sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

"Pindura" seguido de arrependimento eficaz

Uma emocionante história do 11 de Agosto.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Corria o ano de 1961. Estava no quinto ano da Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie e já ensaiava os primeiros passos na advocacia com banca própria e o auxílio de um bondoso advogado que assinava as petições iniciais para mim.

No dia 11 de agosto fui normalmente à Escola para saber das coisas, já que era o orador oficial do Centro Acadêmico João Mendes Jr. Tão logo adentrei o pátio da Faculdade, duas moças e um rapaz do primeiro ano acercaram-se de mim, falando aos pedaços e com muita ansiedade: -- Nós estamos planejando dar um "pendura" e escolhemos você, que é o nosso orador oficial, para fazer o discurso de agradecimento ao final do almoço.

Repliquei que não era adepto de "penduras" e que essa era uma tradição dos estudantes do Largo São Francisco; e, de minha parte, sempre lutara para construir, por conta própria, a história da nossa jovem Faculdade. Dei-lhes, em tom de brincadeira, uma ideia: -- Por que vocês, no final do almoço, não cantam aquela musiquinha que a moçada das arcadas cantava antigamente nos seus "pinduras", quando não tinham um orador vibrante, convincente e bonito como eu? É assim: -- "Garçom tira a conta da mesa e bota um sorriso no rosto, seria muita avareza cobrar do 11 de Agosto." O finalzinho - "cobrar do 11 de Agosto" -- vocês mudam para "cobrar em 11 de agosto".

Os três não se deram por vencidos, mesmo porque a intenção era formar dois casais, e eu, além de fazer o discurso, deveria aparentar ser namorado de uma das calouras. Afinal acabei cedendo. Estava terminando meu curso de Direito e nunca havia dado um "pendura"; que raio de acadêmico eu tinha sido; sempre metido com política, querendo reformar o mundo.

O trio já havia escolhido um restaurante na Avenida São João e lá fomos nós com a maior cara de pau. Sentamo-nos e comemos uma deliciosa bacalhoada regada a cerveja. Claro que, como mandava o figurino, "livramos a cara do garçom", abrindo o jogo e dando-lhe polpudo "cala a boca".

Após o tradicional cafezinho, era hora de eu entrar em cena. Levantei-me desempenado, e sabendo de antemão pelo garçom que o dono da casa chamava-se Júlio e era português, produzi uma bela salada oratória em que misturava as façanhas de Júlio César com as grandes aventuras marítimas lusitanas, D. Pedro I e a fundação dos cursos jurídicos no Brasil.

O "Seu Júlio", quando eu estava no ápice do discurso, se aproximou e mostrava-se emocionado. Só não gostou quando eu falei em "cortesia da casa em homenagem ao dia 11 de Agosto". O homem virou fera e gritou: -- Ninguém sai daqui, seus marotos; garçons, fechem as portas; pessoal da cozinha, venha ajudar. Imediatamente, formou-se um paredão humano à nossa frente. O "nosso garçom", meio sem graça, ficou entre eles, bem quietinho.

O português não se conformava e com ira redobrada deu ordem para chamar a polícia. Em menos de uma hora estávamos nós quatro no 10 Distrito Policial, na sala do Delegado de plantão. Por sorte era o Dr. Melinho, que eu já conhecia das minhas andanças pelas delegacias de polícia da Capital. Seu Júlio estava possesso. Aí, foi a vez dele discursar; falou quase chorando, mas alto e firme: -- Seu Doutor, eu acordo todos os dias às três horas da manhã e vou para o mercadão fazer as compras. Compro tudo do bom e do melhor; tudo fresquinho. Esse bacalhau, que esses marotos comeram sem pagar, é da Noruega. Isso não está certo. Esses malandros têm que ficar presos, Seu Doutor.

O Dr. Melinho, após piscar um olho para mim, falou grosso: -- Pode ficar tranquilo, Seu Júlio, esses marotos vão descer já para o xadrez. Pode ir cuidar dos seus negócios que daqui eles não saem tão cedo. -- Pois, pois, Seu Doutor, assentiu o português e arrematou: -- é assim que se faz. Em seguida, tirou um lenço do bolso e enxugou uma lágrima furtiva.

Depois do Seu Júlio sair, o Dr. Melinho, que era um emotivo, comentou: -- Sinceramente, fiquei com pena do português. Dei muito "pindura" na época de estudante; uma vez até fui em cana, de araque é claro, mas ver alguém chorar por isso me deixou triste; estragou o meu plantão... Bem, mas vamos ao que interessa: daqui a uma hora vocês vão saindo um por um; sabe-se lá se o português tá na espreita? E assim foi feito. Cada qual saiu separadamente. Estava pessoalmente aborrecido, muito aborrecido. Fui o último a sair. Alonguei uma conversinha com o Dr. Melinho: -- Pois é, Dr. Melinho, essa brincadeira estragou o seu plantão e amargurou a minha noite.

O delegado tirou o paletó, relaxou o corpo na cadeira, e perguntou sério, cravando os olhos em mim: -- Você já não é formado, já não é advogado? -- Não, Dr. Melinho, respondi, sou Solicitador Acadêmico (atual Estagiário); termino a Faculdade este ano, mas já montei meu escritorinho numa pequena sala na Rua Anita Garibaldi. -- Muito bom, concordou meu interlocutor. É assim que se faz. Eu jurava que você era advogado. Você engana bem.

Sorri meio sem graça, dei-lhe um forte abraço de agradecimento e fui tentar dormir com aquela lágrima do Seu Júlio perfurando minha consciência. Sentia-me, realmente, um "maroto". Consultei o dicionário em busca de um sinônimo mais ameno, mas o mínimo que encontrei foi "malandro".

Só consegui dormir quando decidi ir pagar a despesa no dia seguinte. Foi o que fiz. Pela hora do almoço apareci no restaurante do Seu Júlio. Ao defrontar-me com ele, o português foi logo dizendo, com a cara amarrada: -- Pois, pois, que vem cá fazer esse maroto? -- Vim pagar a conta de ontem, Seu Júlio, retruquei. Estou arrependido. Isto em Direito Penal chama-se "arrependimento eficaz": o crime deixa de existir se o arrependimento for eficaz. - Olha cá, Seu moço, o seu gesto é muito bonito, espantou minha raiva; o senhor não me deve nada; venha cá no sábado comer uma feijoada comigo, é tudo fresquinho, comprado no mercadão. O senhor é meu convidado.

No sábado realmente fui. Comi uma saborosa feijoada. E uma surpresa: Seu Júlio providenciara dois charutos baianos Suerdieck. E durante todo o almoço, apesar dos meus protestos, só me chamou de "Seu Doutor".

Agora, no outono da vida, quando chega o dia 11 de Agosto, homenageio, com a força da lembrança, mais o Seu Júlio do que D. Pedro I - o fundador dos cursos jurídicos no Brasil.

_________

*Tales Castelo Branco é advogado criminalista da banca Castelo Branco Advogados Associados.

Atualizado em: 7/8/2015 15:53

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Publicidade