quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Perdas de estoque - Redução da base de cálculo do IRPJ e da CSLL

As perdas de estoque se fazem presentes nas empresas, principalmente, no segmento de indústrias

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Perante a legislação do Imposto de Renda, o custo de produção de bens ou serviços é o valor das quebras e perdas razoáveis, das quebras ou perdas de estoque por deterioração, obsolescência ou pela ocorrência de riscos não cobertos por seguros. Neste caso devemos considerar as chamadas perdas normais e as anormais.

Como exemplo de perdas normais têm as resultantes de evaporação, resíduos, aparas e rebarbas, conforme a atividade da empresa. A fiscalização geralmente exige que a empresa comprove-as. A normalidade delas dependerá, em parte, da natureza do material e do processo de produção.

Já as chamadas perdas anormais são aquelas tidas como decorrentes de deterioração, obsolescência ou até mesmo por riscos não cobertos por seguros. Como regra geral, a dedutibilidade dessas despesas está condicionada a existência de laudo.

Também, temos as perdas decorrentes de situações excepcionais, tais como incêndio e inundações, onde o certificado da autoridade competente que ateste a ocorrência do evento danoso é suficiente para legitimar a dedução do custo dos bens efetivamente perdidos, desde que não haja cobertura de seguro.

Importa registrar que a 1ª Câmara do 1º Conselho de Contribuintes decidiu que a contabilização de perdas por quebras de estoque em valor ínfimo em relação ao montante da compra pode ser admitida, independente de prova (acórdão 101-84.593/93).

Deve ser observado que não é exigida a comprovação por meio de laudo ou certificado de autoridade competente os materiais danificados ou obsoletos que são comercializáveis, como a sucata. Entretanto, a dedução do respectivo custo somente será admitida, para efeitos fiscais, no período-base em que forem efetivamente vendidos.

Contudo, caso a empresa tenha tido perdas, mas não as registrou contabilmente e não se beneficiou de sua dedutibilidade, pode, segundo as regras da legislação e por meio de uma revisão fiscal, apurar valores pagos a maior de IRPJ e CSLL.

Neste caso, haverá a necessidade de retificar as declarações DCTF, DIPJ ou ECF. Ainda, o aproveitamento destes valores pagos a maior deverá ser feito via PERDCOMP com qualquer imposto ou contribuição administrado pela Receita Federal (art. 74 da lei 9.430/96).

__________

*José Carlos Braga Monteiro é CEO fundador da Studio Fiscal.

SBS TREINAMENTO EIRELI

Atualizado em: 29/8/2016 07:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Publicidade