sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O labirinto e a origem subconsciente do usucapião extrajudicial: a nova lei 13.465/17 (Parte III)

Afinal, quais foram, então, as novidades? A lei 13.465/17 alterou algumas regras do procedimento extrajudicial, que listo para conhecimento de todos. Os incisos e parágrafos citados ao final de cada item referem-se sempre ao art. 216-A da Lei dos Registros Públicos ("LRP"), que regula a usucapião em cartório.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Caros,

Depois do condomínio de lotes e da alienação fiduciária, chegou a vez da usucapião extrajudicial.

Para começar: devemos escrever "a" usucapião ou "o" usucapião? A verdade é que tanto faz. Como esta palavra é um substantivo comum de dois gêneros, ele admite os artigos feminino e masculino. Por isso, se o Word sublinhar o seu texto, ignore; e se alguém te chamar de néscio ou iletrado, branda em sua defesa a 5ª edição do Vocábulo Ortográfico da Língua Portuguesa, produzido pela Academia Brasileira de Letras.

Tudo bem que o reconhecimento extrajudicial de usucapião não é tão novo assim, e existe desde 2016, quando entrou em vigor o art. 216-A da lei 6.015/73 (Lei dos Registros Públicos), causando certa euforia no mercado.

O objetivo era, em linhas gerais, agilizar a regularização de parte dos imóveis usucapiendos, com benefícios de natureza econômica e social, e liberando o Poder Judiciário de muitas demandas.

No regime do Código de Processo Civil ("CPC") anterior, o que geralmente se passava em um processo judicial de usucapião? O juiz, ao receber pela primeira vez o processo, encaminhava os autos para o Ministério Público ("MP")1, que inevitavelmente opinava pela correção da petição inicial, juntando uma avassaladora lista padrão de providências a serem tomadas e documentos a serem apresentados. Era como se o autor da ação tivesse pedido uma licença para construir a bomba atômica. Não passarás.

Começava, então, a via crucis do possuidor e de seu advogado. Por mais documentos que fossem juntados, o resultado era o mesmo: "O MP reitera a manifestação de fls." E o juiz? "Ao autor." Com a vinda da petição explicando que uma parte das exigências não estava correta, outro despacho: "Ao MP". Após o promotor reiterar a mesma manifestação inicial, os autos voltam do gabinete do juiz com outro "ao autor". O ciclo tornava-se quase infinito: "ao MP", "ao autor", "ao MP"...

Nem mesmo a chamada Meta 2 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), criada em 2009 para permitir o encerramento de processos antigos, resolveu a situação das ações de usucapião.

E não se diga que todo esse temor desmedido em acolher o pedido do possuidor se justificava pelo risco de perda injusta da propriedade pelo réu da ação. Fosse assim, as ações de execução (com penhora de imóvel) e de adjudicação compulsória padeceriam do mesmo mal. Só que ali existe apenas a demora inerente a todo processo judicial. Por isso, o prêmio continua nas mãos dos juízes que proferem a rara sentença (de procedência) de usucapião.

Como se isso não bastasse, desenvolveu-se no país, para o desespero dos proprietários de terrenos invadidos, uma jurisprudência majoritária segundo a qual existe conexão entre as ações reivindicatória (movida pelo dono do imóvel) e de usucapião (ajuizada pelo invasor, como estratégia de defesa). Uma não é julgada sem a outra. Agora imaginem: se uma ação de usucapião, sem litígio, e com o interesse do autor em fazê-la andar, dificilmente chega ao fim, o que dizer de um caso em que o invasor não tem o menor interesse em impulsionar o processo?

Logo, custo a crer que os anjos idealizadores da usucapião extrajudicial não tenham pensado, nem de relance, nesse drama silencioso. Sim, pois a criação de tal procedimento extrajudicial foi uma genuína situação win-win: lucraram os juízes, que se livraram, ao menos em parte, desse tedioso e interminável processo, e ganharam muito mais os possuidores de imóveis sem litígio, que passaram a nutrir a esperança de não serem sugados para esse verdadeiro labirinto judicial.

Sublinhe-se que o reconhecimento extrajudicial de usucapião não alterou as regras materiais; ele traz apenas normas procedimentais. Em outras palavras, o legislador, em 2016, adicionou um caminho para se regularizar, via usucapião, a propriedade. Todavia, para os casos-em-que-isso-pode-ocorrer, permanecem as mesmas hipóteses, previstas em diversas leis.

Então, antes de entrar propriamente nas mudanças da lei 13.465/17, é importante dar uma breve visão panorâmica dos tipos existentes de usucapião. Antes que você fuja: somente vou me valer de imagens.

Pois bem. Cada modalidade de usucapião se diferencia das demais pelo prazo mínimo de posse e demais requisitos, mas todas compartilham três requisitos básicos:

Não há um modo rígido de classificar os tipos. Para fins meramente didáticos, separo-os em dois grupos principais: individual e coletivo.

Primeiro, o usucapião individual. Na tabela abaixo, a mão vermelha significa "5 anos"; a Constituição Federal está referida como "CF", enquanto "CC" significa o Código Civil e "EC", o Estatuto da Cidade (lei 10.257/01):

Conheço apenas uma modalidade de usucapião coletivo. A imagem abaixo já reflete as alterações da nova lei 13.465/17, que alterou o artigo 10 do Estatuto da Cidade ("EC"):

Se, entretanto, você prefere dividir as modalidades de usucapião pela situação do imóvel (urbano ou rural), os conjuntos ficariam assim:

Finalmente entrando na parte procedimental, a divisão é a seguinte:

Como se pode ver na imagem acima, considero, ao contrário de alguns, que a legitimação da posse e a legitimação fundiária são espécies de usucapião. Não existe diferença material, apenas de procedimento: se o caso for de legitimação da posse ou fundiária, no âmbito da Reurb, devemos observar o rito mais simples previsto na nova lei 13.465/17, que revogou os dispositivos da lei 11.977/09 que tratavam da regularização da posse (não havia previsão de regularização fundiária). Para todos os demais tipos de usucapião, aplica-se o art. 216-A da Lei dos Registros Públicos ("LRP").

Afinal, quais foram, então, as novidades? A lei 13.465/17 alterou algumas regras do procedimento extrajudicial, que listo para conhecimento de todos. Os incisos e parágrafos citados ao final de cada item referem-se sempre ao art. 216-A da Lei dos Registros Públicos ("LRP"), que regula a usucapião em cartório.

Eis as cinco inovações:

1) Ata notarial: Um dos documentos a serem apresentados ao oficial do registro de imóveis é a ata notarial lavrada pelo tabelião de notas, atestando o tempo de posse do requerente e de seus antecessores2, e suas circunstâncias. O CPC, no art. 384, ao tratar da ata notarial, prevê que os fatos podem ser atestados por "dados representados por imagem ou som gravados em arquivos eletrônicos". A nova lei agora estipula, expressamente, que esse dispositivo se aplica ao usucapião extrajudicial. Evidentemente isto nem seria necessário, dada a unidade do nosso sistema jurídico. Mas, como às vezes o óbvio para alguns é também o óbvio para outros (só que em sentido oposto), o legislador quis eliminar as discussões que infelizmente já começavam a se avolumar nos cartórios (alteração do inciso I).

2) Notificação por edital: esta foi uma alteração muito feliz, que vai destravar procedimentos em todo o Brasil. Agora, se o notificando não for encontrado, ou estiver em lugar incerto ou não sabido, tal fato será certificado pelo cartório, que fará a notificação por edital com prazo de 15 dias, mediante duas publicações em jornal local de grande circulação (inclusão do §13). Melhor ainda: se a Corregedoria estadual permitir, a publicação do edital poderá ocorrer em meio eletrônico (inclusão do §14).

3) Concordância dos titulares e confrontantes do imóvel: Essa foi, sem dúvida, a transformação mais importante. Até aqui, o silêncio de "qualquer um dos titulares de direitos registrados ou averbados na matrícula do imóvel" era presumido como discordância. Na prática, o procedimento não funcionava, pois só era possível usucapir extrajudicialmente o imóvel nos pouquíssimos casos em que os titulares e confrontantes do imóvel eram encontrados e concordavam expressamente. Agora, em boa hora, inverteu-se a lógica. Se esses titulares, notificados (pessoalmente ou por edital), não se opuserem ao pedido, a sua concordância será presumida (alteração do §2º e do §6º).

4) Unidade em condomínio edilício: Se o imóvel a ser usucapido integra um condomínio edilício, não é necessário obter o consentimento (expresso ou presumido) dos confrontantes, bastando a notificação do síndico. Aqui, entretanto, vai uma ressalva: se o espírito da norma é evitar o risco de avanço indevido sobre o terreno, a melhor interpretação teleológica nos diz que, sendo a unidade um lote ou uma casa (e respectiva fração ideal), em tese, pode haver invasão de área privativa vizinha, o que impõe o consentimento do confrontante, mesmo em caso de condomínio edilício (inclusão do §11). Em qualquer caso, porém, estará dispensada a notificação de todos os condôminos (inclusão do §12º).

5) Procedimento de justificação administrativa: O possuidor tem que apresentar ao registrador o justo título (o qual somente é essencial para o usucapião ordinário) ou quaisquer outros documentos que demonstrem a origem, a continuidade, a natureza e o tempo da posse, tais como o pagamento dos impostos e das taxas que incidirem sobre o imóvel. Se o registrador entendesse que os documentos eram insuficientes, a lei era omissa sobre o próximo passo. Agora, está claro que a posse e os demais requisitos necessários ao reconhecimento da usucapião poderão ser comprovados no próprio cartório, em procedimento de justificação administrativa, obedecendo-se, no que couber, às regras da produção antecipada de provas previstas nos arts. 382 e 382 do CPC (inclusão do §15).

Uma vez concluído o procedimento, e reconhecido um dos tipos de usucapião, o oficial procederá ao registro, como no exemplo abaixo:

Não quero me alongar mais. Se alguém discordar ou tiver algo a acrescentar, não hesite em se manifestar.

Ainda na série sobre as alterações trazidas pela lei 13.465/17, pretendo falar, no próximo post, sobre outro relevante tema: as novas regras envolvendo os loteamentos de acesso controlado e os seus impactos sobre a atual discussão judicial envolvendo as associações de moradores.

Até breve!

____________________

1 A atuação do MP era obrigatória por força do art. 944 do Código de Processo Civil ("CPC") de 1973. O atual CPC, que entrou em vigor em março/2016, não exige mais essa intervenção, salvo em ações de usucapião coletivo ou quando houver interesse público ou social (art. 178, I e III).

2 Se o período dos antecessores não for necessário para atender ao requisito de lapso temporal mínimo, basta comprovar o tempo de posse do requerente.

___________________

*André Abelha é sócio do escritório Castier/Abelha Advogados.

Atualizado em: 17/8/2017 08:41

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Publicidade