terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A responsabilidade objetiva do Estado

Wanessa Felix de Almeida

O Estado é responsável objetivamente pelos atos de seus agentes, ou seja, o Estado responde independentemente de prova de culpa do agente, bastando tão somente provar-se o nexo causal entre a conduta do agente e o resultado lesivo.

quarta-feira, 3 de setembro de 2003

A responsabilidade objetiva do Estado

 

Wanessa Felix de Almeida*

 

O Estado é responsável objetivamente pelos atos de seus agentes, ou seja, o Estado responde independentemente de prova de culpa do agente, bastando tão somente provar-se o nexo causal entre a conduta do agente e o resultado lesivo.

 

Para que se enquadre na responsabilidade do Estado é fundamental que o agente da Administração haja praticado o ato ou a omissão administrativa no exercício de suas atribuições ou a pretexto de exercê-las.

 

Para a vítima é indiferente o título pelo qual o causador direto do dano esteja vinculado à Administração; o necessário é que se encontre a serviço do Poder Público, ainda que atue fora ou além de sua competência administrativa.

 

O abuso no exercício das funções por parte do servidor não exclui a responsabilidade objetiva da Administração. Antes, a agrava, porque tal abuso traz ínsita a presunção de má escolha do agente público para a missão que lhe fora atribuída, não podendo o cidadão comum sofrer por tais desmandos.

 

Temos em nosso ordenamento jurídico amparo legal na Constituição Federal, previsto no artigo 37 parágrafo 6º e no artigo 43 do Código Civil vigente acerca dessa responsabilidade, podendo o Estado entrar com ação de regresso contra o agente causador do dano.

 

Quanto aos atos legislativos e judiciais, existe a distinção entre a responsabilidade pessoal dos magistrados e a do Estado. Para que o Estado responda pelos danos causados pelos juízes é necessária a prova de culpa ou dolo manifestas, de maneira ilegítima e lesiva.

 

Poderá, entretanto, o juiz individual e civilmente responsável por dolo, fraude, recusa, omissão ou retardamento injustificado de providências de seu ofício, conforme expresso no artigo 133 do Código de Processo Civil, ser responsabilizado e o Estado ser obrigado a indenizar o particular prejudicado, ressarcindo-se posteriormente junto ao funcionário faltoso.

 

São exemplos de abusos, e conseqüentemente causas de interposição de ações de indenização contra o Estado: o julgamento, quer no crime, quer no cível, consubstanciado no erro judiciário, o favorecimento pessoal de magistrados ou terceiros, a prisão além do determinado na sentença, entre outros.

 

Não é hábito da população fazer valer os seus direitos contra os agentes estatais e por isso há abusos em demasia, e o que é mais inusitado, muitas vezes o próprio Estado, quando responsabilizado, não exerce o seu direito de regresso contra o funcionário infrator, em prejuízo de toda a comunidade, e sujeitando-se o agente público omisso a sofrer ação popular movida por qualquer do povo.

 

_________________

 

* Advogada do escritório Ceglia Neto, Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

__________________

Atualizado em: 2/9/2003 15:05

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Publicidade