segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Transportes de passageiros e licitação

A Constituição da República impôs a obrigatoriedade do processo licitatório para todos os contratos celebrados pela administração pública, ressalvando algumas poucas exceções.

quarta-feira, 7 de junho de 2006


Transportes de passageiros e licitação


Sérgio Roxo da Fonseca*


A Constituição da República impôs a obrigatoriedade do processo licitatório para todos os contratos celebrados pela administração pública, ressalvando algumas poucas exceções.


Para se usar uma expressão de hoje, a norma constitucional submeteu os contratos administrativos à lei do mercado, proclamando que, se todos são iguais perante a lei, não tem a administração pública o direito de escolher livremente um proponente dos demais para celebrar contratos ou para prorrogar os já existentes.


É escusado dizer que a aplicação do princípio licitatório, se gerou perplexidades em muitas áreas, trouxe enormes dificuldades exatamente quando as empresas contratadas são levadas a proceder à aplicação de recursos de grande monta, como, por exemplo, em área de transporte de passageiros.


A dificuldade merece ser destacada, contudo, não tem e nem poderia ter o condão de derrogar regra expressa da Constituição da República. Se houve no passado recente alguma trepidação, a tendência é expurgá-la, impondo a todos os interessados as regras de mercado.


Recentemente dois julgados adotaram tal posição.


O Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial 617.147 do Paraná, DJ de 25.4.2005, relatado pelo Ministro Luiz Fux consagrou o princípio da obrigatoriedade da licitação. Tratava-se de alteração de linha. São palavras extraídas do acórdão: "A Turma deu provimento ao recurso da União, conhecendo parcialmente do recurso das outras empresas (litisconsortes passivas), dando-lhe provimento para reconhecer a necessidade de licitação para qualquer alteração referente à linha. Outrossim, a demora na apreciação do pedido de autorização para exploração das referidas seções não pode superar a obrigatoriedade da licitação".


Na mesma direção está o acórdão do Supremo Tribunal Federal do qual se extraiu a seguinte orientação jurisprudencial: "Asseverou-se que a observância do procedimento licitatório é o único adequado a garantir a efetiva proteção do interesse público e que a omissão administrativa poderia, quando muito, resultar em responsabilização na esfera administrativa ou determinação judicial para a realização de certame, mas não justificar a legitimação de uma única empresa para a exploração direta do serviço." (Supremo Tribunal Federal, Recurso Extraordinário 264621, do Ceará, relator Ministro Joaquim Barbosa, em 1.2.2005).


Conclui-se que o magistério jurisprudencial inclina-se por impor rigidamente o dever de licitar em matéria de transportes de passageiros, exigindo agora obediência à norma constitucional em vigor desde 1988.

_______________





*Procurador de Justiça aposentado do Ministério Público de São Paulo, professor das Faculdades de Direito da UNESP e do COC e advogado.





________________

Atualizado em: 6/6/2006 11:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade