quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Da pátria de chuteiras para a pátria política

O entrave político desencadeado pela instauração do impeachment da presidente da República colocou toda nação voltada para o procedimento, acompanhando-o pari passu, como se fosse uma partida decisiva de um campeonato.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Nelson Rodrigues, dentre outros predicados literários, imortal cronista esportivo, não entoaria hoje seus escritos com a mesma poesia e elegância de seu tempo. No país do futebol, já não tão fanático após a vexatória derrota para a Alemanha na Copa do Mundo de 2014, e capengando na fase classificatória para a próxima, muitas bolas rolaram nas quatro linhas, obrigando o torcedor a uma releitura a respeito do esporte que sempre contou com a preferência popular. Atualmente, em razão das discussões políticas que são travadas em Brasília, acolitadas pelas investigações da Lava Jato, a imprensa, em todas as suas plataformas, e as redes sociais conjugadas, elegeram a política como o assunto rotineiro e predileto da nação.

É difícil acreditar que o povo brasileiro pudesse dar uma guinada tão rápida e fazer dos acontecimentos políticos a sua conversa do dia a dia, retirando a pauta esportiva da área e mandando para escanteio o veterano esporte bretão. O entrave político desencadeado pela instauração do impeachment da presidente da República colocou toda nação voltada para o procedimento, acompanhando-o pari passu, como se fosse uma partida decisiva de um campeonato.

Isto porque, o que está sendo discutido em Brasília é assunto de interesse nacional, afetando diretamente a vida de cada cidadão, independentemente do credo político assumido. Tal fato, por si só, chamou a atenção do povo, que se vê como um agente participante da escolha dos seus representantes e legitimado a se manifestar a respeito, deixando transparecer seu ponto de vista, quer seja nas ruas, por meio das passeatas, quer seja no relacionamento cotidiano.

Assim é que, no encontro fortuito com amigos, seja no trabalho, no compromisso social, no comércio, o assunto surge de forma espontânea, como se fosse parte do cumprimento e vai possibilitando um diálogo com trocas de opiniões, muitas delas abalizadas, envolvendo até mesmo pessoas que se encontram ao largo, no banco de reservas, aguardando a vez para mostrar suas qualidades de exímio debatedor do assunto. Ninguém se preocupa se as opiniões são externadas no campo daquele que tem o mando ou do adversário. O importante é que sejam evitados o jogo violento, a falta considerada grave e o desrespeito ao contendor, passíveis do cartão vermelho.

E é interessante observar que as conversas não se limitam às ruas e já invadiram as reuniões familiares acarretando acaloradas discussões, como aquelas travadas quando o assunto era futebol, e muitas vezes deixam sequelas no relacionamento, com rompimento de laços afetivos de muitos anos.

O noticiário televisivo, mais esperado que a partida de futebol, estendeu seu tempo e apresenta diariamente os novos lances do procedimento, ouvindo-se juristas que desenvolvem suas teses e antíteses, os políticos que se perfilam de forma organizada para colocar em prática a estratégia dos ataques e contra-ataques, em busca de um tento decisivo. O cientista político, com um linguajar mais qualificado e técnico, sem se deixar inflamar pelas centelhas partidárias, ocupa posição de destaque, substituindo com galhardia o comentarista esportivo.

A Constituição Federal nunca foi tão falada e manuseada como agora. Alguns artigos brotaram em terreno fértil e já respingam nas bocas populares querendo decifrar o que é jurídico e o que é político. Os nomes dos ministros do Supremo Tribunal Federal são escalados com certa intimidade, assim como suas decisões vão sendo comentadas amiúde, dando a impressão que a argumentação jurídica tomou conta da pátria de chuteiras.

As instituições permanecem inabaláveis, exercendo soberanamente seus poderes garantindo um convívio civilizado nas arenas frequentadas pelas facções antagônicas, apontando um sinal positivo de maturidade cívica. Mas não se pode olvidar que já foram apontados alguns casos de intolerância política e que podem provocar reações inesperadas e até mesmo com graves consequências.

Já dizia um filósofo esportivo que todo brasileiro é um técnico de futebol. Agora tem oportunidade para demonstrar seu preparo político e, principalmente, jogar com as regras previamente estabelecidas.

__________

*Eudes Quintino de Oliveira Júnior é promotor de Justiça aposentado, mestre em Direito Público, pós-doutorado em Ciências da Saúde. Advogado e reitor da Unorp.



Atualizado em: 4/4/2016 07:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

René Ariel Dotti

René Ariel Dotti

Informativo Migalheiro desde 2006
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Informativo Migalheiro desde 2007
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Informativo Migalheira desde 2019
Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Informativo Migalheiro desde 2014
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Informativo Migalheiro desde 2019
Bruno Emanuel S Learte

Bruno Emanuel S Learte

Informativo Migalheiro desde 2021
Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Informativo Migalheiro desde 2005
Diogo L. Machado de Melo

Diogo L. Machado de Melo

Informativo Migalheiro desde 2008
Luana Tavares

Luana Tavares

Informativo Migalheira desde 2021
Gustavo Binenbojm

Gustavo Binenbojm

Informativo Migalheiro desde 2005
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Informativo Migalheiro desde 2020

Publicidade