sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Honorários são prerrogativas profissionais dos advogados

Ricardo Sayeg

A primeira prerrogativa profissional para o advogado bem exercer sua profissão é a liberdade, mas não existe autonomia sem sustentação material, fixada contratualmente, com total independência, pelas partes.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Os advogados exercem função pública das mais relevantes, sendo essenciais à administração da Justiça e à sustentação do Estado Democrático de Direito. A primeira prerrogativa profissional para o advogado bem exercer sua profissão é a liberdade, mas não existe autonomia sem sustentação material, fixada contratualmente, com total independência, pelas partes.

Quando o advogado patrocina uma causa para um segmento mais vulnerável, ele investe na causa, financia a cidadania, porque o processo vai se arrastar ao longo de anos. Nesse caso, precisa tocar a causa às suas custas e rezar para que a outra parte permaneça solvente e seu cliente possa receber seu direito e ele a justa remuneração.

A questão dos honorários avançou no novo CPC, uma vez que foi positivada como sendo direito do advogado, tendo reconhecido seu caráter alimentar. Também acabou com a fixação de valores irrisórios nas causas contra a Fazenda Pública e reconheceu que a verba sucumbencial é do advogado e não do patrono da parte vencedora, além do direito de o advogado público receber os honorários.

No entanto, temos de estar vigilantes para que nossas conquistas não sejam mitigadas pela jurisprudência. O processo só existe porque existe advogado e no exercício profissional da advocacia é necessário haver base de sustentação material. Honorário não é presente, dádiva, mas justa remuneração de honra pelo serviço prestado.

Quando, por exemplo, não forem reconhecidas as verbas sucumbenciais, existe uma violação de prerrogativa profissional e tem de ser concedido o desagravo ao advogado violado; sendo que a autoridade judicial que não reconheceu os honorários merece tomar na pessoa física ação civil pública por dano moral coletivo por parte da OAB, que tem se omitido sobre essa questão.

O novo CPC também trouxe recuos, ao estabelecer critérios para honorários advocatícios, quando for parte a Fazenda Pública, o que considero inconstitucional. A taxa de congestionamento do Judiciário na primeira instância, segundo o CNJ, chega 86% e, em grande parte, é determinada pelo volume de ações do maior litigante brasileiro - o Poder Público, sempre protegido, resultando em um tratamento desigual frente ao cidadão, o que é inaceitável.

Os advogados são verdadeiros soldados da cidadania, que lutam pelo direito do próximo, da parte, do cidadão que é sujeito de direitos. Nossa profissão é constituída por profissionais éticos e honestos, que recebem remuneração lícita, contratual, legal. Nesse ministério privado da Advocacia, o advogado precisa receber seus honorários. Quem não precisa receber justa remuneração é porque tem outros meios de subsistência que, certamente, não são legais.

____________________

*Ricardo Sayeg é advogado do escritório Hasson Sayeg e Novaes Advogados. Professor livre-docente da PUC/SP e procurador geral do Movimento #terepresento.


Atualizado em: 11/8/2015 09:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Rafael Mafei Rabelo

Migalheiro desde 2009

Fernanda Neves Piva

Migalheira desde 2020

Ivan Mauro Calvo

Migalheiro desde 2020

Augusto Neves Dal Pozzo

Migalheiro desde 2012

Renan Apolônio

Migalheiro desde 2019

Ticiano Figueiredo

Migalheiro desde 2013

Miguel Delgado Gutierrez

Migalheiro desde 2019

Ronald Sharp Jr.

Migalheiro desde 2003

Ariane Gomes dos Santos

Migalheira desde 2019

Adeildo Nunes

Migalheiro desde 2003

Valdirene Lopes

Migalheira desde 2013

Publicidade