leis com o propósito de beneficiar o agente que sonegou tributo, contribuição social ou qualquer acessório. O primeiro privilégio é a possibilidade de o agente parcelar sua dívida com a Receita Federal ou outra autoridade fazendária, havendo, como consequência, a suspensão da pretensão que o Estado possui de puni-lo. Ao Estado, nesse caso, só resta aguardar o cumprimento total da obrigação. Por outro lado, em ocorrendo o descumprimento do parcelamento, a pretensão do Estado volta a existir, cabendo a instauração de uma ação penal.

Deve-se destacar, no que tange ao parcelamento da dívida fiscal, que, com o advento da mais recente legislação sobre o tema (lei 12.382/11), a prática de qualquer dos crimes contra a ordem tributária (artigos 1º e 2º da lei 8.137/90 e artigos 168 - A e 337 - A, ambos do CP) após março de 2011, somente poderá dar ensejo ao benefício do parcelamento da dívida tributária, se o acordo do parcelamento for realizado antes do ato de recebimento da denúncia criminal.

Com relação ao pagamento integral da dívida, havendo sua quitação decorrente do parcelamento, garantida estará a segunda regalia dada ao agente, qual seja a extinção da sua punibilidade, é dizer: impossibilidade de o Estado punir o autor do crime. Perceba-se que a mais nova legislação trouxe o benefício de se ter a extinção da punibilidade em virtude do pagamento da última parcela da dívida, isto é, aquele que celebrar acordo de parcelamento dos débitos tributários e o cumprir de forma integral, terá encerrada a possibilidade de ser punido pelo Estado.

Contudo, é de suma e indispensável importância esclarecer que o entendimento da jurisprudência majoritária, inclusive do STF, é de que se ocorrer o pagamento integral (de uma só vez, independente do parcelamento), extinta estará a punibilidade. Ora, se o agente pode, a qualquer tempo, parcelar o débito, suspendendo a punibilidade que, ao cabo do parcelamento, será extinta, com maior razão a mesma extinção deve atingir aquele que opta por, num só ato, pagar integralmente o débito, seja esse pagamento antes ou depois do ato de recebimento da denúncia.

____________________

*José Luiz Galvão é advogada do escritório da Fonte, Advogados. Especialista em Direito Penal da Economia e da Empresa.

*Maria Manuela Galvão é advogada do escritório da Fonte, Advogados. Especialista em Direito Penal da Economia e da Empresa.


Atualizado em: 13/7/2015 17:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Publicidade