domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Usucapião extrajudicial - novas orientações quanto a anuência dos proprietários e confrontantes

Daniel Brunner e Marcello Vieira de Mello

Considerando a simplicidade do procedimento e sua celeridade de tramitação, e agora com o "ajuste" da lei, a Usucapião Extrajudicial detém um grande potencial de efetividade e representa um significativo avanço no Direito de Propriedade, restando como um notável instrumento de regularização fundiária.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

No final de maio de 2017 foi aprovado pelo Congresso Nacional a Medida Provisória 759/16, a qual, dentre outras resoluções, estipulou novos procedimentos para a regularização fundiária urbana e rural, alterando de forma significativa o art. 216-A da lei 6.015/73 (Lei de Registros Públicos), introduzido no ordenamento jurídico brasileiro por força do novo CPC.

A título de conhecimento, qualquer alteração feita no texto de uma Medida Provisória ocorre por meio de um Projeto de Lei de Conversão (PLV), o qual depois de definitivamente aprovado pelo Senado, é remetido à sanção do presidente da República. Seguindo esse caminho, a MP 759/16 foi aprovada na forma da PLV 12/17 do Senador Romero Jucá, e para fins de Usucapião Extrajudicial promoveu algumas consideráveis alterações da lei em comento.

Com a alteração da lei, em resumo, agora é possível ao usucapiente a obtenção da propriedade do imóvel usucapiendo mesmo sem a anuência expressa dos proprietários e confrontantes do imóvel em questão.

Pela redação da lei originária, era requisito indispensável para a tramitação da Usucapião Extrajudicial a concordância expressa dos titulares de direitos registrados ou averbados na matrícula do imóvel usucapiendo ou nas matrículas dos imóveis confinantes. Assim, proprietários e confrontantes deveriam subscrever certos documentos que instruiriam o requerimento do interessado, o qual seria prenotado no Cartório de Registro de Imóveis da localização do imóvel. Contudo, em decorrência da recorrente falta de êxito na localização dos proprietários e confrontantes, tal fato acabava por inviabilizar a grande maioria dos processos.

Contudo, pelo texto recentemente aprovado pelo Senado, tal imbróglio foi devidamente reparado, visto que agora a autorização dos proprietários e confrontantes em relação à posse do imóvel não é fator determinante para a conclusão do processo. Isso porque, caso as assinaturas dos mesmos não sejam constatadas nos documentos que necessariamente devem acompanhar o requerimento (especificamente a (i) planta e (ii) memorial descritivo do imóvel), eles serão notificados pelo registrador competente, pessoalmente ou pelo correio com aviso de recebimento, para manifestarem seu consentimento expresso no prazo de 15 (quinze) dias, e caso quedem-se inertes, tal silêncio será interpretado como concordância.

Com a intenção de suprir qualquer eventual lacuna na lei advinda da mudança levada a cabo pela suscitada MP, foi incluído o §13 no o art. 216-A da lei 6.015/73, o qual determina que caso algum dos proprietários e confrontantes não seja encontrado, tal fato será certificado pelo registrador, que deverá promover a sua notificação por edital mediante publicação, por duas vezes, em jornal local de grande circulação pelo prazo de 15 (quinze) dias cada um, interpretado o silêncio do notificando também como concordância.

Portanto, com a sanção presidencial do Projeto de Lei de Conversão, entende-se que o óbice da exigência da anuência expressa dos proprietários e confrontantes (tão debatido anteriormente) foi superado por completo.

Adotou-se, então, o paradigma de desjudicialização de procedimentos inaugurado pela Emenda Constitucional 45/04, o qual caracteriza-se pelo deslocamento de competências do PJ para órgãos extrajudiciais, no presente caso, as serventias notariais e registrais.

Considerando a simplicidade do procedimento e sua celeridade de tramitação, e agora com o "ajuste" da lei, a Usucapião Extrajudicial detém um grande potencial de efetividade e representa um significativo avanço no Direito de Propriedade, restando como um notável instrumento de regularização fundiária.

_______________________

*Daniel Brunner é advogado do escritório GVM - Guimarães & Vieira de Mello Advogados e responsável pelo departamento consultivo imobiliário e contratual do escritório.

*Marcello Vieira de Mello é sócio fundador do escritório GVM - Guimarães & Vieira de Mello Advogados e responsável pelas áreas de Direito Civil, Contencioso Civil / Comercial e Bancário;

Atualizado em: 29/9/2017 13:26

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Publicidade