quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Comarcas, só com dinheiro

A renda da comarca, no raciocínio dessa gente, constitui o alicerce para a instalação ou manutenção da "unidade de divisão judiciária autônoma".

quinta-feira, 29 de junho de 2017

No mundo capitalista selvagem no qual vivemos, envolvido por desenfreada corrupção, o dinheiro e o poder constituem a base para a manipulação da vida do cidadão. O dinheiro, em busca do poder, tem servido para comprar consciências, para socorrer bandidos e para desgraçar com a honestidade dos homens de bem. Nada mais atual do que a expressão de Ruy Barbosa: "De tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a rir-se da honra, desanimar-se de justiça e ter vergonha de ser honesto".

Os poderes Executivo e Legislativo no plano Federal, Estadual e Municipal transformaram-se num lamaçal, onde poucos se salvam. E o pior é que, as "lições" oferecidas por empresários ou políticos, difundidas em profusão na imprensa falada e escrita, são copiadas e praticadas nas grandes e pequenas cidades.

Os municípios, células menores da divisão politico-administrativa do país, as comarcas, partição menor da organização Judiciária dos tribunais, navegam sem rumo. Os poderes Legislativo e Executivo estão presentes em cada uma das mais de 5.500 cidades do país, mas o Judiciário, tão requisitado pelo povo, distancia-se cada vez mais da população.

Dentre os serviços essenciais, prestados pelo Estado ao cidadão, insere-se o ofício do Judiciário, que se destina a proteger o direito violado, principalmente dos menos favorecidos, porque os mais visados pela sanha dos gananciosos. Descobre-se, entretanto, que essa lógica não funciona, porquanto o próprio Judiciário fecha as portas de fóruns nas cidades mais pobres e mais necessitadas.

O Conselho Nacional de Justiça, responsável pelo aumento de férias dos juízes de 60 para 75 dias, passou a instruir aos presidentes dos tribunais dos Estados para desativar comarcas que não rendem o suficiente para suportar as despesas da unidade. Tudo gira em torno do dinheiro, sem se aquilatar das reais privações da gente humilde que continua oprimida e cada vez mais, diante de obstáculos para ter acesso à Justiça. Já não basta a falta de juízes, de servidores, de estrutura, de defensores públicos, de promotores; investem contra a existência de comarcas, criadas centenas de anos atrás.

Nenhuma autoridade dos poderes constituídos levanta a voz contra essa ignominia, essa insólita e canhestra orientação. Todos obedecem cegamente à recomendação que vem de cima.

Será que o CNJ não sabe que o lucro da empresa "Tribunal S/A" é constituído de "serviços" e não de rendimento do dinheiro? Por que o Judiciário não dispõe de órgãos administrativos, deixando a diretoria dos tribunais competentes somente para a atividade jurisdicional? Isso é o que ocorre com grandes países, como Estados Unidos, e médios, como o Chile. No Brasil, as diretorias dos tribunais, que nada ou pouco sabem sobre administração, passam de uma hora para outra a gerir volumosos recursos e acontece o choque entre uma diretoria que abre comarcas e outra que fecha comarcas.

A renda da comarca, no raciocínio dessa gente, constitui o alicerce para a instalação ou manutenção da "unidade de divisão judiciária autônoma". Não se importa com a Constituição do Estado ou com a lei de organização judiciária que assenta a premissa:

"Entende-se como Comarca Não-Instalada, todo município que ainda não seja sede de Comarca".

Isso está escrito na lei de organização judiciária, art. 15, § 1º, inc. VIII, elaborada por desembargadores do TJ/BA e ratificada pela Assembleia Legislativa.

E para que serve a Constituição do Estado, quando estabelece:

Art. 121 - "A cada Município corresponderá uma comarca, dependente a sua instalação de requisitos e condições instituídos por lei de organização judiciária".

De nada vale; nem se fala na criação, mas no fechamento daquelas que foram criadas, observando as leis que tratam do assunto, respeitando todos os requisitos legais; açodadamente, o TJ/BA resolve desativar, sangrando o direito do povo de ter acesso à Justiça.

Já disse e vou repetir para evitar o argumento de que são lacradas unidades que tem pouco movimento:

Uma escola só funciona se tem professor e estrutura para atender aos alunos; um hospital só desempenha sua atribuição, se dispor de médicos, enfermeiros e de toda a infraestrutura necessária; uma empresa privada só produz lucros se tem produtos para venda, se dispõe de funcionários em quantidade suficiente para atender à clientela. Enfim, não se pode fechar uma empresa, sob a justificativa de que não dá lucro, se não há mercadoria para venda, nem dispõe de funcionários suficientes para atender à demanda; um hospital não pode ser desativado porque é composto por poucos pacientes, se não tem médicos, nem enfermeiros; uma escola não pode ser desmontada se não tem professores; da mesma forma, uma comarca não pode nem deve ser fechada porque tem poucas demandas judiciais.

Cinco anos depois das desativações/agregações, 66 unidades, acumulada com 25 varas fechadas, deixam às populações dessas comarcas, quase um milhão de jurisdicionados padecerem pelos obstáculos criados para acessar a Justiça. E o pior é que os serviços em todas elas, que já não eram bons, arruinaram, porque sem alteração alguma na estrutura. Os servidores aposentam-se pelo desencanto e pela estafa no trabalho, os juízes enlouquecem com substituições em comarcas distantes 500 ou mais quilômetros.

____________

*Antonio Pessoa Cardoso é desembargador aposentado e advogado do escritório Pessoa Cardoso Advogados.

Atualizado em: 29/6/2017 08:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Publicidade