sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Definidas as regras para o licenciamento ambiental dos portos em São Paulo

Norma da CETESB consolida o recente entendimento de que a instalação, ampliação e operação de instalações portuárias são passíveis de licenciamento ambiental perante o órgão estadual.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Após um longo processo de elaboração, finalmente entrou em vigor, em 29 de setembro de 2016, a Decisão de Diretoria n 210/2016/I/C da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), que disciplina o licenciamento ambiental de instalações portuárias no Estado de São Paulo.

Referida norma consolida o recente entendimento da CETESB de que a instalação, ampliação e operação de instalações portuárias são passíveis de licenciamento ambiental perante o órgão estadual - ressalvados os casos de competência federal, que são as instalações portuárias voltadas ao transporte de produtos perigosos ou que movimentem carga superior a 15 milhões de toneladas por ano. Desse modo, são estabelecidas as diretrizes do procedimento de licenciamento ambiental de tais empreendimentos.

As instalações portuárias que já estão em operação - caso de grande parte dos terminais do Porto Organizado de Santos - também deverão se regularizar. O artigo 7º da Decisão de Diretoria dispõe que a CETESB irá notificá-los a apresentar, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, o Relatório de Regularização Ambiental (RRA). Após a análise e aprovação do RRA pela CETESB, o empreendedor deverá firmar um Termo de Compromisso com o órgão ambiental, estabelecendo as condicionantes técnicas a serem atendidas para a emissão da Licença de Operação e as penalidades em seu eventual descumprimento.

A decisão de diretoria também traz, em seu anexo II, o Roteiro para Elaboração de RRA de Instalação Portuária de Granéis. Dentre a extensa lista de documentos e informações que devem ser apresentados à CETESB, destacam-se a identificação e avaliação dos passivos ambientais dos terminais portuários, relativos a temas ambientais sensíveis para grande parte das instalações, como, por exemplo: áreas degradadas; impermeabilização do solo; emissões atmosféricas de particulados; existência de áreas contaminadas; interferência nos recursos hídricos; geração de efluentes e de resíduos sólidos e riscos de acidentes. Além disso, o Anexo II apresenta a lista de 21 procedimentos e equipamentos de mitigação e controle dos impactos ambientais que os terminais portuários devem implementar para sua regularização.

Em uma primeira análise, a definição sobre a competência e o processo de regularização dos terminais portuários no Estado de São Paulo são vistos como positivos, uma vez que garantem a segurança jurídica para o empreendedor, que sofre com a lacuna de regulamentação sobre o tema. Contudo, as numerosas exigências técnicas para a regularização do licenciamento ambiental poderão ser um óbice para a implementação dos sistemas de controle ambiental e para a adesão dos terminais portuários no Estado.
__________

*Roberta Danelon Leonhardt, Daniela Stump e Jéssica Gomes são, respectivamente, sócia e advogadas da área ambiental do escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados.


Atualizado em: 13/10/2016 07:48

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Publicidade