sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Obrigado, Judge Kaye

Ricardo Dalmaso Marques

Judge Kaye, mesmo não sabendo (ou sabendo muito bem), mostrou-me que amor e carinho a todos que entram por sua porta é o que move o mundo pra frente - e também o mundo do Direito, tido por muitos como duro e frio.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Em setembro de 2013, cheguei a Nova Iorque irrequieto e apreensivo, pois sabia que trabalharia com alguns dos melhores advogados do mundo no escritório Skadden Arps Slate Meagher & Flom LLP, conhecido precisamente pelo brilhantismo de seus integrantes -- alguns deles detentores de fama e renome internacional, lendas vivas do Direito. O nervosismo era mais do que justificado, portanto; eu não estava preparado - pois quem estaria? Logo nos primeiros dias, cheios de longos treinamentos e de sonhos mil, fui chamado à sala de uma senhora muito elegante, que me recebeu com um sorriso amplo e afável - o que muito me surpreendeu, já que quase ninguém ali me conhecia, nem ao menos de nome. Sorriso sincero era ele; aquela senhora estava realmente feliz em me ver.

Essa senhora - que, confesso, desconhecia eu (por minha indesculpável ignorância) - logo me explicou que faria uma viagem ao Brasil no futuro breve, e que gostaria de contar com minha ajuda para estudar e se debruçar sobre alguns aspectos do Direito brasileiro, as características principais de nossa advocacia e de nossa magistratura, e até um pouco sobre nosso idioma (que ela tentava falar por conta de seus conhecimentos da língua espanhola). Em meio às perguntas, ela me ensinava sobre alguns dos projetos que havia desenvolvido durante sua carreira, e, por algum motivo, deu foco às iniciativas pro bono e de apoio à infância e juventude. Na minha inocência, estava eu conversando com uma simples senhora que havia dedicado anos de sua vida à profissão. Senti-me, pela primeira vez naquela estada, especial e querido; aquela senhora me queria bem, e isso me fazia feliz.

Dois importantes fatos me eram desconhecidos naquele momento, descobri em seguida. Primeiro, aquela senhora era nada menos do que uma das mulheres mais importantes da magistratura e do Direito norte-americanos; a primeira mulher a servir como chief judge da New York Court of Appeals e a pessoa que mais permaneceu no cargo, reconhecida por uma jurisprudência e reformas estruturais decisivas naquele Estado. Tratava-se da famosa Judge Judith Kaye! Mal sabia eu, afinal, a dádiva que era estar ali ouvindo-a e assistindo-a. Mas o meu maior erro foi o segundo: achar que eu estava recebendo algum tratamento especial, raro, incomum da Judge Kaye - como era comumente chamada. Ledo engano: o tratamento até era especial - no sentido qualitativo da palavra - mas longe de ser reservado a mim; Judge Kaye era gentil, atenciosa e receptiva com todos à sua volta, não tardei a perceber. Tratava seus visitantes como se eles, na realidade, fossem a figura ilustre, e não ela (quem, de fato, merecia todas as honras).

Aprendi, naquele momento e nos meses que o seguiram, que a dedicação ao trabalho (ao Direito!) e o amor eram possíveis, compatíveis, e, mais que isso, deveriam ser objetivos conjuntos e cumulados nossos todos os dias, a despeito de nossos sucessos e insucessos. Judge Kaye, mesmo não sabendo (ou sabendo muito bem), mostrou-me que amor e carinho a todos que entram por sua porta é o que move o mundo pra frente - e também o mundo do Direito, tido por muitos como duro e frio. Os êxitos e vitórias profissionais de Judge Kaye são visíveis da literatura jurídica americana e de qualquer vídeo do YouTube que contenha algum discurso seu (oratória e raciocínio invejáveis aos melhores juristas), mas só quem a conheceu pode perceber o que estava realmente por trás daquilo tudo - e que, percebi mais do que nunca, deveria estar por trás também das minha intenções todos os dias a partir de então: respeito e compaixão por todos à sua volta, a despeito de sua posição hierárquica ou social.

Essa mulher incrível nos deixou ontem, 7/1/16, mas não sem assinalar a todos que a conheceram o que realmente importa na vida. Obrigado, Judge Kaye, por me lembrar a razão pela qual escolhi a vida que escolhi. Não houve tempo suficiente para que tricotasse o suéter para o meu filho, como prometeu, mas ele saberá - assim como qualquer outra pessoa querida com quem eu me deparar em minha trajetória - quem foi Judge Kaye e o que significa ser um profissional do Direito de bom coração.

_______________

*Ricardo Dalmaso Marques é advogado da banca Pinheiro Neto Advogados.

 

 









* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2016. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

Atualizado em: 8/1/2016 07:32

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luana Tavares

Luana Tavares

Migalheira desde 2021
Carolina Amorim

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018
Valmir Pontes Filho

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019
Marcelo Branco Gomez

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Flávia Pereira Ribeiro

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019
André Lucenti Estevam

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020
Roberto Rosas

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Publicidade