terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Custo Brasil - CARF mantém o ICMS na base do PIS e da COFINS

Para os negócios empresariais, mais um custo a ser administrado e, para a sociedade, mais um custo a ser arcado pelos cidadãos.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

ICMS. BASE DE CÁLCULO. PIS/COFINS. COMPOSIÇÃO. O ICMS compõe a base de cálculo da contribuição para o PIS/Pasep e para a COFINS, integrante, portanto, do conceito de receita bruta. (Número do processo 10980.900996/2011-83, data da sessão: 25/7/17, acórdão 3302-004.500).

Referida decisão fundamenta-se na falta de publicação do acórdão do Supremo Tribunal Federal que decidiu pela exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, devendo-se, portanto, seguir a decisão do Superior Tribunal de Justiça, que havia decidido de forma contrária. O que temos de relevante nessa posição do CARF, órgão julgador das questões tributárias federais?

Para os negócios empresariais, mais um custo a ser administrado e, para a sociedade, mais um custo a ser arcado pelos cidadãos. Como é de conhecimento geral, a decisão sobre o tema foi proferida pelo STF e aguarda-se, tão somente, a sua publicação. Mas já se sabe que o resultado, proferido num recurso acolhido sob o regime jurídico de repercussão geral, será aplicado em todos os casos idênticos.

Assim, por que imputar às empresas uma decisão contrária, provocando o ônus de uma execução fiscal e todo o constrangimento financeiro e de ativos das mesmas? Por que impor à sociedade a manutenção e o custeio de uma máquina administrativa que, por princípio, deveria defender o cumprimento de uma decisão judicial, em vez de utilizar a burocracia decorrente da simples falta de publicação da decisão para deixar de cumpri-la?

Será que, em nome da eficiência e visando preservar a segurança jurídica, não teria sido mais fácil suspender todos os julgamentos pendentes no CARF até a publicação do acórdão do STF?

Em um país que vive um lento e doloroso processo de recuperação econômica, a questão tributária e fiscal deveria ser encarada como um elemento facilitador da retomada. O que vemos, contudo, é que estamos diante de óbices para os cidadãos, as empresas e o país.

_________________

*Ronaldo Corrêa Martins é CEO e founder do escritório Ronaldo Martins & Advogados.

Atualizado em: 19/9/2017 10:43

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Publicidade