sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A desigualdade de gênero e raça nas carreiras jurídicas

Gabriela Lima Ramenzoni e Anna Carolina Venturini

O percentual de magistrados negros (pretos e pardos) e indígenas evoluiu muito pouco desde 1955.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Aproximadamente 63% da população brasileira se declara não ser da cor ou raça brancai, conforme dados do último censo. Todavia, no final de 2015, o Ministério Público de São Paulo divulgou o resultado de seu Censo Racialii. De acordo com os dados publicados, dos 82% Promotores e Procuradores de Justiça que responderam ao questionário, 93% se reconheceram de cor/etnia branca; 4% negra (preta e parda); 3% amarela; e 0,3% indígena. Tal percentual se mostra incompatível com a presença de negros (pretos e pardos) na sociedade brasileira (51% da população brasileira, conforme o Censo Demográfico do IBGE de 2010) e/ou no Estado de São Paulo (35% da população do estado, conforme o Censo Demográfico do IBGE de 2010).

No quesito gênero, 64% dos membros do MP/SP são do sexo masculino, enquanto 36% são do sexo feminino. Ao cruzar dados a respeito de gênero e cor/etnia, o MP/SP constatou que dentre os 3% de servidores declarados de cor negra, 85,71% são homens e 14,29% são mulheres. Entre os que se declararam da cor branca, 63,9% são do sexo masculino e 36,1% do sexo feminino.

Longe de ser uma exclusividade de uma instituição que deveria representar os interesses de toda a sociedade brasileira, a desigualdade racial e de gênero são gritantes na realidade cotidiana de nossas carreiras jurídicas.

O número de mulheres no país abrange 51,4%iii da população. Entretanto, de acordo com dados do Censo do Poder Judiciário, divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça em 2014iv, apenas 35,9% dos membros da magistratura são mulheres, percentual este que diminui ainda mais nos mais altos cargos do Poder Judiciário: no estágio inicial da carreira (juiz substituto) há um percentual de 42,8% de mulheres, percentual este que diminui para 36,6% dos Juízes Titulares, 21,5% dos Desembargadores e somente 18,4% dos ministros de tribunais superiores.

No que se refere ao aspecto racial, de acordo com o Censo do Poder Judiciário mencionado acima, o percentual de magistrados negros (pretos e pardos) e indígenas evoluiu muito pouco desde 1955. Os dados do censo mostram que, em 2013, 0,1% dos magistrados eram indígenas, 14,2% eram pardos e 1,4% eram pretos, sendo que nos tribunais superiores esses percentuais caem para 0,0% de indígenas, 7,6% de pardos e 1,3% de pretos.

Na história do STF, temos apenas um ministro negro (Joaquim Barbosa) e três mulheres (Ellen Gracie, Cármen Lúcia e Rosa Weber). Necessário ressaltar que, até o presente momento, o órgão máximo do Poder Judiciário Brasileiro não contou com a presença de uma ministra negra.

A construção histórica e social das carreiras jurídicas apresenta inúmeras causas - algumas óbvias e outras mais sutis - para proporcionar tamanha desigualdade na magistratura brasileira, mas o fato dos percentuais diminuírem ao longo da carreira demonstra que a baixa participação de mulheres, negros e indígenas nos cargos mais altos decorre, em parte, por causa dos mecanismos de promoção na carreira. Ora, vale lembrar que a promoção de um juiz titular a desembargador pode se dar por merecimento ou por antiguidade, ao mesmo tempo em que a designação de ministros de tribunais superiores se dá por indicação.

É importante destacar que tal desigualdade não se restringe aos cargos públicos, sendo também evidente na advocacia. Todavia, apesar de as mulheres representarem mais de 46% dos advogados do país, o percentual de mulheres em altos cargos da advocacia ainda é baixo. Apenas duas mulheres já ocuparam cargos na diretoria do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Clea Carpi (secretária-geral na gestão 2007-2010) e Márcia Melaré (secretária-adjunta na gestão 2010-2013). Apesar do Conselho Federal da OAB ter decidido que 2016 será o Ano da Mulher Advogada, todos os integrantes da chapa única que disputa a atual eleição para a diretoria são homens.

Nos quatro escritórios que lideram a lista de mais admirados da Análise Advocacia de 2015, o Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados é o único que possui 49% de sócias, enquanto no Pinheiro Neto Advogados há apenas 10 sócias (12,5% do total de 80 sócios).

Em 2015, a OAB lançou o Plano Nacional da Mulher Advogada com o objetivo de implementar medidas em prol da igualdade de gênero na advocacia, o que já pode ser considerado um indicativo de avanço institucional, apesar de pequeno.

Entretanto, não existem medidas que se assemelhem quanto à luta pela igualdade racial na advocacia. Nos maiores escritórios de advocacia do país, é praticamente nula a porcentagem de negros integrando os maiores escritórios do país, seja como sócios, associados e estagiários.

A defesa da igualdade racial e de gênero deve ser uma das principais bandeiras de carreiras cujo principal objetivo é efetivar os direitos dos cidadãos e o senso de justiça e equidade. Todavia, são raras as iniciativas que visam enfrentar o problema e criar mecanismos para reduzir o preconceito no ambiente de trabalho e valorizar as diferenças.

Ressalte-se, ainda, que a valorização da diversidade nas carreiras jurídicas não proporcionará apenas a igualdade, mas também poderá gerar decisões (judiciais e extrajudiciais) mais representativas e justas. Nesse sentido, estudos que a diversidade gera melhores resultados, já que grupos com pessoas que possuem diferentes perspectiva e mentalidades tendem a resolver problemas de forma mais abrangente e eficazv.

Portanto, a pergunta que fica é: até quando a desigualdade racial e de gênero será a regra e não a exceção nas carreiras jurídicas?

___________

I IBGE. Censo 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/tabelas_pdf/tab3.pdf.

II MP-SP, Relatório de levantamento estatístico do censo racial de membros e servidores do MP-SP 2015. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/pls/portal/!PORTAL.wwpob_page.show?_docname=2577596.PDF

III PORTAL BRASIL, Cidadania e Justiça. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2015/03/mulheres-sao-maioria-da-populacao-e-ocupam-mais-espaco-no-mercado-de-trabalho. Acesso em 27 de jan, 2016

IV CNJ, Censo do Poder Judiciário. Disponível online em: http://www.cnj.jus.br/images/dpj/CensoJudiciario.final.pdf

V PAGE, Scott E.. The Difference: How the Power of Diversity Creates Better Groups, Firms, Schools, and Societies. Princeton University Pressa, 2008. PHILLIPS, Katherine W. How Diversity Makes Us Smarter. Scientific American, 2014. Disponível online em: http://www.scientificamerican.com/article/how-diversity-makes-us-smarter/

___________

*Anna Carolina Venturini é advogada, sócia fundadora da Pluraliza, bacharel em Direito e mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e Doutoranda em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

*Gabriela Lima Ramenzoni é advogada, gestora de projetos da Pluraliza, bacharel em Direito e mestre em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Atualizado em: 11/2/2016 10:29

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Publicidade