segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A transfusão de sangue em Testemunhas de Jeová: a liberdade religiosa e o equivocado precedente do STJ

6ª turma do STJ proferiu decisão por meio da qual inocentou os pais de uma menina pela morte da filha por recusa à transfusão de sangue que se fazia necessária.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

A 6ª turma do STJ proferiu decisão nos autos do HC 268.459-SP, por meio da qual inocentou os pais de uma menina pela morte de sua filha de 13 anos por recusa à transfusão de sangue que se fazia necessária. A decisão até então estaria irretocável não fosse a responsabilização - destaca-se, exclusiva - dos médicos por supostamente (i) não ter desrespeitado a vontade do paciente e/ou de seu representante legal em prol da vida e (ii) não utilizar de todos os métodos que estavam à sua disposição para salvar a vida da criança.

Com todo o devido respeito e acatamento, a r. decisão do STJ equivocou-se em diversos aspectos. A começar pela invocação de supostas violações por parte dos médicos do quanto disposto nos arts. 31 e 32 do Código de Ética Médica em vigor em 2009 ("CEM"). Segundo consta da r. decisão, os médicos teriam o dever de (i) desrespeitar o direito do paciente e/ou de seu representante legal em caso de iminente risco de morte e (ii) usar todos os meios disponíveis de diagnósticos e tratamentos ao seu alcance em favor do paciente.

No nosso respeitoso entendimento, a interpretação dada aos artigos do CEM é totalmente equivocada.

Em primeiro lugar, o art. 31 do CEM em momento algum cria um "dever" de o médico desrespeitar a escolha do paciente em caso de iminente risco de morte. Tal dispositivo, a bem da verdade, apenas confere uma faculdade ao médico de desrespeitar a escolha do paciente e/ou de seu representante legal em prol da vida, mas em momento algum cria uma obrigação. Afinal, o que não é "vedado" é "permitido". Confira-se:

"É vedado ao médico:
Art. 31. Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte."

Caso o médico queira desrespeitar a vontade do paciente e realizar a transfusão, é certo que o médico está amparado do ponto de vista ético-profissional. Caso queira o médico respeitar a vontade do paciente, também é direito não só do médico, como do próprio paciente, ter sua vontade respeitada.

A interpretação dada pela r. decisão do STJ cria uma obrigação onde não há. Quisesse o Conselho Federal de Medicina estabelecer essa obrigação ética sugerida pela r. decisão do STJ, teria expressamente estabelecido essa obrigação no referido dispositivo, o que não foi feito. E se não há obrigação expressa, não se pode exigir que o médico tenha essa obrigação. Afinal, medidas restritivas de direito exigem interpretação restritiva. Trata-se apenas de uma permissão ao médico desrespeitar a vontade do paciente, não uma obrigação.

Em segundo lugar, em momento algum os médicos deixaram de observar todos os meios e recursos que estavam à sua disposição e ao seu alcance em favor do paciente. A bem da verdade, a transfusão de sangue não era um recurso posto à disposição dos médicos e/ou ao seu alcance, na medida em que os responsáveis legais pelo paciente expressamente não autorizaram a utilização desse recurso. Portanto, em momento algum se tratou de um recurso à disposição do médico, não havendo que se falar em violação do art. 32 do CEM.

Nesse sentido, os médicos não violaram qualquer dever ético-profissional ao respeitar a vontade do paciente e/ou de seu representante legal para que não fosse realizada a transfusão de sangue.

Diferentemente seria se o médico, mesmo ciente de que o paciente era testemunha de jeová, não tivesse condição de obter dele ou de seu responsável legal a autorização para não realizar a transfusão. Nesse caso, o médico deveria, sim, realizar a transfusão, para salvaguardar a vida do paciente. Não foi o caso. Havia determinação expressa dos responsáveis legais da menina para que não fosse realizada a transfusão.

Nesse caso, ao contrário do que constou da r. decisão, o médico deveria ter o direito de respeitar o direito da pessoa de seguir livremente sua religião. O STJ, no entanto, invocou o direito à liberdade de religião para inocentar os pais, mas impôs limites a essa liberdade ao obrigar o médico a desrespeitar a escolha religiosa do paciente. Afinal, com essa decisão, seja por qual motivo for, o médico fará a transfusão de sangue, queira o paciente ou não.

É importante destacar que, embora invocado na decisão como fundamento, o direito à vida nada mais é do que um direito do cidadão, não um dever. É garantido constitucionalmente seu direito de viver, assim como é garantido seu direito de escolher e seguir livremente sua religião. Se o paciente não quer viver em função de uma orientação religiosa, não pode ser lhe imposto a vida como uma obrigação, tampouco responsabilizar alguém por uma escolha única e tão somente do paciente e/ou de quem tem legalmente poderes para decidir por ele.

Como se pode ver, trata-se de uma clara intervenção do Estado na liberdade do cidadão que, ao final e ao cabo, viola a garantia fundamental de liberdade religiosa das testemunhas de jeová.

Apenas a título de exemplo, é importante mencionar a ortotanásia como uma situação de respeito e observância à vontade do paciente e/ou de seu responsável legal, sem que haja responsabilidade do médico. Nesse caso, o paciente escolhe não ser submetido a métodos e/ou recursos para manutenção forçada de sua vida (distanásia), em casos irrecuperáveis, ainda que estejam cientificamente disponíveis aos médicos e ainda que haja risco iminente de morte. Nesse caso, o médico deve observar a vontade do paciente, ainda que tal conduta leve-o à morte. Não pode ser diferente no caso das transfusões de sangue de testemunhas de jeová.

Responsabilizar o médico por essa situação serve apenas para se achar um culpado para um fato que não há culpado. Nem os pais são culpados, nem o paciente, tampouco o médico, que simplesmente observou uma garantia fundamental do cidadão e respeitou todas as normas éticas a ele aplicadas.

Trata-se de uma crença que deveria ser respeitada tanto pelos médicos, como principalmente pelos Tribunais pátrios, o que implicaria necessariamente em isenção total de responsabilidade do médico. Nada obstante, enquanto o primeiro demonstra respeito pelo direito da pessoa, o segundo não só desrespeita como cria um intransponível obstáculo à observância da liberdade religiosa pelos médicos.

Além disso, não se pode olvidar que o CEM sequer tem força de lei para caracterizar ato ilícito a ensejar a responsabilidade civil ou criminal do médico. Uma violação pelo médico do CEM deveria gerar apenas responsabilidade profissional perante o Conselho Regional de Medicina em que o médico está inscrito, mas não a responsabilidade civil, salvo quando a violação do CEM gerasse também uma violação da lei. Seria o caso, por exemplo, de quem age com culpa e causa dano a outrem, o que viola concomitantemente o art. 1º, Cap. III, do CEM, e o art. 186 do CC.

Nesse caso, sequer há culpa, quanto mais dolo, do médico a ensejar responsabilidade civil ou criminal, na medida em que agiu segundo a vontade do paciente ou de quem poderia por ele declará-la. Em outras palavras, não houve por parte do médico negligência, imprudência, imperícia, tampouco vontade intencional de levar o paciente à morte, a ensejar a responsabilidade civil e/ou criminal do profissional.

Destaca-se que não se trata de um caso em que o paciente não tem condições técnicas e/ou psicológicas de avaliar sobre a transfusão de sangue, situação em que a perícia do médico exigir-lhe-ia que ele adotasse o procedimento. As testemunhas de jeová conhecem muito bem o que ocorre com a transfusão e a sua necessidade, bem como os riscos de não realizá-la, uma vez que isso é debatido intensamente na própria igreja.

Pelo exposto, em nossa modesta opinião, ainda que tenha aparentemente tentado garantir a liberdade de religião às testemunhas de jeová, a decisão do STJ, a bem da verdade, violou o direito fundamental garantido a todos os cidadãos de seguir livremente sua religião, uma vez que tal decisão obriga o médico a ignorar a liberdade de escolha do paciente e promover a transfusão de sangue independentemente de suas convicções religiosas. E tudo isso com base em interpretações totalmente equivocadas do CEM.

_________________

*Wilson L. Vollet Filho é sócio do escritório Vollet Filho, Alves Santos & Iegoroff Advogados.

Atualizado em: 9/2/2017 11:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Publicidade