quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A recuperação judicial das concessionárias de serviços públicos: o caso da Oi

Respeitadas as opiniões em contrário, não há no ordenamento jurídico nenhum impedimento à concessão da recuperação judicial às concessionárias de serviços públicos de telefonia.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

O pedido de recuperação judicial da Oi, anunciado nesta semana, o maior já ajuizado no país (R$ 65 bilhões), traz a lume a discussão acerca da possibilidade legal de que as concessionárias de serviços públicos requeiram o benefício da Recuperação Judicial.

A celeuma em torno do cabimento jurídico da Recuperação Judicial para as concessionárias de serviços públicos existia desde a entrada em vigor da Lei de Recuperação de Empresas e Falências - LREF (Lei 11.101/05), e foi reforçada após o advento da Medida Provisória 577, de 29/08/12, convertida na Lei 12.767/12, que expressamente vedou a concessão da recuperação judicial e extrajudicial às concessionárias de serviços públicos de energia elétrica, as quais, em dificuldades econômicas que possam comprometer a regular prestação dos serviços objeto da concessão, sujeitam-se a um regime de intervenção da ANEEL.

O fato é que, respeitadas as opiniões em contrário, não há no ordenamento jurídico nenhum impedimento à concessão da Recuperação Judicial às concessionárias de serviços públicos de telefonia.

O único artigo da Lei 11.101/05 que trata das concessionárias de serviços públicos é o art. 195, que estabelece que a falência das concessionárias de serviços públicos implicará na extinção da concessão, na forma prevista na Lei; que, no caso, é a Lei 8.987/95 (Lei de Concessões). A Lei 8.987/95 prevê a extinção da concessão pela decretação da falência da concessionária em seu art. 35, estabelecendo o retorno ao Poder Concedente dos bens reversíveis, privilégios e direitos transferidos à concessionária vinculados à prestação dos serviços públicos, e regendo a forma de continuidade da prestação destes serviços.

Se a Lei 11.101/05 prevê a falência, é porque possibilita a recuperação judicial e extrajudicial das concessionárias. Outra interpretação iria de encontro à mens legis (espírito da lei) da LREF, que é o de preservação da empresa e da atividade produtiva.

Dentro de um contexto de grave crise econômica como o ora atravessado pelo país, é louvável que se dê a oportunidade de recuperação econômica à Oi, com a preservação dos empregos de seus milhares de colaboradores em todo o país.

Mas é evidente que, neste processo de recuperação, o Poder Concedente (União Federal) e a ANATEL terão papel de protagonistas, e com certeza serão instados a se manifestar sobre a viabilidade do plano de recuperação a ser apresentado pela concessionária nos próximos seis meses.

_____________

*José Alexandre Ferreira Sanches é advogado do escritório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.

Atualizado em: 29/6/2016 16:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade