sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Ex-tarifário concedido após a importação do bem deve ter seus efeitos estendidos à data de desembaraço aduaneiro

Cabe a avaliação das indústrias importadoras sobre a conveniência de realizar as importações antes da edição da Resolução Camex reconhecendo a aplicação dos benefícios ou mesmo avaliar se há valores a restituir em função de importações anteriores que escaparam à aplicação do regime.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

A legislação brasileira prevê o chamado regime de ex-tarifário, que é um benefício fiscal que reduz temporariamente a alíquota do Imposto de Importação (II) - e por vezes também do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) - incidentes no desembaraço aduaneiro de bens de capital (BK), informática e telecomunicação (BIT), quando da comprovação de determinados requisitos específicos (notadamente, a ausência de produção nacional equivalente).

Para se obter os benefícios do ex-tarifário, o importador deve solicitar a aplicação do regime aos equipamentos importados para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O pedido fica sujeito à aprovação da Secretaria de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (SDP), do Comitê de Análise de ex-tarifários (CAEX) e do Comitê Executivo de Gestão (GECEX).

Em razão de tais procedimentos, a análise e eventual publicação da concessão do benefício são processos que demandam algum tempo; e dada a competitividade e dinamismo característicos do comércio internacional, a espera pelo reconhecimento do direito ao benefício por vezes torna-se um problema à indústria que pretende investir na importação de bens.

Neste sentido, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) recentemente reiterou o entendimento de que os benefícios do regime de ex-tarifário concedidos posteriormente à importação se estendem à data do registro da Declaração de Importação (DI), caso o requerimento para a concessão destes benefícios tenha sido feito em data anterior ao desembaraço aduaneiro1.

Tal decisão pode, portanto, representar uma maior segurança aos importadores, na medida em que garante o aproveitamento do regime mesmo na hipótese em que os bens tenham sido importados antes da edição da Resolução da Camex que concede o benefício definitivamente.

Para o ministro Og Fernandes, relator do caso, em que pese os artigos 105 e 144 do Código Tributário Nacional (CTN) definirem que a obrigação tributária se rege pela lei vigente à data da ocorrência do fato gerador e que, portanto, os benefícios ficais somente poderiam se aplicar a fatos geradores pendentes e futuros, há de se reconhecer a particularidade dos pedidos de aplicação do regime ex-taritário.

Isso porque, se a solicitação do benefício foi apresentada antes do fato gerador da importação - isto é, antes do registro da Declaração de Importação (ato que inicia o despacho de importação), nos termos dos artigos 19 do CTN, artigo 1º do decreto-lei 37/66, e dos artigos 72 e 73, inciso I, do decreto 6.759/09 (Regulamento Aduaneiro) -, é evidente que os efeitos da concessão do benefício devem se estender à data do pedido, eis que o contribuinte já preenchia os requisitos necessários à fruição do benefício à época do pleito.

Ressalta-se que a extensão dos efeitos da resolução ao momento do pedido do benefício não implica retroação dos atos administrativos. O caráter da resolução é meramente declaratório, conforme expressamente reconhecido pelo artigo 144 do CTN e pelos artigos 109 e 110 do Regulamento Aduaneiro, segundo os quais cabe restituição total ou parcial do imposto recolhido a maior quando se verificar que o contribuinte já fazia jus à isenção ou redução de caráter especial à época do fato gerador (isto é, do registro da DI)2.

E se não fosse esse o caso, teríamos que admitir que o contribuinte deve responder pela morosidade da Administração Pública, o que é absolutamente inaceitável, principalmente se tratando de importações que visam expandir o setor produtivo e, portanto, gerar empregos e dinamizar a economia.

O ministro Og Fernandes ressaltou, ainda, que a não extensão dos benefícios do regime Ex-Tarifário ao cenário analisado, seria uma ofensa aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, uma vez que o importador tomou todas as providências necessárias para obter o regime anteriormente à importação.

Vale destacar que o mesmo entendimento já vinha sendo aplicado não apenas em decisões monocráticas do STJ3, mas também pelos Tribunais Regionais Federais4. Assim, cabe a avaliação das indústrias importadoras sobre a conveniência de realizar as importações antes da edição da Resolução Camex reconhecendo a aplicação dos benefícios ou mesmo avaliar se há valores a restituir em função de importações anteriores que escaparam à aplicação do regime.

____________

1 A decisão mais recente é aquela proferida nos autos do Recurso Especial no 1.664.778/PR, que corrobora o posicionamento manifestado pela mesma Segunda Turma do STJ quando do julgamento do Recurso Especial nº 1.464.708/PR.

2 A aplicação dos referidos artigos ao caso do Ex-Tarifário já foi reconhecida por meio de Decisão Monocrática proferida pelo Ministro Mauro Campbell Marques no julgamento do Recurso Especial n. 1.573.872/RS, de 15.2.2016. Houve o mesmo entendimento no TRF - 5, no julgamento de Embargos Infringentes na Apelação Cível - EIAC520941/01/PE, sob Relatoria do Desembargador Manoel Erhardt, julgado em 23.10.2013.

3 Vide REsp n. 1.322.243/RS julgado em 28.4.2016, sob a Relatoria da Ministra Regina Helena Costa; Ag em REsp n. 659.679/RS, julgado em 18.3.2015 sob a Relatoria do Ministro Humberto Martins;

4 Apelação Cível N. 2003.70.00.000120-2/PR do TRF-4, julgada em 23.3.2006, sob a Relatoria do Desembargador Álvaro Eduardo Junqueira.
Apelação N. 0010379-23.2014.4.03.6100/SP do TRF-3, julgada em 24.11.2016, sob a Relatoria da Desembargadora Marli Ferreira.
Apelação Cível N. 5025177-35.2015.4.04.7200/SC do TRF-4, julgada em 12.11.2016, sob a Relatoria da Desembargadora Maria de Fátima Freitas Labarrère.

____________

*Eduardo Carvalho Caiuby é sócio da área tributária de Pinheiro Neto Advogados.

*Luiz Fernando Machado é associado sênior da área tributária de Pinheiro Neto Advogados.

*Paula Zugaib Destruti é associada júnior da área tributária de Pinheiro Neto Advogados.






*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.
© 2017. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

Atualizado em: 22/9/2017 15:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Migalheiro desde 2019
Alessandra Okuma

Alessandra Okuma

Migalheira desde 2020
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020
Roberto Rosas

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015
Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Diogo L. Machado de Melo

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008
Vantuil Abdala

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Publicidade