sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

As unidades produtivas isoladas na recuperação judicial

Em decorrência da crise econômica pela qual tem passado o Brasil nos últimos anos, o número de casos de recuperação judicial e falência sofreu grande aumento.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Em decorrência da crise econômica pela qual tem passado o Brasil nos últimos anos, o número de casos de recuperação judicial e falência sofreu grande aumento, conforme dados divulgados pelo Serasa em 3 de janeiro de 2017:

Em razão de tal considerável aumento, o instituto da recuperação judicial, previsto na lei 11.101 de 9 de fevereiro de 2005, passou a ganhar destaque. Nesse contexto, importa ressaltar o artigo 47 da referida lei, o qual prevê de forma clara o objetivo da recuperação judicial. Vejamos:

"Art. 47. A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica".

O legislador por meio do artigo supratranscrito deixou evidente que o objetivo da recuperação judicial consiste na preservação da empresa, por meio da superação das eventuais crises financeiras por ela enfrentadas, visando à manutenção de empregos, a proteção dos interesses de credores e a preservação da função social da empresa.

Nesse sentido, para alcançar tal objetivo, o legislador previu no artigo 60 da referida lei a possibilidade de venda de "unidades produtivas isoladas" ("UPI") na recuperação judicial como uma das medidas a serem adotadas para o soerguimento da empresa, quando o plano de recuperação assim permita:

"Art. 60. Se o plano de recuperação judicial aprovado envolver alienação judicial de filiais ou de unidades produtivas isoladas do devedor, o juiz ordenará a sua realização, observado o disposto no art. 142 desta lei."
Parágrafo único. O objeto da alienação estará livre de qualquer ônus e não haverá sucessão do arrematante nas obrigações do devedor, inclusive as de natureza tributária, observado o disposto no § 1o do art. 141 desta lei".

Dessa forma, por meio do referido dispositivo legal o legislador buscou criar mais uma forma de as empresas em difícil situação econômico-financeira captarem recursos e, assim, terem fluxo de caixa para desenvolver sua atividade econômica e recuperarem-se nos planos fático e jurídico.

Nessa esteira, importa destacar o disposto no parágrafo único do artigo 60 acima mencionado, o qual prevê um estímulo para a aquisição UPIs por eventuais interessados, qual seja, a liberação das obrigações e dos ônus da UPI adquirida, não acarretando, dessa maneira, a sucessão de débitos atrelados à UPI arrematada.

Observa-se que o fracionamento dos bens da empresa em recuperação em UPIs e sua venda tem sido utilizada por grandes empresas e, consequentemente com grande frequência, tem sido possível encontrar jurisprudências sobre tal medida:

EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO - RECUPERAÇÃO JUDICIAL - ALTERAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO - CONVOCAÇÃO DE NOVA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES - NECESSIDADE. 1. A Assembleia Geral de Credores é um órgão fundamental da Recuperação Judicial, que possui papel deliberativo e expressa a vontade da maioria dos diversos credores da empresa, dispondo a lei 11.101/05 que cumpre a tal órgão deliberar sobre a modificação do plano de recuperação judicial apresentado pelo devedor (artigo 35, I). 2. Na hipótese, a venda dos imóveis necessariamente em conjunto foi proposta pela própria
agravada e aprovada pela Assembleia Geral de Credores, órgão que deve analisar se, de fato, a alteração na forma da venda da Unidade Produtiva Isolada composta pelas fazendas irá atender ao melhor interesse dos credores. (Clique aqui
)

Ocorre que, apesar da boa intenção do legislador o termo "unidade produtiva isolada" não ficou bem definido, gerando assim, divergências quanto ao seu real significado. Assim, para que se possa identificar se a venda de um determinado bem se enquadra no conceito de "unidade produtiva isolada", importante é a análise do objetivo da venda pretendida, ou seja, se a alienação da UPI objetiva apenas a transferência de bens sem a sucessão do adquirente nas obrigações do devedor ou se constitui um meio pautado em critérios econômicos visando, de fato, a recuperação da empresa.

Ainda, importa destacar que o STF, por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.934-2 DF, já se manifestou quanto à constitucionalidade do artigo 60 acima mencionado, no que tange à ausência de sucessão quando da alienação de unidades produtivas isoladas. Vejamos trechos do voto do Min. Ricardo Lewandowski que justificam a sua decisão:

"Conheço, pois, da ação, adiantando, todavia, que não identifico a inconstitucionalidade aventada pelo requerente quanto aos arts. 60, parágrafo único, e 141, II, da lei 11.101/05".

"No caso, o papel do legislador infraconstitucional resumiu-se a escolher dentre os distintos valores e princípios constitucionais, igualmente aplicáveis à espécie, aqueles que entendeu mais idôneos para disciplinar a recuperação judicial e a falência das empresas, de maneira a assegurar-lhes a maior expansão possível, tendo em conta o contexto fático e jurídico com o qual se defrontou.".

"Isso porque o processo falimentar, nele compreendido a recuperação das empresas em dificuldades, objetiva, em última análise, saldar o seu passivo mediante a realização do respectivo patrimônio. Para tanto, todos os credores são reunidos segundo uma ordem pré-determinada, em consonância com a natureza do crédito de que são detentores. O referido processo tem em mira não somente contribuir para que a empresa vergastada por uma crise econômica ou financeira possa superá-la, eventualmente, mas também busca preservar, o mais possível, os vínculos trabalhistas e a cadeia de fornecedores com os quais ela guarda verdadeira relação simbiótica".

"Por essas razões, entendo que os arts. 60, parágrafo único, e 141, II, do texto legal em comento mostram-se constitucionalmente hígidos no aspecto em que estabelecem a inocorrência de sucessão dos créditos trabalhistas, particularmente porque o legislador ordinário, ao concebê-los, optou por dar concreção a determinados valores constitucionais, a saber, a livre iniciativa e a função social da propriedade - de cujas manifestações a empresa é uma das mais conspícuas - em detrimento de outros, com igual densidade axiológica, eis que os reputou mais adequados ao tratamento da matéria".

Diante do exposto fica clara a intenção do legislador ao prever a possibilidade da alienação de unidades produtivas por empresas, cujo objetivo seja a sua recuperação econômico-financeira. Cabe ressaltar o risco de tal artigo ser utilizado de forma a esvaziar o patrimônio da empresa e, consequentemente, inviabilizar a sua atividade econômica ou, valer-se de tal instrumento com o objetivo que não o previsto no art. 60 acima transcrito. Nestes casos, a jurisprudência tem reconhecido a sucessão trabalhista.

Ementa: RECUPERAÇÃO JUDICIAL. UNIDADE PRODUTIVA ISOLADA. CISÃO DAS EMPRESAS RECUPERANDAS. SUCESSÃO TRABALHISTA. POSSIBILIDADE. Ainda que se trate de empresas envolvidas em processo de recuperação judicial, é possível o reconhecimento de sucessão quando as unidades produtivas são alienadas judicialmente para empresas criadas a partir da cisão das empresas recuperandas, permanecendo sob o controle do mesmo conglomerado econômico, a revelar mera reestruturação societária. Inteligência do inciso I do § 1º do art. 141 da lei 11.101 /05. (Fonte: Clique aqui)

Contudo, a falta de uma definição precisa quanto ao escopo de abrangência de UPI gera grande insegurança jurídica no que tange a uma possível desconsideração da aquisição como aquisição de UPI e a consequente sucessão da empresa adquirente nas obrigações da empresa alienante.

O que se observa atualmente, é que a jurisprudência tem se posicionado de maneira favorável à alienação de UPIs por empresas em recuperação judicial, como bem se observa nas decisões proferidas pelo TST, por meio das quais fica claro o posicionamento de tal tribunal em afastar a sucessão do adquirente de UPIs em obrigações trabalhistas incorridas pela empresa alienante.

Ementa I- AGRAVO DE INSTRUMENTO. EMPRESA EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL. ALIENAÇÃO DE UNIDADE PRODUTIVA ISOLADA. SUCESSÃO NAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS. VIOLAÇÃO AO ARTIGO 60, PARÁGRAFO ÚNICO, DA LEI 11.101/05. 1. Fato incontroverso, a agravante adquiriu a unidade produtiva pertencente à primitiva empregadora, ora em recuperação judicial.

2. A jurisprudência deste Tribunal Superior, na esteira do entendimento adotado pelo e. STF, vem se orientando no sentido de que a decisão judicial que reconhece a sucessão de empregadores, como resultante da aquisição de unidade produtiva isolada titulada por empresa em recuperação judicial, viola o artigo 60, parágrafo único, da Lei 11.101/05, que declara que, em tais casos, não haverá sucessão nas obrigações do devedor. [...]" (Fonte: Clique aqui)

Assim, indiscutível é a grande relevância da possibilidade de alienação de UPIs por empresas em recuperação judicial, principalmente no atual momento de crise econômica pelo qual passa o País, concretizando-se, dessa forma, como importante instrumento para viabilizar a recuperação de empresas. Não se pode olvidar, no entanto, a necessidade de haver uma definição precisa quanto ao conceito e escopo de abrangência de UPI, a fim de que os interessados na sua aquisição possam ter segurança no ato.

_____________

*Daniela Ghader e Silva é advogada da equipe de Consultoria Empresarial do escritório Chenut Oliveira Santiago Sociedade de Advogados.

Atualizado em: 12/6/2017 07:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade