domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os sindicatos no Brasil

Há, como se diz, uma indústria de sindicatos, formalizados por assembleias com pequeno número de associados e com estatutos incompreensíveis, buscando a contribuição gorda do imposto sindical.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Há três níveis na estrutura sindical do Brasil: sindicato, federação, que é a reunião de um mínimo de cinco sindicatos e a confederação, união de um mínimo de três federações, de acordo com o art. 533 segs da CLT.

O número de sindicatos é desenfreado e sem controle, superando, em muito, as necessidades dos associados; esse desregramento prende-se aos abusos com a criação de sindicatos de toda natureza, prestando mais para atender a interesses pessoais dos seus líderes do que para atuar na defesa dos direitos dos trabalhadores. A corrupção, o nepotismo e até as mortes, na disputa de cargos, é marca registrada em muitos sindicatos; olhem-se em volta e verá que a diretoria de seu sindicato é reeleita por anos sucessivos; calcula-se que até início do corrente ano, metade do total de sindicatos, mantinha os mesmos presidentes e diretorias há mais de 10 anos no poder. É como diz Dominguinhos, na sua música: "Isso aqui tá bom demais, quem tá fora quer entrar, mas quem tá dentro não sai".

O erro começa pela grande quantidade; o Brasil está bem à frente, pois possui 16.431 sindicatos, dos quais 11.257 de trabalhadores e 5.174 de empregadores, sem contar as confederações, as federações, as centrais sindicais e as associações ou conselhos de classe. O quantitativo com esses outros segmentos sobe para 17 mil. Assusta-se, quando se compara com outros países: a África do Sul e os Estados Unidos são os que mais aproximam-se do Brasil, com mais de 80 vezes menos; a África com apenas 191 sindicatos; os Estados Unidos possuem 190; Reino Unido 168, Dinamarca, 164, Argentina, 91.

Há sindicatos de toda espécie, a exemplo de um sindicato de sindicato em São Paulo: "Sindicato dos Empregados em Entidades Sindicais do Estado de São Paulo"; "Sindicato das Indústrias de Camisas para Homens e Roupas Brancas de Confecção e Chapéus de Senhoras do Município do Rio de Janeiro" ou o "Sindicato da Indústria de Guarda-Chuvas e Bengalas de São Paulo".

A CUT, que recebeu R$ 51 milhões somente de contribuição sindical, no ano passado, ainda cobra valor mensal dos mais de 2 mil sindicatos associados; essa situação presta-se mais para obter benefícios pessoais, "caçar renda" e influência junto aos partidos políticos do que mesmo para desempenhar a atividade anotada na lei.

Nos últimos anos foram criados, em media 250 sindicatos por ano e mais de 2 mil esperam o registro, objetivando arrecadar dinheiro para os líderes com o uso ao seu bem prazer da "contribuição obrigatória". As leis anacrônicas que regem a atividade sindical permite a criação de um sindicato por município e por categoria.

Os sindicatos eram obrigados a prestar contas a uma Comissão de Sindicalização do Ministério do Trabalho, de conformidade com o art. 578/9 da CLT; essa obrigatoriedade, entretanto, foi revogada pela Constituição de 1988, quando impediu a interferência do Poder Público na vida dos sindicatos, mas manteve a compulsoriedade do imposto sindical. Assim, as arrecadações determinadas pelo Poder Público, não podem ser fiscalizadas pelo órgão que lhes concede o benefício.

A lei 11.648/08 adicionou as centrais sindicais para receber o benefício do imposto sindical, mas o então presidente Luis Inácio Lula da Silva vetou o art. 6º, que dispunha sobre a prestação de contas, deixando que as diretorias dessas entidades apliquem ou usem o dinheiro da forma que quiserem.

A manutenção dos sindicatos não se esgota com essas contribuições, instituídas pelo governo Vargas e até hoje vigente; há facilidades concedidas pelo Poder Público para obtenção de outras verbas. Os empregadores arrecadam a contribuição sindical em janeiro e os trabalhadores em abril; todos os trabalhadores, mesmo os que não são sindicalizados, recebem seus salários com o desconto de um dia, no mês de abril; os funcionários públicos não pagavam, mas a partir de fevereiro/17 passaram também a contribuir; no ano de 2016, os sindicatos recolheram compulsoriamente dos trabalhadores e dos empregadores a importância de R$ 3.5 bilhões. É a maior fonte de receita dos sindicatos.

Há, como se diz, uma indústria de sindicatos, formalizados por assembleias com pequeno número de associados e com estatutos incompreensíveis, buscando a contribuição gorda do imposto sindical.

______________

*Antonio Pessoa Cardoso é sócio do escritório Pessoa Cardoso Advogados.

Atualizado em: 15/5/2017 08:46

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Marcelo Mazzola

Migalheiro desde 2015

Germano de Sordi

Migalheiro desde 2004

Ruslan Stuchi

Migalheiro desde 2019

Emília Malgueiro Campos

Migalheira desde 2006

Marçal Justen Neto

Migalheiro desde 2007

José Fernando Simão

Migalheiro desde 2020

Fábio Scopel Vanin

Migalheiro desde 2020

Renato Gouvêa dos Reis

Migalheiro desde 2020

Getúlio José Uba Filho

Migalheiro desde 2020

Henrique Richter Caron

Migalheiro desde 2019

Renato José Cury

Migalheiro desde 2004

Publicidade