sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

CVM regulamenta divulgação de informações nas operações de fusão, cisão e incorporação

Com a mudança, caberá às companhias abertas maior cuidado na elaboração de Fato Relevante, pois as informações deverão ser divulgadas com antecedência.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) editou a instrução 565/15, que traz novas regras a serem observadas nas operações de fusão, cisão e incorporação que envolverem companhia aberta. Até então, a matéria era regulada pela instrução 319/99.

Segundo o próprio órgão, o objetivo é conferir maior transparência a tais operações societárias.

Uma das principais mudanças diz respeito ao rol de empresas que deverão observar a norma. Na regra antiga (instrução 319/99), toda e qualquer companhia aberta ficava sujeita à divulgação das informações gerais da operação. Na atual, não precisarão fazê-lo as sociedades beneficiárias de recursos oriundos de incentivos fiscais, bem como as detentoras de registro de companhia aberta na categoria B, ou seja, que não têm autorização para negociar ações e certificados de depósito de ações, nem valores mobiliários que confiram o direito de adquirir ações por conversão ou o exercício de outro direito.

Outro ponto diz respeito ao momento da divulgação das informações. Na regra anterior, a companhia deveria fazê-lo em até 15 dias antes da operação, ao passo que agora será obrigada a apresentar Fato Relevante. A nova instrução não muda o conceito de Fato Relevante nem o momento correto para sua divulgação, que continuam a ser regidos por normativo próprio (instrução 358/02), mas apenas define as informações mínimas que dele deverão constar. Na prática, as operações societárias passarão a ser divulgadas ao mercado com bastante antecedência.

As informações a serem prestadas são basicamente as mesmas que já eram  exigidas na regra antiga (propósito da operação, principais benefícios, aplicabilidade de direito de recesso e valor de reembolso etc.), com a diferença de que, agora, deverão constar do Fato Relevante apenas as informações conhecidas até o momento.

Nem a relação de substituição nem o critério para sua fixação constituem itens obrigatórios.  Porém, se informados, será necessário alertar as circunstâncias que poderão afetá-los, para fins de cálculo da substituição de ações. Já o aproveitamento econômico e o tratamento contábil do ágio e do deságio continuam a ser tratados pela Instrução 319/99.

Por fim, a instrução 565/15 dá maior peso aos deveres fiduciários dos administradores, na medida em que passa a considerar como infrações graves toda e qualquer falha na divulgação de informações ou nas demonstrações financeiras das empresas envolvidas, e cujo descumprimento pode implicar em penas que variam da suspensão do exercício do cargo de administrador à cassação de autorização ou registro na CVM.

Desta forma, caberá às companhias abertas maior cuidado na elaboração de Fato Relevante relativo às operações de fusão, cisão e incorporação. Isto porque as informações deverão ser divulgadas com muita antecedência, de modo que as chances de modificação das condições originais da operação sejam maiores.

____________________

*Cesar Moreno é sócio da divisão de consultoria do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.

Atualizado em: 8/9/2015 14:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade