domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Passivo Judicial: O Inimigo Silencioso

Leila dos Santos Silva

Resistir à crise é uma combinação do empenho das empresas, seus colaboradores, acionistas e fornecedores, com uma dose de pragmatismo para conter o avanço do passivo judicial, que é um inimigo que cresce despercebido.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

A crise econômica é o estopim para o aumento das demandas judiciais e administrativas dos agentes econômicos. Além da inadimplência perante fornecedores que, inevitavelmente, acarreta em uma cobrança judicial de montante vertiginosamente maior que o valor devido inicialmente, já que é acrescido de juros, correção monetária e honorários advocatícios, o aumento das ações trabalhistas e tributárias, decorrentes da redução de quadro e da falta de caixa para fazer frente aos tributos, responde pelo início de um ciclo que pode acarretar bloqueios judiciais repentinos nos ativos financeiros da companhia, recuperação judicial ou até mesmo a falência da organização.

Para evitar que o passivo jurídico da empresa comprometa a expectativa de seus acionistas ou torne inviável a continuidade de suas atividades, gerando desemprego, é imperioso que a administração acompanhe, criteriosamente, o perfil de seu passivo, reconheça os valores envolvidos desde o primeiro momento e busque, incessantemente, reduzir o valor projetado para desembolso, inclusive por meio de acordo com seus credores, parcelamento de débitos tributários, acordos trabalhistas, afim de que o pagamento de um débito, em sede de execução judicial, não sacramente o fim da organização, sem descuidar, evidentemente, da atuação preventiva para evitar novas demandas.

Em um ambiente absolutamente fértil para fusões e aquisições não é possível descartar a hipótese de alienação, parcial ou integral, das ações da empresa, afim de que passe às mãos de um grupo que consiga fazer frente ao passivo e manter suas atividades, preservando empregos e a história da organização, além de remunerar seus então titulares.

Resistir à crise é uma combinação do empenho das empresas, seus colaboradores, acionistas e fornecedores, com uma dose de pragmatismo para conter o avanço do passivo, que é um inimigo que cresce, por vezes, despercebido, silencioso e pode pôr fim ao sonho, ao emprego e à paz social.

____________________

*Leila dos Santos Silva é advogada na Apsen Farmacêutica e membro do Jurídico de Saias.

Jurídico de Saias

Atualizado em: 24/2/2016 12:04

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade