terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

IN 1.634 - Receita Federal do Brasil

Em maio de 2016 foi publicada a IN 1.634 pela Receita Federal, que passou a regular o cadastro nacional de pessoas jurídicas (CNPJ).

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Em 9/5/16 foi publicada instrução normativa (IN) pela Receita Federal do Brasil sob o nº 1.634 que passou a regular o cadastro nacional de pessoas jurídicas (CNPJ).

Dentre outras alterações e inovações relativas ao CNPJ, merece a devida atenção pelas empresas a regra contida no seu artigo 8º que estabelece o dever de ser informado ao referido órgão federal as pessoas autorizadas a representar, a cadeia de participação societária, até alcançar as pessoas naturais (pessoas físicas) beneficiárias finais.

Sujeitam-se a essa obrigação de prestar informações à Receita Federal:

- as entidades empresariais;

- os clubes e fundos de investimentos constituídos de acordo com as normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM);

- as entidades domiciliadas no exterior que no Brasil sejam titulares de direitos sobre imóveis, veículos, embarcações, aeronaves, contas correntes bancárias, aplicações no mercado financeiro ou de capitais e participações societárias constituídas fora do mercado de capitais;

- as entidades domiciliadas no exterior que no Brasil realizem arrendamento mercantil externo (leasing), afretamento de embarcações, aluguel de equipamentos e arrendamento simples, importação de bens sem cobertura cambial destinados à integralização de capital de empresas brasileiras;

- instituições bancárias do exterior que realizam operações de compra e venda de moeda estrangeira em Bancos no Brasil, recebendo e entregando reais em espécie na liquidação de operações cambiais;

- sociedades em conta de participação vinculadas a sócios ostensivos;

- os cotistas de fundos domiciliados no exterior.

Beneficiário final, segundo a própria IN é a pessoa natural

(i) que, em última instância, de forma direta ou indireta, possui, controla ou influencia significativamente a entidade, considerando-se pessoa com influência significativa aquela que

(i.1) possui 25% do capital da entidade (direta ou indiretamente) ou

(i.2) detém ou exercer a preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a maioria dos administradores da entidade, mesmo que sem controla-la (direta ou indiretamente), ou

(ii) em nome da qual uma transação é conduzida.

A IN estabelece ainda que as seguintes entidades não precisarão prestar as informações do beneficiário fiscal, mas suas informações cadastrais necessariamente deverão abranger as pessoas naturais autorizadas a representá-las, seus controladores, administradores e diretores, se houver, bem como as pessoas físicas ou jurídicas em favor das quais essas entidades tenham sido constituídas, indicando-as no Quadro de Sócios e Administradores (QSA):

- as pessoas jurídicas constituídas sob a forma de companhia aberta no Brasil ou em países que exigem a divulgação pública de todos os acionistas considerados relevantes e não estejam constituídas em jurisdições com tributação favorecida ou submetidas a regime fiscal privilegiado de que tratam os arts. 24 e 24-A da lei Federal 9.430/96;

- as entidades sem fins lucrativos que não atuem como administradoras fiduciárias e que não estejam constituídas em jurisdições com tributação favorecida ou submetidas a regime fiscal privilegiado de que tratam os arts. 24 e 24-A da lei Federal 9.430/96, desde que reguladas e fiscalizadas por autoridade governamental competente;

- os organismos multilaterais, bancos centrais, entidades governamentais ou ligadas a fundos soberanos;

- as entidades de previdência, fundos de pensão e instituições similares, desde que reguladas e fiscalizadas por autoridade governamental competente na país ou em seu país de origem; e

- os fundos de investimento nacionais regulamentados pela CVM, desde que seja informado à Receita Federal na e-Financeira o Cadastro da Pessoa Física (CPF) ou o CNPJ dos cotistas de cada fundo por ele administrado.

Em sua redação original, o dever de prestar as informações relativas ao beneficiário final tinha como termo inicial o dia 1º de janeiro de 2017, contudo, em 29/12/16 foi publicada a IN 1.684/16 que o prorrogou determinando o dia 1º/7/17 a data a partir da qual estas informações devem ser prestadas à Receita Federal.

Por fim, não podemos deixar de levar ao conhecimento que, para as empresas inscritas no CNPJ antes de 1º de julho de 2017, o dever de prestar as informações relativas ao beneficiário final somente se dá no momento em que for promovida alguma alteração cadastral a partir dessa data.

_____________

*Carlos Miguel C. Aidar é sócio-fundador do escritório Aidar Advogados.






*Camila Campos Vergueiro é advogada.

Atualizado em: 24/1/2017 10:04

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Publicidade