quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Perspectivas da tributação ambientalmente orientada

Gabriel Placha

É evidente e atual necessidade de proteção ambiental para a manutenção da qualidade de vida. Algumas das conseqüências da degradação ambiental operam efeitos que já são sentidos pela sociedade. Isto exige que o desenvolvimento econômico seja compatível com a utilização racional dos recursos naturais, de forma que o ambiente possa ser preservado.

sexta-feira, 8 de agosto de 2003

 

Perspectivas da tributação ambientalmente orientada

 

Gabriel Placha*

 

É evidente e atual necessidade de proteção ambiental para a manutenção da qualidade de vida. Algumas das conseqüências da degradação ambiental operam efeitos que já são sentidos pela sociedade. Isto exige que o desenvolvimento econômico seja compatível com a utilização racional dos recursos naturais, de forma que o ambiente possa ser preservado.

 

Tal perspectiva impõe ao Estado a função de buscar meios eficientes na implementação de políticas de proteção ambiental. Neste contexto, a tributação ambientalmente orientada surge como um instrumento viável para aumentar a eficiência econômica de forma sustentada, não devendo, portanto, ser utilizada para fins meramente arrecadatórios.

 

Os tributos ambientais são pouco utilizados no Brasil, o que exige a busca de fontes no direito comparado, principalmente nos países da União Européia e nos Estados Unidos da América, onde já existe uma experiência anterior e efetiva das denominadas "green taxes".

 

Mesmo que este tema seja incipiente no Brasil, já que se restringe a alguns poucos casos, como a Contribuição de Intervenção sobre o Domínio Econômico instituída pelo § 4º, do artigo 177 da Constituição Federal, com redação dada pela Emenda Constitucional nº 33/2001, a tributação ambientalmente orientada exige que a sua aplicação observe as limitações inerentes ao poder de tributar e, ainda, seus impactos como instrumento de intervenção no domínio econômico devem ser considerados.

 

Embora a degradação ambiental seja um fato que surgiu juntamente com a humanidade, a conservação do ambiente é uma preocupação recente. Somente a partir da Conferência de Estocolmo em 1972, é que se consolidou uma consciência mundial de preservação ambiental, culminando com a Declaração do Rio em 1992. A Constituição Federal de 1988 já havia incorporado a necessidade de que o desenvolvimento econômico observe a implementação de políticas ambientais, conforme dispõe o inciso VI de seu artigo 170, impondo ao Estado o papel de interventor.

 

Esta intervenção do Estado no domínio econômico está intimamente relacionada com a necessidade de uma política de preservação ambiental, visando um desenvolvimento sustentável.

 

Com o advento da Lei nº 9.605/98, a denominada Lei de Crimes contra o Ambiente, foram inseridas no ordenamento jurídico pátrio sanções administrativas, penais e civis impostas aos responsáveis, sejam pessoas naturais ou jurídicas, com supedâneo no § 3º, do artigo 225 da Constituição Federal. Ocorre que, estes mecanismos de regulação de condutas, possuem limitações próprias que não permitem a implementação de políticas ambientais de forma economicamente eficiente.

 

Neste contexto, o tributo pode ser considerado um instrumento economicamente viável, já que o princípio do poluidor pagador tem sua aplicação na tributação ambientalmente orientada, exigindo práticas desejáveis dos contribuintes potencialmente poluidores. Contudo, é necessário verificar de que modo é possível adequar a tributação como instrumento de proteção ambiental diante das limitações impostas pelo ordenamento jurídico.

 

Assim, mesmo que o Direito Tributário possa ser utilizado como instrumento de implementação de políticas ambientais, não deve ser reduzido a mero meio para atingir tal fim, com a mitigação de princípios, como a legalidade e a capacidade contributiva, o que certamente não atende à segurança nem à certeza jurídica.

 

Destaque-se que a questão não se cinge à simples instituição de tributos ambientais. O direito comparado vem demonstrando que a proteção ambiental também é eficiente quando são concedidos benefícios fiscais aos contribuintes que possuam efetiva política de gestão ambiental.

 

De toda sorte, é possível que a tributação ambiental venha reorientar a atividade empresarial, pois visa "internalizar" (neologismo norte-americano) os custos ambientais, que significa transferir para o custo da produção o montante exigido pela reparação do dano ambiental causado.

 

__________________

 

* Advogado do escritório Oliveira Franco, Ribeiro, Küster, Rosa - Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

_____________

Atualizado em: 7/8/2003 14:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Publicidade