sexta-feira, 30 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O direito de propriedade está ameaçado

Danilo Pieri Pereira

O novo provimento da Corregedoria-Geral do Tribunal Superior do Trabalho (TST) recomenda aos juízes corregedores dos tribunais regionais do trabalho (TRTs) que determinem aos magistrados de primeira instância que, ao optarem pela desconsideração da pessoa jurídica no processo de execução, voltando-se contra o patrimônio dos sócios, ordenem também a retificação da autuação do processo, para que figurem no pólo passivo os nomes das pessoas físicas envolvidas, a fim de que essas não possam obter certidões negativas de débitos trabalhistas em cartório.

terça-feira, 4 de julho de 2006

 

O direito de propriedade está ameaçado

 

Danilo Pieri Pereira*

 

O novo provimento da Corregedoria-Geral do Tribunal Superior do Trabalho (TST) recomenda aos juízes corregedores dos tribunais regionais do trabalho (TRTs) que determinem aos magistrados de primeira instância que, ao optarem pela desconsideração da pessoa jurídica no processo de execução, voltando-se contra o patrimônio dos sócios, ordenem também a retificação da autuação do processo, para que figurem no pólo passivo os nomes das pessoas físicas envolvidas, a fim de que essas não possam obter certidões negativas de débitos trabalhistas em cartório.

 

 

Na prática, o juiz da execução, ao deferir o pedido do autor acerca da desconsideração da pessoa jurídica, deverá determinar, no mesmo despacho que ordenar a citação para pagamento, garantia da execução ou penhora de bens, que seja feita a reautuação e inclusão do sócio executado no rol de devedores daquele fórum trabalhista, evitando, assim, a expedição de certidões negativas em seu nome.

 

Com isso, em tese o terceiro, quando negociar bens com alguém que é ou já foi sócio de alguma empresa, poderá evitar a conclusão do negócio, caso detecte que o alienante é devedor na Justiça do Trabalho, ao solicitar uma certidão negativa. Embora a medida a princípio pareça salutar, resguardando tanto o direito do trabalhador como do terceiro de boa-fé, ela pode também causar graves violações ao direito de propriedade, garantido constitucionalmente.

 

A desconsideração da pessoa jurídica ganhou notoriedade no país com a edição do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que prevê que "o juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração".

 

Tendo em vista que o CDC é de aplicabilidade restrita às relações de consumo, a jurisprudência se dividiu quanto à possibilidade de desconsideração da pessoa jurídica também em litígios de outras naturezas, como os trabalhistas. A discussão perdeu espaço com a entrada em vigor do novo Código Civil que, além de adotar para outras relações obrigacionais o instituto já vigente para as relações de consumo, também ampliou a responsabilidade pessoal das pessoas físicas, atribuindo responsabilidade pela dívida não só ao sócio, mas também aos administradores da sociedade respectiva.

 

Dada a vasta possibilidade de administração e gestão conferida pelas leis societárias, a jurisprudência trabalhista vem cada vez mais ampliando o grau de incidência da norma e alargando enormemente o conceito de desconsideração da pessoa jurídica, para estabelecer responsabilidade também aos membros do conselho de administração, gerentes estatutários e delegados e diretores das sociedades por ações.

 

De qualquer sorte, o princípio geral que deve nortear a amplitude da desconsideração da pessoa jurídica de forma justa e racional parece ser o da responsabilidade pessoal do gestor empresarial apenas por seus atos de gestão. Nessa linha, só responde subjetivamente aquele que puder ser responsabilizado pessoalmente pelos eventuais prejuízos causados ao trabalhador decorrentes de uma má-gestão sua no tempo da prestação de serviços ou do pagamento do crédito trabalhista.

 

Ocorre que, no afã de dar satisfação a créditos trabalhistas não garantidos pela sociedade, muitos credores acabam por obter a determinação judicial de constrição de patrimônio de pessoas que não figuraram no quadro societário à época de prestação de serviços, o bloqueio de bens de sujeitos que sequer possuíam poderes de gestão societária e até mesmo de procuradores dos acionistas, conselheiros e administradores, normalmente advogados, que apenas tiveram poderes de representação em troca de honorários por serviços prestados, nos termos da lei. Há que se ressaltar, ademais, que não é incomum estarem defasadas as informações societárias advindas das juntas comerciais dos Estados.

 

Assim, embora o Provimento nº. 1, de 2006, se apresente bastante salutar quando corretamente aplicado, ele igualmente ameaça de maneira gravosa o direito do cidadão de dispor livremente de seus bens, na medida em que se poderá lançar no rol de devedores da Justiça do Trabalho pessoas que nada têm a ver com a execução trabalhista em questão, antes mesmo que a sua possibilidade de responsabilização seja confirmada, o que viola o direito de propriedade, garantido constitucionalmente.

 

A parte final do novo provimento, aliás, prevê que, uma vez comprovada a inexistência de responsabilidade desses sócios, seja imediatamente cancelada a inscrição da pessoa judicial da lista negra de devedores. Isso demonstra claramente que a medida tende a acusar primeiro para perguntar depois. Quanto aos eventuais prejuízos sofridos moral e materialmente por aquele que se viu impedido de obter certidões negativas, o provimento nada esclarece.

 

Como se vê, a nova recomendação do TST, que deverá passar por reformulações e adaptações pelas corregedorias de cada tribunal regional do trabalho do país nos próximos meses, provavelmente ainda causará muita discussão e, até que se chegue a um entendimento razoável de como aplicá-la de forma equânime, o direito de propriedade do cidadão corre o risco de ser vilipendiado. E não venham com estatísticas para justificar que, em mil casos, apenas 50 apresentaram problemas, pois o direito não pode prejudicar nem as minorias e nem favorecer as maiorias.

 

___________

* Advogado do escritório Demarest e Almeida Advogados









___________

Atualizado em: 3/7/2006 16:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Publicidade