quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Manutenção de capitais brasileiros no exterior - CBE

É preciso atentar para o fato de que não é proibida a saída de capitais brasileiros para o exterior nem a manutenção de poupança de brasileiros fora do País.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

A fim de ter pleno conhecimento do passivo externo líquido do País, de manter uma boa formação da política cambial brasileira e de garantir a ordem do Sistema Financeiro Nacional, a legislação brasileira, por diversos meios, regulamenta de forma minuciosa as práticas que envolvam a saída de capitais brasileiros para o exterior.

Todos os anos, o CMN - Conselho Monetário Nacional - baixa uma resolução e o Banco Central do Brasil, por delegação, através de Circulares, fixa as normas necessárias. É obrigatória, atualmente, a declaração anual de CBE - Capitais Brasileiros no Exterior pelos residentes no Brasil que detenham, anualmente, ativos no exterior em montante igual ou superior ao equivalente a US$ 100 mil (cem mil dólares dos EUA).

Deve-se observar que são considerados capitais brasileiros no exterior os valores de qualquer natureza, os ativos em moeda e os bens e direitos detidos fora do território nacional por pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no País (Brasil), assim conceituadas na legislação tributária.

A lei de Crimes Financeiros (lei 7.492/86) define os crimes contra o Sistema Financeiro Nacional e, em seu art. 22, parágrafo único, segunda parte, tipifica como conduta criminosa a manutenção de depósitos em conta no exterior, sem sua declaração à autoridade federal competente, qual seja o BC.

Portanto, a conduta considerada criminosa não é a simples manutenção de depósito no exterior, mas, sim, a falta de informação, a omissão, a não declaração. Verificar-se-á se o saldo mantido no exterior, no último dia do ano, alcança o limite estipulado pelo BC como de caráter obrigatório pra declaração e se esta declaração foi ou não realizada. Para a prática do referido delito, tem-se que a pena fixada varia de 2 (dois) a 6 (seis) anos de reclusão, além de multa.

Nada obstante esteja prevista uma multa de natureza penal na referida infração, também há previsão de penalidades (multas) administrativas, cuja regulamentação do seu quantum é feita pelo Banco Central do Brasil.

É preciso atentar para o fato de que não é proibida a saída de capitais brasileiros para o exterior nem a manutenção de poupança de brasileiros fora do País. Em economias abertas, como o é no Brasil, muito pelo contrário, é de suma e indispensável importância existir entrada e saída livre de capital. Logo, desde que adequadamente declarados, a manutenção dos depósitos no Estrangeiro é uma conduta lícita.

Vale ressaltar que, desde 2011, sem prejuízo do que dito supra, é obrigatória a apresentação da declaração ao BACEN trimestralmente (31 de março, 30 de junho e 30 de setembro), quando os bens e valores do declarante no exterior totalizarem, nessas datas, quantia igual ou superior a US$ 100 mi (cem milhões de dólares dos EUA).

Importante destacar, ainda, situação em que os bens e valores sejam mantidos em conta conjunta de depósitos, pertencendo, em condomínio, a duas ou mais pessoas físicas ou jurídicas. Em assim ocorrendo, os limites do quantum que exista no exterior devem ser analisados levando em consideração o valor integral/total, independentemente da quantidade de titulares da conta. Cada um deles é responsável pela declaração referente ao valor total.

Dessa forma, é extremamente recomendável que toda pessoa física ou jurídica, residente, domiciliada ou com sede no país, detentora de bens e valores fora dele, acima de US$ 100 mil(cem mil dólares dos EUA), efetue a Declaração na forma, limites e condições estipuladas pelo BACEN (eletronicamente), sob pena de aplicação das sanções administrativas e criminais cabíveis. Frise-se: o valor buscado pra fins de ser obrigatória a declaração é o somatório de todos os valores e bens percebidos e mantidos no exterior durante todo o ano-base (até 31 de dezembro de 2014).

____________

*Maria Manuela Galvão e José Luiz Galvão são advogados do escritório da Fonte, Advogados.

Atualizado em: 16/7/2015 16:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Publicidade