sábado, 31 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A cobrança diferenciada entre homens e mulheres em casas noturnas: o machismo e a livre iniciativa

Esperemos que a diferenciação descabida e desprovida de critérios na cobrança entre homens e mulheres no setor do lazer e entretenimento seja finalmente erradicada - eventualmente por via legislativa, dando assim maior efetividade à medida - e prestigiando a emancipação da mulher na sociedade brasileira, no caminho para a civilidade.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

No início do mês de julho, a Secretaria Nacional do Consumidor (SENACON) - órgão vinculado ao Ministério da Justiça - através do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, editou nota técnica proibindo a cobrança diferenciada entre homens e mulheres no setor de lazer e entretenimento, obrigando bares, restaurantes e casas noturnas a vincularem-se a esta conduta.

Ante o novo panorama, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes - Seccional de São Paulo (Abrasel/SP) ajuizou ação perante a Justiça Federal de São Paulo, questionando a Nota Técnica 2/2017, sob a alegação de que referida posição afetaria a livre iniciativa, prestigiada pelo arts. 1, IV, e 170 da Constituição Federal. Não só, ao descrever as supostas ilegalidades constantes na Nota, a ABRASEL sustentou que as mulheres recebem remuneração inferior aos homens e são assediadas em ambientes coletivos, provocando a necessidade do incentivo da cobrança menor para frequentar os estabelecimentos de lazer e entretenimento.

A ação teve o pedido liminar deferido pela 17ª Vara Cível Federal de São Paulo, proibindo órgãos de defesa do consumidor de autuar estabelecimentos comerciais filiados à ABRASEL/SP de cobrarem ingressos com preços diferenciados para homens e mulheres. Ato contínuo, a Advocacia-Geral da União (AGU) interpôs agravo de instrumento requerendo a suspensão dos efeitos da liminar supracitada.

Em tempos como os que vivemos hoje, discussões como a presente se mostram de relevância extrema para a reflexão de pontos fundamentais de nosso panorama sócio-político e, consequentemente, jurídico.

A ação que ora tramita no Tribunal Regional Federal da 3ª Região configura-se como uma excelente oportunidade para estabelecer parâmetros e garantir a conformidade das práticas dos setores do lazer e do entretenimento aos mandamentos do Código de Defesa do Consumidor e da Constituição Federal.

A cobrança diferenciada entre homens e mulheres é uma questão que exige enfrentamento há muito tempo, sendo nítido reflexo do machismo que assola a sociedade brasileira e que vem sido combatido a passos lentos.

Com efeito, coloca-se a mulher em uma situação de inferioridade, ao "objetificá-la" enquanto atrativo para os homens, sem qualquer critério que justifique tal diferenciação. Eis, portanto, um retrato perverso que surge como antagonismo ao prestígio necessário ao chamado empoderamento feminino.

O que se pode se extrair do ordenamento jurídico no cotejo entre princípios como o presente caso, em que a livre iniciativa confrontaria com os princípios da dignidade da pessoa humana e a igualdade, é muito claro: vejamos que a Constituição Federal, em seu art. 1, preocupou-se em assegurar enquanto fundamentos da República Federativa do Brasil, entre outros, a dignidade da pessoa humana (inciso III) e os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa (inciso IV). O art. 5, em seu caput e no inciso I, aponta para a mesma direção: homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos do texto constitucional.

Tanto é real a histórica marginalização da mulher na sociedade que a Constituição se preocupou em prover tratamento especial ao assegurar proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, conforme o art. 7, XX da CF.

Mesmo ao dispor sobre a ordem econômica e financeira, a Constituição submeteu a livre iniciativa, em seu art. 170, aos ditames da justiça social, explorando a necessidade de se observar, entre outros princípios, a defesa do consumidor e a redução das desigualdades regionais e sociais (incisos V e VII, respectivamente). Para a análise do presente caso, vale citar o preâmbulo da Carta Magna, que procura assegurar "a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias".

Ao refletir sobre a questão infraconstitucional, a consequência jurídica é, por decorrência hierárquica, a mesma.

Analisemos o Código de Defesa do Consumidor que, ao prestigiar o núcleo republicano da Constituição Federal, estabelece normas de ordem pública e interesse social, para a proteção do consumidor, vislumbrando a coibição e repressão de todos os abusos praticados no mercado de consumo (arts. 1 e 4, VI). É direito básico do consumidor a proteção contra publicidade enganosa e abusiva, contra métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços (art. 6, IV).

O próprio Decreto 5.093 de 2006, ao regulamentar a lei 10.962 de 2004, que dispõe sobre as condições de oferta e afixação de preços e bens e serviços para o consumidor, veda expressamente a atribuição de preços distintos para o mesmo item (art. 9º, VII), classificando tal conduta como infração a direito básico do consumidor.

Desse modo, é de se concluir que a diferenciação de preços entre homens e mulheres, injustificadamente, representa, além de estratégia de marketing ilícita e prática abusiva perante o direito consumerista, comportamento desmoralizado que se apega à livre iniciativa para alçar a mulher a um patamar inferior ao do homem. Mesmo se nos ativéssemos à questão jurídica, a livre iniciativa não pode prevalecer em detrimento da proteção à igualdade, à dignidade da pessoa humana e ao combate ao preconceito. É dizer: se refletirmos sobre o sopesamento de princípios, a resposta que se extrai do ordenamento jurídico brasileiro é muito clara.

Presumir que o presente caso trata-se somente de um caso de ingerência indevida no Poder Público na iniciativa privada guarda certa dose de superficialidade e falta de atenção à transformação da aplicação dos direitos fundamentais na atualidade, em especial no Brasil, um país em que uma mulher é espancada a cada 15 (quinze) segundos1 , em que se registra 10 (dez) estupros coletivos por dia2 , entre outros tipos de violência contra a mulher - violência esta, infelizmente, histórica e tradicional - cravejada por raízes centenárias.

Como fundamentos para o ajuizamento da ação, conforme apontado acima, a ABRASEL suscitou o fato de que as mulheres recebem remuneração inferior à dos homens e que são assediadas em ambientes coletivos.

Ora, com relação à primeira justificativa, ao reduzir o preço para as mulheres, a Associação só reafirma o preconceito ao manter o status quo do setor do lazer e do entretenimento. Com efeito, a prática do mercado não pode operar como pretexto para sustentação de mecanismos e comportamentos de opressão. Tal conduta nos faz lembrar a obra de Peter Häberle, em especial a formulação da sociedade aberta de intérpretes da constituição3 , segundo a qual, adotando a premissa filosófica da experiência do direito como ciência cultural, o círculo de intérpretes da Constituição deve ser ampliado para envolver não apenas as autoridades públicas e as partes formais nos processos de controle de constitucionalidade, mas todos os aqueles que, de uma forma ou de outra, vivenciam a realidade constitucional.

No que tange ao segundo fundamento, não nos parece minimamente razoável ou sequer factível que se possa diferenciar preços como medida de apoio às mulheres sob o argumento de que estas são assediadas em ambientes coletivos.

Mesmo na questão puramente processual da ação ajuizada pela ABRASEL, há um problema. Isso porque o pedido da ação funda-se na pretensão de que órgãos de defesa do consumidor não podem autuar estabelecimentos comerciais filiados à ABRASEL que cobram ingressos com preços diferenciados para homens e mulheres. No entanto - e somado ao fato de que os órgãos de proteção do consumidor não possuem subordinação hierárquica à SENACON - a Nota Técnica objeto da ação não tem por objetivo obrigar ou impedir tais órgãos de fiscalizar e aplicar punições.

Nesse sentido, ante os argumentos contraproducentes ao crescente empoderamento que a mulher deve ter na sociedade e a base jurídica que o sustenta, nos surpreende que a liminar tenha sido deferida pelo juízo de primeiro grau.

Esperemos que a liminar objeto do Agravo de Instrumento interposto pela AGU seja cassada pelo TRF da 4ª Região, e que a diferenciação descabida e desprovida de critérios na cobrança entre homens e mulheres no setor do lazer e entretenimento seja finalmente erradicada - eventualmente por via legislativa, dando assim maior efetividade à medida - e prestigiando a emancipação da mulher na sociedade brasileira, no caminho para a civilidade.

___________________

1 A cada 15 segundos uma mulher é agredida no Brasil, diz ONG

2 País registra 10 estupros coletivos por dia; notificações dobram em 5 anos.

3 HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional. A Sociedade Aberta dos Intérpretes da Constituição: contribuição para a Interpretação Pluralista e "Procedimental" da Constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1997.
____________________

*Arthur Deucher Figueiredo é mestrando em Direito Constitucional na PUC-SP. Sócio do escritório Francez e Alonso Advogados, especializado em direito do entretenimento.

Atualizado em: 25/8/2017 12:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Publicidade