terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Doação eleitoral, regular ou irregular, e crime de corrupção

É preciso perquirir se à caracterização do crime de corrupção basta a ilegalidade da forma pela qual efetuada a contribuição eleitoral ou a ilicitude da origem dos recursos em que se consubstancia.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Desde o último dia 7, quando a 2ª Turma do STF recebeu denúncia oferecida contra determinado membro do Congresso Nacional e assessores "por corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo o MPF, o senador, com auxílio de dois assessores, solicitou e recebeu vantagem indevida de R$ 500 mil, destinada à campanha ao Senado. O valor teria vindo do esquema de corrupção da Petrobras (...). A propina foi paga, segundo o parquet, sob 'disfarce de doações eleitorais oficiais' (...) A defesa (...) alegou que o dinheiro foi doação oficial de campanha, devidamente declarada à Justiça Eleitoral, e que a denúncia do MPF baseia-se apenas nas delações premiadas (...)"1, diariamente estampa a mídia notícias, comentários, reportagens e opiniões sobre doação eleitoral, oficial ou não, corrupção e lavagem de capitais.

O supracitado caso criminal serve, aqui, apenas como ponto de partida para a aferição, no campo teórico, do caráter da relação entre doação eleitoral e corrupção.

Noutra forma de expressão, é preciso perquirir se à caracterização do crime de corrupção basta a ilegalidade da forma pela qual efetuada a contribuição eleitoral ou a ilicitude da origem dos recursos em que se consubstancia.

Não se exige, para o aperfeiçoamento típico da corrupção, que a 'propina' - seja a meramente prometida, seja a efetivamente entregue e recebida - guarde procedência ilícita; isto é, que se trate de dinheiro proveniente de outra infração penal.

Presta-se à configuração da corrupção tanto a 'propina' consistente em pecúnia que o corruptor tenha anteriormente recebido, por exemplo, pela venda de entorpecente, como a que haja percebido pela regular prestação de tal ou qual serviço lícito.

A proveniência ilícita dos recursos ou a utilização de 'caixa 2' trazem a desenho, teoricamente, outros tipos penais, como o de lavagem de capitais, o de crime contra a ordem tributária, o do artigo 350 do Código Eleitoral; todos, no entanto, a depender da materialização dos demais componentes dos respectivos figurinos legais.

Frise-se, pois: o perfazimento do tipo penal da corrupção, tanto ativa, como passiva, independe da origem do dinheiro em que se materialize a vantagem indevida, concreta ou potencial, que compõe o ponto nuclear da correlata incriminação legal.

O essencial, para o crime de corrupção, é que a promessa ou a entrega da vantagem econômica, de um lado, e a aceitação ou o recebimento, de outro, guardem relação com a função do servidor público que a solicita ou recebe, para si ou para outrem, ou a quem seja ela prometida ou oferecida em troca da prática, omissão ou retardamento de 'ato de ofício'.

Ainda que não seja imprescindível, para a corporalização do crime de corrupção, que o funcionário público efetivamente pratique, deixe de praticar ou retarde o 'ato de ofício' visado, afigura-se impreterível não apenas integrar ele o rol de suas atribuições funcionais, como também representar, ainda que apenas potencialmente, a contrapartida da vantagem indevida constitutiva do objeto das condutas nucleares dos respectivos arquétipos legais.

Isto, mesmo após a distensão interpretativa dos arquétipos de corrupção levada a efeito pelo STF no julgamento do 'Mensalão' - AP 470: "Como amplamente divulgado nas mídias falada e escrita, o Plenário da Corte Suprema deliberou que é bastante para a configuração do ilícito o mero recebimento de vantagem indevida por funcionário público, dispensando-se a precisa identificação do ato de ofício a ser praticado. Segundo o novo posicionamento, basta que se demonstre o recebimento de vantagem indevida, subentendendo-se a possibilidade da prática de ato comissivo ou omissivo, desde que este esteja na esfera de atribuições do funcionário".2

Logo, nem a regularidade ou não da forma pela qual se realize a doação eleitoral, nem a licitude ou não da origem dos respectivos recursos interferem na tipicidade do delito de corrupção, centrada, com efeito, no binômio vantagem indevida - ato de ofício.

De maneira mais descongestionada, não há relação necessária ou - e menos ainda - automática entre doação eleitoral marcada pela origem ilícita dos recursos ou processada, tanto na partida, como no destino, no campo do denominado 'caixa 2' e corrupção.

Assim como, inversamente, doação eleitoral de valores com proveniência lícita e, mais, regularmente efetuada, recebida e contabilizada não exclui, a priori, a possibilidade de intercorrência do delito de corrupção.

Enfim - e como assinalam os penalistas Alaor Leite e Adriano Teixeira, mestres e doutorandos na Universidade Ludwig Maximilian, de Munique: "Dito mais concretamente, é possível falar em corrupção em casos em que a doação foi regular segundo os padrões do direito eleitoral e, inversamente, é perfeitamente possível chegar-se à conclusão de que não houve corrupção em casos de doações vultosas e irregulares. A discussão é mais complexa do que fazem crer as apressadas associações referidas, pois exige uma intensa reflexão sobre o conceito de vantagem indevida e também sobre a necessidade de uma conexão entre a vantagem e o exercício da função, o chamado "pacto de injusto" da corrupção. O que se pode adiantar é que a doação irregular, seguida ou não da constituição de um caixa dois, pode ser, no máximo, ato executório, por exemplo, de lavagem de dinheiro ou um ato preparatório para o cometimento de um número indeterminado de delitos, que podem ser de corrupção ou não, de modo que essa conduta pode ser empírica, mas não conceitualmente próxima da corrupção (...) O nosso ponto aqui é, repita-se: doações ilegais podem servir de indício, mas não constituem por si só crime de corrupção e doações legais não excluem de antemão a realização dos tipos penais de corrupção."3

______________

1 Senador Valdir Raupp vira réu no STF por corrupção passiva e lavagem (7/03/17)
2 Parecer da Procuradoria Regional da República - 2ª Região no HC 8823/RJ - TRF2.
3 "Nem toda doação irregular a caixa dois é crime de corrupção".

______________

*Leônidas Scholz é sócio da Advocacia Criminal Leônidas Scholz , ex-professor de Direito Penal e pós-graduado em Processo Penal.

Atualizado em: 22/3/2017 12:36

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade