domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Reflexos criminais da compensação tributária através de precatório

Fomentar a utilização do Direito Penal neste tipo de circunstância abala as estruturas sociais causando insegurança jurídica e desviando a finalidade desse ramo do Direito.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

A relação tributária consubstancia-se em um vínculo de poder. O Estado exercendo sua soberania institui tributos para financiar suas atividades. O nascedouro da obrigação se dá a partir da adequação de um fato (gerador) à norma instituidora do tributo. Em seguida, caberá ao contribuinte adimplir com suas obrigações frente ao Estado e, quanto a este último, se utilizar de todos os meios legais para a cobrança da prestação observada.

O liame contribuinte-Estado é finalizado com a observância de uma das causas extintivas regularmente previstas no Código Tributário Nacional. Nesse ponto, uma das modalidades de extinção do crédito tributário refere-se a compensação cujo conceito, segundo Paulo de Barros Carvalho, pressupõe duas relações jurídicas diferentes, em que o credor de uma dela é devedor da outra e vice-versa. Além disso, observa como requisito essencial a reciprocidade das obrigações, liquidez das dívidas, exigibilidade das prestações e fungibilidade das coisas devidas.1

Adicionalmente, por mais que exista disposição normativa delineando a extinção do tributo nas hipóteses de compensação, por tratar-se de norma que afeta bens públicos, essa modalidade de extinção somente será observada quando da existência de lei autorizando-a.2

Ainda que existam diversas previsões legais tratando do tema, a compensação tributária sempre gerou dúvidas, em especial com relação aos títulos executivos contra ente estatal gerados por decisões transitadas em julgado em prejuízo da Fazenda (precatórios).

O contribuinte poderia (em tese) compensar sua dívida tributária utilizando-se do precatório de sua propriedade ou adquirido de terceiro (aquisição mediante autorização constitucional3).

Ocorre que, como exposto, para a prática da compensação se faz essencial uma norma que regulamente a matéria, algo inexistente na maioria dos Estados e Municípios da Federação. Dessa forma, restou inequívoca a impossibilidade de utilização do crédito oriundo de precatório com o objetivo de saldar dívidas fiscais.

O cenário foi alterado com a aprovação da EC 30/00, cujo artigo 2° acresceu dispositivos ao artigo 78 do ADCT4, em especial no que tange o poder liberatório do pagamento de tributos quando do inadimplemento das prestações anuais preestabelecidas para quitação de precatórios.

A partir da leitura do texto constitucional muitos sugeriram a seguinte situação: os precatórios pendentes de pagamento e os decorrentes de ações judiciais iniciadas até 31/12/99 que não foram quitados no prazo estabelecido, liberariam o contribuinte de qualquer obrigação tributária proveniente da respectiva entidade.

Como já esperado, após a promulgação do texto a situação precária das finanças públicas continuou a mesma e os precatórios não foram pagos na data aprazada, fato que ensejou o início da compensação tributária.

As autoridades fazendárias, por sua vez, rebelaram-se contra a utilização do citado instituto (compensação mediante precatório), ocasionando a jurisdicionalização da questão. O debate era incessante e com posicionamentos dicotômicos em âmbito jurisprudencial, ora autorizando a compensação ora considerando-a imprópria6.

Ao analisar o tópico, o pleno do STF, atento às dúvidas quanto a aplicação do artigo 78 da ADCT, entendeu por bem garantir repercussão geral7 à matéria, sobrestando todas as demandas que versavam sobre o tema até decisão final acerca da constitucionalidade da compensação.

É possível concluir que a situação permanece em aberto8, pois inexiste posição final da Suprema Corte acerca da interpretação adequada do artigo 2°, da EC 30/00.

Apesar de não haver decisão definitiva, os órgãos fazendários indicam a impossibilidade de compensação com o uso de precatório, chegando ao ponto de considerá-la ato ilícito ajustável aos tipos penais da lei 8.137/90.

Em muitos casos, empresas estão sendo prejudicadas pela errônea caracterização da situação pela Fazenda, cujo entendimento assevera que a tentativa de compensação tributária pelo contribuinte nada mais é do que simulação e fraude para não quitar a obrigação principal.

No Estado de São Paulo foi emitido comunicado9 pela coordenadoria de administração tributária expondo sobre a impossibilidade de compensação do ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação) com a utilização de precatório e, mesmo com a situação jurisdicionalizada, é praxe o encaminhamento de representação fiscal ao Ministério Público apontando para existência de delitos contra a ordem tributária.

Avaliando a situação sob a perspectiva penal observamos que a conduta em si não é passível de processamento e sanção.

Inicialmente, ao nosso ver, é nítida a atipicidade da conduta, pois o estabelecimento do tipo prescinde de complementação sob o ponto de vista tributário. Desse modo, não há que se falar em supressão do tributo quando ainda está em curso procedimento sobre a validação ou não da compensação e, consequentemente, da extinção do crédito.

Ademais, fica evidente a ausência de dolo na conduta. Em muitos casos em que o precatório judicial foi escriturado e em seguida pleiteada a compensação do tributo em esfera judicial, o representante da empresa objetivava adimplir com sua obrigação, porém de forma diversa do pagamento usual, seja pela facilidade e justiça tributária decorrente da compensação, seja pela situação financeira delicada da companhia, que não suporta a alta carga tributária imposta pelo legislador pátrio.

Em nenhum momento se nota o elemento subjetivo referente ao não recolhimento proposital através de artimanha ou ato fraudulento, mas apenas a tentativa de obter benefício através de hipótese ainda não sedimentada. Ainda que tenhamos em mente o posicionamento dos Tribunais sobre o dolo genérico em crimes dessa natureza10, acreditamos que nos casos como o citado, não há o menor vínculo fático que aponte para a vontade de cometer o delito.

Por fim, fica claro que não há prejuízo à Fazenda, pois o tributo não foi suprimido, mas quitado por meio de uma compensação com crédito equivalente. A compensação tributária nestes casos poderia servir como instrumento adequado para equalizar as contas públicas e acabar com o problema sistêmico do atraso no pagamento dos precatórios.

Vimos a possibilidade de compensação como solução para a má gestão do passivo estatal. Fomentar a utilização do Direito Penal neste tipo de circunstância abala as estruturas sociais causando insegurança jurídica e desviando a finalidade desse ramo do Direito, transmutando-o em um instrumento de cobrança, fato (no mínimo) lamentável!

__________

1 CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. 23ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2011. p. 538/539.

2 Art. 170. A lei pode, nas condições e sob as garantias que estipular, ou cuja estipulação em cada caso atribuir à autoridade administrativa, autorizar a compensação de créditos tributários com créditos líquidos e certos, vencidos ou vincendos, do sujeito passivo contra a Fazenda pública."

3 Artigo 100, §13, da Constituição da República.

4 "Art. 78. Ressalvados os créditos definidos em lei como de pequeno valor, os de natureza alimentícia, os de que trata o art. 33 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e suas complementações e os que já tiverem os seus respectivos recursos liberados ou depositados em juízo, os precatórios pendentes na data de promulgação desta Emenda e os que decorram de ações iniciais ajuizadas até 31 de dezembro de 1999 serão liquidados pelo seu valor real, em moeda corrente, acrescido de juros legais, em prestações anuais, iguais e sucessivas, no prazo máximo de dez anos, permitida a cessão dos créditos."
(...)
§ 2º As prestações anuais a que se refere o caput deste artigo terão, se não liquidadas até o final do exercício a que se referem, poder liberatório do pagamento de tributos da entidade devedora."

5 RMS 26.500/GO, Rel. Min. TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA TURMA, STJ, julgado em 04/06/2009, DJe 15/06/2009.

6 AgRg no AREsp 101.739/RS, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, STJ, julgado em 20/03/2012, DJe 12/04/2012.

7 RE 566349 RG, Relatora: Min. CÁRMEN LÚCIA, julgado em 02/10/2008, DJe-206 DIVULG 30-10-2008 PUBLIC 31-10-2008 EMENT VOL-02339-09 PP-01769.

8 O Recurso Extraordinário que ocasionou o reconhecimento da repercussão geral da matéria foi extinto, perdendo objeto após o pagamento do precatório. De todo modo, caberá à Corte Suprema avaliar a situação quanto aos outros casos aguardando por um posicionamento.

9 Comunicado CAT n° 46/2006.

10 ACR 0008867-58.2011.4.03.6181, Rel. Des. Fed. COTRIM GUIMARÃES, Segunda Turma, TRF 3, julgado em 12/05/2015, DJF3 21/05/2015.

__________

*Gabriel de Freitas Queiroz é advogado do escritório Queiroz & Meirelles Sociedade de Advogados.


Atualizado em: 5/10/2015 12:48

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade