quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O custo social e humano da obesidade: outra vez volto ao tema...¹

Cumpre ao advogado militante e participante no bem-estar da sociedade em que vive alertar, quanto possível, as inertes atividades sobre custos sociais da obesidade.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Cumpre ao advogado militante e participante no bem-estar da sociedade em que vive alertar, quanto possível, as inertes atividades sobre custos sociais da obesidade. E, com tranquilidade, vivemos fazendo isso há anos.

Bom, a revista britânica The Lancet, cumprindo sua missão jornalística de verdade (sem farsa), neste março, apontou que, em geral, o Planeta, a partir de 1975 até hoje, - quando se iniciaram pesquisas sérias - mudou o seu número de tamanho de roupa: com a média de seis quilos a mais, por individuo, as moléstias crônicas se sucederam e os serviços públicos, honestos ou não, continuam pagando o aumento das despesas com o acréscimo das moléstias causadas pela obesidade. Basta dizer que o acréscimo foi significativo: de 150 passaram a 600 milhões de pessoas, que consomem (alimentam-se?) comidas inadequadas, bebidas muito calóricas e com excesso de açúcar!

Infelizmente, as mulheres superaram os homens, pois, enquanto estes, triplicando, passaram de 3,2% a 10,08%, elas - para gáudio dos experts - partiram de 6,4% para 14,9% (falamos do índice de massa corpórea, aqueles de 21,7 a 24,2 e elas de 22,1 a 24,4). Em síntese: os números assustadores mostram que os números aplicados seriam equivalentes, grosso modo, a cada pessoa ter aumentado de 1,5 quilo, em cada dez anos.

Se a fome do mundo, malgrado a vergonha disseminada, teria sido aliviada, mesmo assim, o escândalo supera o bom senso e a inteligência dos benfeitores da causa, porque, na China "capitalista", ela superou a marca histórica dos Estados Unidos, na classificação dos obesos e dos super-obesos, agora no patamar de 150 milhões. Quem se manteve com números não indecorosos foram os países anglo-saxônicos.

Tendo em conta que a pesquisa, pela seriedade, merece louvor, partindo do índice de massa corpórea (equação do cálculo do peso em kg dividido pela altura, com a sua interpretação sendo o peso acima de 19 a 24,9, em relação ao anormal de 25 a 29,9) são obesos os que vão além de 30 e obesos exagerados de 35 em diante.

Partindo desses dados, entre 1975 a 2014, a China, os Estados Unidos e a Índia lideram os manequins femininos de obesos e obesos exagerados, nesta ordem, Estados Unidos, China, Rússia e Brasil.

Quanto aos homens, os obesos, em 2014, são a China, os Estados Unidos e o Brasil; os super-obesos, Estados Unidos, China, México, Rússia e Brasil.

Sobreviver à abundancia é tema de novela, bem-criada e bem montada. Por isso, os novos legisladores - que nas figuras de Eduardo Cunha e Renan Calheiros são dois personagens de Magritte -, poderiam mirar os números crescentes, as causas dessa absurda elevação, o custo para a saúde pública, as doenças que passam os estigmatizados e, quando aprenderem a ter vergonha, a serem gentes dignas, patriotas e se voltarem ao país, sobretudo ao seu negro futuro, da queda da escala ao abismo da pobreza. Está camuflada, bem escondida e bem amparada pela cobertura (quiçá mais do que isso) da imprensa silente e complacente e conivente e do legislativo catapultado por sua incompetência e falta de interesse e pelo executivo (que paga a conta), porque se derrete na mediocridade e na inércia dos cavaleiros vencidos na batalha de troca do WhatsApp.

___________________

1 A propósito, escrevi em MercadoComum, com o título "Comer, engordar, é só engolir fast food", em 2002, nº 158, ano X, p. 26.
___________________

*Jayme Vita Roso é advogado e fundador do site Auditoria Jurídica.

Atualizado em: 31/5/2016 16:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Publicidade