quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Dívidas antigas, solução agora

Se na sua casa as despesas multiplicaram-se e a situação financeira ficou complicada em 2016, você esteve como a maioria dos brasileiros.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Se na sua casa as despesas multiplicaram-se e a situação financeira ficou complicada em 2016, você esteve como a maioria dos brasileiros. No último semestre, a Confederação Nacional de Comércio, Bens, Serviços e Turismo divulgou um dado preocupante: 58,2% das famílias do país estavam endividadas, e muitas delas declararam não ter condições de pagar boletos, carnês e faturas de cartões de crédito pendentes.

Diante de uma situação como essa, a primeira coisa que fazemos é nos questionarmos sobre o que fizemos para chegar a tal condição. Acontece que, em meio ao desespero, as respostas parecem não chegar; e, quando não identificamos as causas do problema, solucioná-lo se torna praticamente impossível.

Embora cada família tenha suas peculiaridades, todas estão sob algumas condições semelhantes e enfrentam dificuldades parecidas. A maior delas é, sem dúvida, resistir às ofertas do comércio. Estrategicamente, o mercado nos estimula a consumir de maneira desenfreada, criando necessidades que não temos.

O primeiro passo para quitar dívidas antigas é reduzir as despesas atuais, e, para isso, é indispensável distinguir gastos necessários e supérfluos. Essa não é uma tarefa fácil, e o ideal é que seja feita com o consentimento de toda a família. Identificados os exageros, é hora de cortá-los. Abrir mão de alguns caprichos é um sacrifício necessário para sair do vermelho.

Despesas imprevistas também estão entre as principais causas do endividamento. É verdade que muitas vezes erramos porque não temos reserva destinada a um acidente, problema de saúde, viagem de emergência, pagamento de uma multa e afins, e esses gastos, além de inesperados, podem ser frequentes, enormes e nos colocar em uma situação muito difícil.

Algumas pessoas resolvem "fugir" das dívidas e voltar a pensar nelas "quando as coisas melhorarem". Esse pensamento nos leva a um abismo financeiro, já que esse período de "esquecimento" provavelmente não virá acompanhado de uma interrupção no consumo.

Renegociar as pendências nos permite mensurar o tamanho do problema e estabelecer prazos para solucioná-lo definitivamente. Ainda que você descubra que regularizar sua situação será um processo demorado, saberá que, em um momento definido, as circunstâncias melhorarão. Durante o período de renegociação e acerto de contas, é necessário pensar em nossos equívocos a fim de que, futuramente, não os repitamos.

Encarar os números ainda é a dica mais simples e eficaz para lidar com eles. Para quem tem dívidas, colocá-las no papel é importantíssimo para estimar suas proporções. Para aqueles que não têm grandes problemas financeiros, registrar os gastos é uma alternativa interessante para garantir que, em algum momento, você não vá consumir mais do que arrecada. Que tal enfrentar as contas e começar um período revolucionário para o seu orçamento?

________________

*Dora Ramos é educadora financeira e diretora responsável pela Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial.

Atualizado em: 27/1/2017 08:57

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Publicidade