sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Governança Corporativa - IX - Responsabilidade do administrador

No direito brasileiro, nas companhias de capital aberto, de capital autorizado e de economia mista, a administração é dúplice, dividida entre o conselho de administração, órgão de deliberação colegiada, e a diretoria executiva, órgão de gestão (interna) dos negócios sociais e de representação (externa) da sociedade perante terceiros; nas companhias fechadas e nas sociedades limitadas, é facultativa a criação do conselho de administração, desde logo cumprindo observar que todos os administradores devem pautar-se pelo "princípio da responsabilidade", um dos princípios basilares da Governança Corporativa.

segunda-feira, 26 de junho de 2006

 

Governança Corporativa

 

-IX-

 

Responsabilidade do administrador

 

Jorge Lobo*

 

No direito brasileiro, nas companhias de capital aberto, de capital autorizado e de economia mista, a administração é dúplice, dividida entre o conselho de administração, órgão de deliberação colegiada, e a diretoria executiva, órgão de gestão (interna) dos negócios sociais e de representação (externa) da sociedade perante terceiros; nas companhias fechadas e nas sociedades limitadas, é facultativa a criação do conselho de administração, desde logo cumprindo observar que todos os administradores devem pautar-se pelo "princípio da responsabilidade", um dos princípios basilares da Governança Corporativa.

 

De acordo com a Lei de Sociedades Anônimas, o administrador (a) "deve empregar, no exercício de suas funções, o cuidado e diligência que todo o homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios" (art. 153, dever de diligência); (b) "deve servir com lealdade à companhia e manter reserva sobre os negócios" (art. 155, dever de lealdade); (c) "de companhia aberta deve declarar, ao firmar o termo de posse, o número de ações, bônus de subscrição, opções de compra de ações e debêntures conversíveis em ações, de emissão da companhia e de sociedades controladas ou do mesmo grupo econômico, de que seja titular" (art. 157, dever de informar); (d) não deve "intervir em qualquer operação em que tiver interesse conflitante com o da companhia" (art. 156, dever de abster-se de participar de situações de conflito real ou potencial de interesses).

 

A doutrina, pátria e alienígena, calcada em disposições legais e regulamentares, ensina, ademais, que são deveres dos administradores: (a) perseguir o interesse social, o que equivale dizer a empenhar-se na consecução do interesse comum de todos os sócios ou acionistas; (b) gerir os negócios sociais, com cuidado, diligência e lealdade, com a finalidade de a sociedade realizar o seu objeto e cumprir sua função social; (c) informar-se sobre todos os assuntos de interesse da empresa, para poder decidir com conhecimento de causa; (d) investigar, decorrente do dever de informar-se e do dever de fiscalizar, os fatos, atos e negócios jurídicos de interesse da sociedade, para apurar, quando for o caso, e definir, de modo claro e preciso, a responsabilidade dos membros do conselho de administração e da diretoria executiva; (e) fiscalizar os atos de cada administrador, nas chamadas relações intraorgânicas, e, também, de procuradores e prepostos, para prevenir, sempre que possível, e punir, sempre que necessário, a atuação em conflito de interesses.

 

Como anota João Bosco Lodi, a propósito do conselho de administração, ele deve agir sempre com fairness (senso de justiça e equidade), disclosure (transparência) e compliance (obediência e cumprimento das leis, regulamentos e estatutos sociais), prestando permanentemente conta de seus atos (accountability), o que levou a GM a instituir uma série de normas que a companhia e os seus conselheiros devem observar, a saber: (a) deve haver uma maioria de conselheiros externos; (b) os conselheiros independentes devem escolher um lead director (diretor principal); (c) os conselheiros independentes devem reunir-se isoladamente, de maneira regular e programada; (d) os conselheiros independentes devem assumir responsabilidade por todos os procedimentos do conselho de administração; (e) o conselho de administração deve ter responsabilidade pela seleção de candidatos a novos conselheiros; (f) o conselho de administração deve analisar o seu próprio desempenho; (g) os membros independentes devem avaliar o CEO e outros importantes executivos com base em programações regulares; (h) o conselho de administração deve conhecer e concordar na íntegra com as estratégias de longo prazo da empresa; (i) o conselho de administração deve dedicar tempo e atenção à seleção do CEO, sua responsabilidade isolada mais importante.

 

Em resumo, portanto, os administradores da sociedade limitada e os da sociedade anônima têm funções, atribuições e poderes, que devem exercer com diligência e probidade, e deveres, que devem cumprir com zelo e escrúpulo, sob pena de responderem, por ação ou omissão, dolosa ou culposa, civil e, nas hipóteses previstas em lei, criminalmente, pelos prejuízos causados à sociedade, a seus sócios ou acionistas, a seus credores, ao mercado em geral e ao ecossistema.

__________________

 

*Livre Docente em Direito Comercial pela UERJ





_____________

Atualizado em: 23/6/2006 12:43

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Publicidade