quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os direitos reconhecidos judicialmente aos motoristas e cobradores de ônibus de transporte público

Algumas situações jurídicas se repetem diariamente diante da rotina de trabalho desses motoristas e cobradores, principalmente no que refere à jornada de trabalho.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

A Justiça do Trabalho tem reconhecido direitos importantes aos motoristas e cobradores de ônibus de transporte público de acordo com cada caso vivenciado. No entanto, algumas situações jurídicas se repetem diariamente diante da rotina de trabalho desses motoristas e cobradores, principalmente no que refere à jornada de trabalho.

Nem sempre a anotação de jornada nos controles oficiais das empresas de ônibus compreende a jornada do trabalhador, que eventualmente se desloca à garagem para retirada do veículo em minutos que nem sempre são anotados, e que demanda prova robusta do empregado na Justiça do Trabalho, seja por meio de testemunhas, seja por meio de outras provas que consigam demonstrar a real jornada de trabalho.

De decisões recentes, colhe-se o trecho de sentença de boa lavra do juiz do Trabalho da 4ª Vara de Londrina/PR, dr. Everton Gonçalves Dutra: "Diante do conjunto probatório, verifico que a jornada de trabalho efetivamente cumprida pelo autor realmente não é aquela anotada nas anotações de ponto juntadas com a defesa. Ponderável esta conclusão na medida em que o exame dos controles de ponto trazem uma anotação de início da jornada sem qualquer variação, ou seja, não correspondem à realidade dos horários efetivamente cumpridos. Se assim fosse, obviamente trariam variações de minutos - porque intuitivo que o empregado nunca inicia sua jornada exatamente no horário previsto para começo da "pegada" (linha)". (Processo RT-09909-2013-663-09-00-9)

E ainda, como consequência da jornada que ultrapassa o limite diário (em jornada, p.ex, de seis horas diárias), também a Justiça do Trabalho tem reconhecido o direito do recebimento do valor equivalente à uma hora de intervalo intrajornada suprimido (que o motorista não descansa), em face da rotina de trabalho, sendo vedado pelo art. 71, da CLT, concessão de intervalo inferior a uma hora, para jornada diária que ultrapassa seis horas.

No mesmo sentido, em caso semelhante, assim decidiu a Justiça do Trabalho de Londrina (entendimento aplicável em diversas Varas de Trabalho e TRTs pelo Brasil): "Perfilho o entendimento de que é nula qualquer disposição, expressa ou tática, ainda que coletiva, tendente a reduzir ou estipular uma remuneração compensatória pela supressão do tempo mínimo legalmente estabelecido e destinado à descanso durante a jornada (CLT, art. 71)". (Processo RTOrd - 11424-2014-018-09-00-2)

Portanto, tanto os motoristas quanto os cobradores de ônibus de transporte público devem estar atentos à jornada de trabalho que realmente cumprem, e buscar os seus direitos na Justiça do Trabalho com provas adequadas para o reconhecimento de direitos importantes.

Nada mais justo, vez que esses trabalhadores se dedicam diariamente ao trabalho que demanda dedicação plena (praticamente uma vida dedicada à empresa), prestando serviço de excelente qualidade à população de diversas cidades.

___________

*Vitor Ferreira de Campos é advogado em Londrina/PR.


Atualizado em: 24/2/2017 08:59

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Publicidade