terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A doença tem pressa da cura, mas o "remédio" pode matar

A fosfoetanolamina ainda não é medicamento, infelizmente, um mero experimento cuja eficácia ainda não foi cientificamente confirmada.

terça-feira, 19 de abril de 2016

A fosfoetanolamina, a tal pílula da "cura" do câncer, ganhou o centro de uma discussão que deveria, ao menos nesta fase, ser apenas cientifica e restrita ao interior dos laboratórios de pesquisa. No entanto, por uma precipitação do "seu criador" e dono da patente, o professor aposentado da USP de São Carlos Gilberto Chierice, vozes dissonantes a este universo foram incorporadas, como a dos advogados, juízes, jornalistas e parlamentares, todos eles pressionados por enfermos que acreditaram na promessa do medicamento, ou seja, a "cura" do câncer. Medicamento não, até agora, infelizmente, um mero experimento cuja eficácia ainda não foi cientificamente confirmada.

Para entender melhor este processo, faz-se necessário um ligeiro recuo no tempo, até 1990, quando a droga começou a ser fabricada no laboratório da Universidade de São Carlos e inadvertidamente distribuída aos pacientes, o que aconteceu até 2014, ano da aposentadoria do professor Chierice. A partir de então, começaram os protestos de pacientes e familiares na imprensa, ações de advogados, decisões judiciais que ainda pipocam aqui, ali e acolá, e até da Comissão Parlamentar de Assuntos Sociais do Senado, todos obrigando o laboratório a seguir com a sua produção e distribuição. Estas decisões, movidas pela emoção, não consideram o caráter científico da situação, que exige de qualquer experimento, logicamente que visando a segurança do consumo humano, a realização de inúmeros testes aos quais a tal "pílula do câncer" não foi submetida. Um absurdo!

A fosfoetanolamina não tem, é claro, registro na Anvisa porque ainda não cumpriu todas as fases de testes necessárias e, como consequência, a sua eficácia para o que se propõe e a segurança para o consumo humano ainda não foram asseguradas. No entanto, pressionada, a Anvisa chegou a admitir que o experimento poderia ser usado como complemento. Uma irresponsabilidade! Afinal, como pode a Vigilância Sanitária aceitar como seguro para o consumo humano um experimento que ainda não foi devidamente testado?

Esta história, como se percebe, começou errada e seguiu boa parte do percurso nesse leito até que o Tribunal de Justiça de São Paulo se reunisse com médicos para conhecer melhor o tema. Resultado da conversa: liminares concedidas foram cassadas. Não bastasse, o imbróglio ficou ainda maior: a USP fechou o laboratório de São Carlos e está processando o professor aposentado por charlatanismo. O governo de São Paulo pediu ao Hospital do Câncer a realização de testes controlados em alguns pacientes. No entanto, já sabe, por outras pesquisas realizadas por entidades de credibilidade inquestionável, que a tal "pílula" do câncer não cumpre o que promete. Médicos especialistas já alertavam para este resultado há um bom tempo.

Impressiona, neste caso, a irresponsabilidade, o oportunismo e a falta de ética de alguns dos personagens envolvidos. É verdade que a emoção e a solidariedade eram elementos importantes a considerar, porém, as decisões devem ser pautadas única e exclusivamente pela razão, sob pena de causar um mal ainda maior. A Justiça, estimulada pelos advogados, deveria, desde o princípio, buscar parecer médico para pautar suas decisões. Os parlamentares deveriam estar cuidando de outros temas, ainda que de igual relevância.

Agora, o 'milagre" é aprovado pela Presidenta, numa mera tentativa popularesca.

Casos como estes devem ser tratados com muito cuidado e responsabilidade, pois estamos lidando com seres humanos já fragilizados pela doença. Dar-lhes uma esperança sem o mínimo de segurança, de um experimento sobre o qual pouco se conhece, é correr o risco desnecessário de gerar uma frustração que pode resultar num mal ainda maior. Espero que os danos gerados pelos erros cometidos sejam pequenos e que o caso nos sirva de lição.

______________

*Rosana Chiavassa é advogada especializada no Direito a Saúde do escritório Chiavassa Advogadas Associadas.


Atualizado em: 18/4/2016 14:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Publicidade